Sem salários, agentes de limpeza ameaçam parar

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/08/2018 às 07:53:00

 

Milton Alves Júnior
Agentes de limpeza de empresa BTS Ambiental, grupo terceirizado contratado pela Prefeitura de Aracaju, se reuniram na manhã de ontem em frente a entrada principal do Mercado Albano Franco, centro da capital sergipana, para protestar contra o atraso no repasse salarial referente ao mês de julho. Hoje completam onze dias de atraso após o quinto dia útil permitido pela Constituição Federal. A classe trabalhadora reclama ainda contra atraso no repasse de passagem, ticket alimentação, férias, depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), e imparcialidade por parte da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), responsável por contratar a BTS.
De acordo com Carlito Rocha, agente de limpeza, desde o início do mês os trabalhadores têm pressionado os gestores empresariais para que realizem a quitação imediata dos direitos trabalhistas a fim de evitar mobilizações e suspensão dos serviços. Apesar dos apelos, o grupo garante que até a tarde de ontem nenhum repasse havia sido contabilizado. Se mostrando preocupado com o agravamento financeiro de despenas de famílias, o denunciante não descarta a possibilidade de deflagrar greve por tempo indeterminado. Mais de 40 pessoas aderiram ao ato público.
"Estamos indo trabalhar no maior esforço possível porque não temos dinheiro nem para pagar as contas, para ir trabalhar e comprar comida para se alimentar durante à rotina de trabalho. O pior disso tudo é que os responsáveis por realizar esses pagamentos parecem não estar nem aí. Não dizem nada sobre o assunto e a gente fica à beira do desespero", declarou. Ainda de acordo com Carlito: "estamos há três meses sem receber as passagens e somos obrigados a se humilhar para os motoristas e cobradores para deixar a gente ir para o trabalho sem pagar a passagem. Sabemos que é errado, mas se não for desse jeito a gente não trabalha".
Sobre o problema no repasse financeiro a direção da Emsurb informou que um problema na compensação bancária resultou no atraso da quitação da parcela em atraso, mas que ontem mesmo a situação já havia sido normalizada e até a próxima terça-feira, 21, todos os trabalhadores já terão recebido os respectivos direitos.

Agentes de limpeza de empresa BTS Ambiental, grupo terceirizado contratado pela Prefeitura de Aracaju, se reuniram na manhã de ontem em frente a entrada principal do Mercado Albano Franco, centro da capital sergipana, para protestar contra o atraso no repasse salarial referente ao mês de julho. Hoje completam onze dias de atraso após o quinto dia útil permitido pela Constituição Federal. A classe trabalhadora reclama ainda contra atraso no repasse de passagem, ticket alimentação, férias, depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), e imparcialidade por parte da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), responsável por contratar a BTS.
De acordo com Carlito Rocha, agente de limpeza, desde o início do mês os trabalhadores têm pressionado os gestores empresariais para que realizem a quitação imediata dos direitos trabalhistas a fim de evitar mobilizações e suspensão dos serviços. Apesar dos apelos, o grupo garante que até a tarde de ontem nenhum repasse havia sido contabilizado. Se mostrando preocupado com o agravamento financeiro de despenas de famílias, o denunciante não descarta a possibilidade de deflagrar greve por tempo indeterminado. Mais de 40 pessoas aderiram ao ato público.
"Estamos indo trabalhar no maior esforço possível porque não temos dinheiro nem para pagar as contas, para ir trabalhar e comprar comida para se alimentar durante à rotina de trabalho. O pior disso tudo é que os responsáveis por realizar esses pagamentos parecem não estar nem aí. Não dizem nada sobre o assunto e a gente fica à beira do desespero", declarou. Ainda de acordo com Carlito: "estamos há três meses sem receber as passagens e somos obrigados a se humilhar para os motoristas e cobradores para deixar a gente ir para o trabalho sem pagar a passagem. Sabemos que é errado, mas se não for desse jeito a gente não trabalha".
Sobre o problema no repasse financeiro a direção da Emsurb informou que um problema na compensação bancária resultou no atraso da quitação da parcela em atraso, mas que ontem mesmo a situação já havia sido normalizada e até a próxima terça-feira, 21, todos os trabalhadores já terão recebido os respectivos direitos.