Sergipana Duda é a melhor do mundo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Ao lado da Paranaense Ágatha Ripel, a sergipana Duda Lisboa conquistou o título mais importante da temporada do Vôlei de Praia
Ao lado da Paranaense Ágatha Ripel, a sergipana Duda Lisboa conquistou o título mais importante da temporada do Vôlei de Praia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/08/2018 às 06:58:00

 

A sergipana Duda Lisboa 
é sem dúvida alguma 
o maior nome do vôlei de praia do mundo no momento. Ao lado da paranaense Ágatha Bednarczuk Rippel, a dupla Duda/Ágatha conquistou na manhã deste domingo (19) o título de campeã do World Tour Finals, em Hamburgo. 
O evento, que contou apenas com os nove melhores do ranking e um time convidado em cada naipe, ofereceu cerca de R$ 3 milhões em premiações, somando os naipes masculino e feminino.  Na final realizada elas superaram as tchecas Hermannova e Slukova por 2 sets a 0 (21/15, 21/19), em 43 minutos de jogo.
O primeiro lugar rende também um recorde à dupla, que agora é dona da maior premiação paga em um único torneio de vôlei de praia da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). O ouro em Hamburgo rendeu 150 mil dólares ao time, cerca de R$ 585 mil na cotação atual. Duda comentou a felicidade pela conquista do torneio.
 - Foi um dos torneios mais difíceis que disputei, em alguns momentos ainda sou mais inexperiente e a Ágatha me ajuda demais. Foram situações na competição, que ela fez a diferença e me permitiu ter tranquilidade quando errei alguma bola. Estamos trabalhando muito. É tudo bastante novo para mim, mas estou me divertindo muito - analisou Duda.
Nem mesmo a experiência adquirida em tantos anos de praia, fez com que Ágatha escondesse a emoção. "É difícil colocar em palavras o que estamos sentindo neste momento. Esse torneio foi muito duro, com equipes fortíssima e era como se cada partida fosse uma final. Ao final da partida me emocionei, estou muito orgulhosa do que conquistamos. Foi um encerramento perfeito da temporada, merecemos um descanso para retornarmos mais fortes", disse Ágatha.
No geral, o Brasil fecha o Circuito Mundial 2018 com 26 medalhas, sendo nove de ouro, 13 de prata e quatro de bronze. Ágatha e Duda são donas de quatro dessas medalhas - dois ouros, uma prata e um bronze - e terminam na liderança do ranking. Desde o início da parceria, em janeiro de 2017, são 12 semifinais em 20 torneios internacionais disputados.
Maria Elisa e Carol Solberg (RJ) também fizeram bela campanha e encerraram na quarta colocação. Elas foram superadas no início do dia por Ágatha e Duda na semifinal, com revés de 2 sets a 0 (31/29, 21/18), e no duelo pelo bronze, foram vencidas pelas australianas Artacho Del Solar e Clancy no tie-break: 21/15, 19/21, 15/8.
A campanha de Ágatha e Duda em Hamburgo contou com seis vitórias e apenas um revés. Em 2017, também em Hamburgo, elas haviam ficado com a prata ao serem superadas pelas alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst. Agora, a dupla retorna ao Brasil e se prepara para o início do Circuito Brasileiro de vôlei de praia, que começa em setembro, em Palmas (TO).

A sergipana Duda Lisboa  é sem dúvida alguma  o maior nome do vôlei de praia do mundo no momento. Ao lado da paranaense Ágatha Bednarczuk Rippel, a dupla Duda/Ágatha conquistou na manhã deste domingo (19) o título de campeã do World Tour Finals, em Hamburgo. 
O evento, que contou apenas com os nove melhores do ranking e um time convidado em cada naipe, ofereceu cerca de R$ 3 milhões em premiações, somando os naipes masculino e feminino.  Na final realizada elas superaram as tchecas Hermannova e Slukova por 2 sets a 0 (21/15, 21/19), em 43 minutos de jogo.
O primeiro lugar rende também um recorde à dupla, que agora é dona da maior premiação paga em um único torneio de vôlei de praia da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). O ouro em Hamburgo rendeu 150 mil dólares ao time, cerca de R$ 585 mil na cotação atual. Duda comentou a felicidade pela conquista do torneio.
 - Foi um dos torneios mais difíceis que disputei, em alguns momentos ainda sou mais inexperiente e a Ágatha me ajuda demais. Foram situações na competição, que ela fez a diferença e me permitiu ter tranquilidade quando errei alguma bola. Estamos trabalhando muito. É tudo bastante novo para mim, mas estou me divertindo muito - analisou Duda.
Nem mesmo a experiência adquirida em tantos anos de praia, fez com que Ágatha escondesse a emoção. "É difícil colocar em palavras o que estamos sentindo neste momento. Esse torneio foi muito duro, com equipes fortíssima e era como se cada partida fosse uma final. Ao final da partida me emocionei, estou muito orgulhosa do que conquistamos. Foi um encerramento perfeito da temporada, merecemos um descanso para retornarmos mais fortes", disse Ágatha.
No geral, o Brasil fecha o Circuito Mundial 2018 com 26 medalhas, sendo nove de ouro, 13 de prata e quatro de bronze. Ágatha e Duda são donas de quatro dessas medalhas - dois ouros, uma prata e um bronze - e terminam na liderança do ranking. Desde o início da parceria, em janeiro de 2017, são 12 semifinais em 20 torneios internacionais disputados.
Maria Elisa e Carol Solberg (RJ) também fizeram bela campanha e encerraram na quarta colocação. Elas foram superadas no início do dia por Ágatha e Duda na semifinal, com revés de 2 sets a 0 (31/29, 21/18), e no duelo pelo bronze, foram vencidas pelas australianas Artacho Del Solar e Clancy no tie-break: 21/15, 19/21, 15/8.
A campanha de Ágatha e Duda em Hamburgo contou com seis vitórias e apenas um revés. Em 2017, também em Hamburgo, elas haviam ficado com a prata ao serem superadas pelas alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst. Agora, a dupla retorna ao Brasil e se prepara para o início do Circuito Brasileiro de vôlei de praia, que começa em setembro, em Palmas (TO).