Protestos paralisam canteiro de obras da termoelétrica

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Manifestação de operários do canteiro de obras da Celse, na Barra dos Coqueiros
Manifestação de operários do canteiro de obras da Celse, na Barra dos Coqueiros

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/08/2018 às 07:30:00

 

Milton Alves Júnior
Centenas de trabalhado
res que prestam servi
ços terceirizados para a construção da Usina Termoelétrica em processo de construção no município da Barra dos Coqueiros, região metropolitana de Aracaju, seguem se mobilizando contra possível quebra de acordo coletivo firmado entre operários e o setor empresarial. A greve que se estende há mais de dez dias vida pressionar os gestores das Centrais Elétricas de Sergipe (CELSE) contra a perspectiva de demissão de 100 trabalhadores, baixa condição de trabalho e falta de qualidade nutricional dos alimentos fornecidos.
Conforme o JORNAL DO DIA vem destacando desde o início da mobilização, os grevistas rejeitam todo e qualquer apoio que venha por parte daqueles que compõem a direção do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Montagem, Manutenção e Prestação de Serviços (Sindimont). Segundo Júlio César, porta-voz da classe trabalhadora: "Este sindicato não nos representa. Há tempos nos queixamos desses problemas, mas infelizmente o sindicato não vinha atendendo aos nossos apelos. Continuamos aguardando ser recebidos por dirigentes da Celse e General Electric (Grupo GE)".
Na lista de reivindicações os operários denunciam ainda ausência de plano de saúde, jornadas exaustivas e falta de assistência. Sobre essas queixas, a GE afirmou parte dos serviços de montagem da termoelétrica foi paralisada, que compreende os serviços sob a responsabilidade da empresa subcontratada Enesa Engenharia, com efetivo de cerca de 570 empregados. O grupo esclareceu ainda que o encerramento dos contratos citados pelos manifestantes é previsto, pois se trata de posições temporárias para instalação do projeto. No que se refere aos diálogos, os empresários informaram que os benefícios são discutidos e negociados com a representação legal dos empregados da Enesa, o Sindimont.
Confira a íntegra da nota oficial encaminhado pelo grupo empresarial:
"A GE esclarece que, nesta segunda-feira (20 de agosto), houve paralisação das obras de construção da termelétrica liderada por manifestantes da subcontratada Enesa Engenharia. O bloqueio ao acesso principal da termoelétrica impediu a entrada dos empregados das demais subcontratadas que trabalham na obra e que não aderiram à paralisação. O encerramento dos contratos citados pelos manifestantes é previsto desde o início da contratação, por tratarem-se de posições para instalação do projeto e, portanto, só se viabilizam nesta fase. Deste modo, a desmobilização corresponde às atividades encerradas na fase de montagem e não há distinção em relação à origem dos empregados.
As negociações sobre benefícios e demais acordos são feitas diretamente com o SINDMONT, sindicato indicado pelo Ministério Público do Trabalho e Emprego de Sergipe para representar os trabalhadores de montagem, portanto o representante legal dos empregados. Quanto aos benefícios pleiteados pelos manifestantes, foi negociada a concessão de plano de saúde para os funcionários, que terá vigência a partir de 1º de setembro de 2018, enquanto a Participação nos Lucros e Resultados encontra-se em fase final de negociação com o sindicato da categoria. Por fim, informamos que hoje foi realizado o pagamento do adiantamento salarial aos empregados da Enesa Engenharia, apesar da paralisação ter sido iniciada em 10 de agosto."

Centenas de trabalhado res que prestam servi ços terceirizados para a construção da Usina Termoelétrica em processo de construção no município da Barra dos Coqueiros, região metropolitana de Aracaju, seguem se mobilizando contra possível quebra de acordo coletivo firmado entre operários e o setor empresarial. A greve que se estende há mais de dez dias vida pressionar os gestores das Centrais Elétricas de Sergipe (CELSE) contra a perspectiva de demissão de 100 trabalhadores, baixa condição de trabalho e falta de qualidade nutricional dos alimentos fornecidos.
Conforme o JORNAL DO DIA vem destacando desde o início da mobilização, os grevistas rejeitam todo e qualquer apoio que venha por parte daqueles que compõem a direção do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Montagem, Manutenção e Prestação de Serviços (Sindimont). Segundo Júlio César, porta-voz da classe trabalhadora: "Este sindicato não nos representa. Há tempos nos queixamos desses problemas, mas infelizmente o sindicato não vinha atendendo aos nossos apelos. Continuamos aguardando ser recebidos por dirigentes da Celse e General Electric (Grupo GE)".
Na lista de reivindicações os operários denunciam ainda ausência de plano de saúde, jornadas exaustivas e falta de assistência. Sobre essas queixas, a GE afirmou parte dos serviços de montagem da termoelétrica foi paralisada, que compreende os serviços sob a responsabilidade da empresa subcontratada Enesa Engenharia, com efetivo de cerca de 570 empregados. O grupo esclareceu ainda que o encerramento dos contratos citados pelos manifestantes é previsto, pois se trata de posições temporárias para instalação do projeto. No que se refere aos diálogos, os empresários informaram que os benefícios são discutidos e negociados com a representação legal dos empregados da Enesa, o Sindimont.
Confira a íntegra da nota oficial encaminhado pelo grupo empresarial:
"A GE esclarece que, nesta segunda-feira (20 de agosto), houve paralisação das obras de construção da termelétrica liderada por manifestantes da subcontratada Enesa Engenharia. O bloqueio ao acesso principal da termoelétrica impediu a entrada dos empregados das demais subcontratadas que trabalham na obra e que não aderiram à paralisação. O encerramento dos contratos citados pelos manifestantes é previsto desde o início da contratação, por tratarem-se de posições para instalação do projeto e, portanto, só se viabilizam nesta fase. Deste modo, a desmobilização corresponde às atividades encerradas na fase de montagem e não há distinção em relação à origem dos empregados.
As negociações sobre benefícios e demais acordos são feitas diretamente com o SINDMONT, sindicato indicado pelo Ministério Público do Trabalho e Emprego de Sergipe para representar os trabalhadores de montagem, portanto o representante legal dos empregados. Quanto aos benefícios pleiteados pelos manifestantes, foi negociada a concessão de plano de saúde para os funcionários, que terá vigência a partir de 1º de setembro de 2018, enquanto a Participação nos Lucros e Resultados encontra-se em fase final de negociação com o sindicato da categoria. Por fim, informamos que hoje foi realizado o pagamento do adiantamento salarial aos empregados da Enesa Engenharia, apesar da paralisação ter sido iniciada em 10 de agosto."