Saúde confirma paciente contaminado por malária em SE

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/08/2018 às 05:41:00

 

Gabriel Damásio
Um paciente está in
ternado há dois 
dias no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), no Capucho (zona oeste de Aracaju), com sintomas de malária, doença transmitida pelo mosquito Anopheles e mais comum em algumas regiões do norte do país, mas cujos casos começaram a aumentar em outras regiões. A informação foi confirmada ontem pela Secretaria de Estado da Saúde (SES). Segundo o órgão, o homem internado é um caminhoneiro que mora em Umbaúba (Sul), retornou há 15 dias de uma viagem ao Norte e foi trazido para a capital depois de apresentar sintomas da doença. 
A presença do agente causador da doença foi confirmada após a realização de dois exames: um teste rápido e um exame de contraprova com lâmina, que deram positivo. O paciente passou por tratamento e, segundo a SES, seu estado de saúde é considerado bom, podendo receber alta ainda hoje. Equipes da Vigilância Epidemiológica de Saúde do Estado e da Prefeitura de Umbaúba foram mobilizadas ontem para verificar a saúde dos familiares e dos vizinhos do paciente, bem como investigar a presença de mosquitos e de possíveis vetores da doença na região onde ele vive. 
A medida é preventiva e, caso sejam identificadas outras pessoas com os mesmos sintomas da doença, outras medidas devem ser tomadas para eliminar os vetores e tratar os pacientes. Este foi o segundo registro de contaminação por malária em Sergipe neste ano. O primeiro foi registrado no começo deste ano e o paciente, um engenheiro que trabalhava na África, foi curado. Nos dois casos, a principal suspeita é de que os pacientes foram picados pelos vetores da doença fora de Sergipe.
A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. A cura é possível se a doença for tratada em tempo oportuno e de forma adequada. Contudo, a malária pode evoluir para forma grave e para óbito. Os sintomas são febre alta, calafrios, tremores, sudorese e dor de cabeça,que podem ocorrer de forma cíclica. Muitas pessoas, antes de apresentarem estas manifestações mais características, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.
Entre as medidas de prevenção individual estão: uso de mosquiteiros, roupas que protejam pernas e braços, telas em portas e janelas e uso de repelentes. Já as medidas de prevenção coletiva contra malária são borrifação intradomiciliar, uso de mosquiteiros, drenagem, pequenas obras de saneamento para eliminação de criadouros do vetor, aterro, limpeza das margens dos criadouros, modificação do fluxo da água, controle da vegetação aquática, melhoramento da moradia e das condições de trabalho e uso racional da terra.

Um paciente está in ternado há dois  dias no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), no Capucho (zona oeste de Aracaju), com sintomas de malária, doença transmitida pelo mosquito Anopheles e mais comum em algumas regiões do norte do país, mas cujos casos começaram a aumentar em outras regiões. A informação foi confirmada ontem pela Secretaria de Estado da Saúde (SES). Segundo o órgão, o homem internado é um caminhoneiro que mora em Umbaúba (Sul), retornou há 15 dias de uma viagem ao Norte e foi trazido para a capital depois de apresentar sintomas da doença. 
A presença do agente causador da doença foi confirmada após a realização de dois exames: um teste rápido e um exame de contraprova com lâmina, que deram positivo. O paciente passou por tratamento e, segundo a SES, seu estado de saúde é considerado bom, podendo receber alta ainda hoje. Equipes da Vigilância Epidemiológica de Saúde do Estado e da Prefeitura de Umbaúba foram mobilizadas ontem para verificar a saúde dos familiares e dos vizinhos do paciente, bem como investigar a presença de mosquitos e de possíveis vetores da doença na região onde ele vive. 
A medida é preventiva e, caso sejam identificadas outras pessoas com os mesmos sintomas da doença, outras medidas devem ser tomadas para eliminar os vetores e tratar os pacientes. Este foi o segundo registro de contaminação por malária em Sergipe neste ano. O primeiro foi registrado no começo deste ano e o paciente, um engenheiro que trabalhava na África, foi curado. Nos dois casos, a principal suspeita é de que os pacientes foram picados pelos vetores da doença fora de Sergipe.
A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. A cura é possível se a doença for tratada em tempo oportuno e de forma adequada. Contudo, a malária pode evoluir para forma grave e para óbito. Os sintomas são febre alta, calafrios, tremores, sudorese e dor de cabeça,que podem ocorrer de forma cíclica. Muitas pessoas, antes de apresentarem estas manifestações mais características, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.
Entre as medidas de prevenção individual estão: uso de mosquiteiros, roupas que protejam pernas e braços, telas em portas e janelas e uso de repelentes. Já as medidas de prevenção coletiva contra malária são borrifação intradomiciliar, uso de mosquiteiros, drenagem, pequenas obras de saneamento para eliminação de criadouros do vetor, aterro, limpeza das margens dos criadouros, modificação do fluxo da água, controle da vegetação aquática, melhoramento da moradia e das condições de trabalho e uso racional da terra.