Um cidadão exemplar

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 24/08/2018 às 06:12:00

 

Nada pode ser exigido a um ci
dadão de bem, além do exercí
cio da cidadania. Cumprir a Lei, comparecer às urnas a cada nova eleição, pagar impostos é o de praxe. Há quem não se conforme, contudo, com as faltas do poder público e, ante as consequências previsíveis junto aos mais pobres, chame a responsabilidade para si. Estes servem de inspiração coletiva, cidadãos exemplares. A medalha oferecida a Almir do Picolé, ontem, em homenagem abrigada pela Assembleia Legislativa de Sergipe, dá status oficial a um reconhecimento que é público e notório.
A César o que é de César. Almir já recebeu todo tipo de homenagem, mas nunca será demais lembrar a sua trajetória de vida e o importante trabalho social desenvolvido em prol das crianças carentes sergipanas. Embora tenha crescido em orfanato, jamais se prestou ao papel de vítima. Antes, reuniu forças e ergueu uma creche às próprias custas, vendendo picolé e recolhendo doações nos semáforos. Hoje, a instituição justamente batizada com o seu nome atende a quase uma centena de crianças com até cinco anos de idade.
Os senhores parlamentares, muito bem pagos pelo conjunto da sociedade, poderiam oferecer muito mais do que a Ordem do Mérito Parlamentar a Almir do Picolé - uma honra mais do que merecida, aliás. Quando pouco, poderiam se mirar na devoção à causa da infância, tantas vezes vilipendiada ali mesmo, na casa do povo, como demonstra o uso indevido das verbas de subvenção, ainda fresco na memória dos sergipanos. Na atual legislatura, poucos podem exibir as mãos limpas, como Almir o faz.
O presidente da Alese, deputado estadual Luciano Bispo, destacou o motivo de tanta cerimônia. "Almir do Picolé é um cidadão que sempre trabalha pelas crianças carentes desse estado". Nisso, está coberto da razão. Almir do Picolé, sozinho, sem nenhuma ambição política, faz muito mais do que os 24 deputados sergipanos juntos. Sem tomar nenhum centavo para si.

Nada pode ser exigido a um ci dadão de bem, além do exercí cio da cidadania. Cumprir a Lei, comparecer às urnas a cada nova eleição, pagar impostos é o de praxe. Há quem não se conforme, contudo, com as faltas do poder público e, ante as consequências previsíveis junto aos mais pobres, chame a responsabilidade para si. Estes servem de inspiração coletiva, cidadãos exemplares. A medalha oferecida a Almir do Picolé, ontem, em homenagem abrigada pela Assembleia Legislativa de Sergipe, dá status oficial a um reconhecimento que é público e notório.
A César o que é de César. Almir já recebeu todo tipo de homenagem, mas nunca será demais lembrar a sua trajetória de vida e o importante trabalho social desenvolvido em prol das crianças carentes sergipanas. Embora tenha crescido em orfanato, jamais se prestou ao papel de vítima. Antes, reuniu forças e ergueu uma creche às próprias custas, vendendo picolé e recolhendo doações nos semáforos. Hoje, a instituição justamente batizada com o seu nome atende a quase uma centena de crianças com até cinco anos de idade.
Os senhores parlamentares, muito bem pagos pelo conjunto da sociedade, poderiam oferecer muito mais do que a Ordem do Mérito Parlamentar a Almir do Picolé - uma honra mais do que merecida, aliás. Quando pouco, poderiam se mirar na devoção à causa da infância, tantas vezes vilipendiada ali mesmo, na casa do povo, como demonstra o uso indevido das verbas de subvenção, ainda fresco na memória dos sergipanos. Na atual legislatura, poucos podem exibir as mãos limpas, como Almir o faz.
O presidente da Alese, deputado estadual Luciano Bispo, destacou o motivo de tanta cerimônia. "Almir do Picolé é um cidadão que sempre trabalha pelas crianças carentes desse estado". Nisso, está coberto da razão. Almir do Picolé, sozinho, sem nenhuma ambição política, faz muito mais do que os 24 deputados sergipanos juntos. Sem tomar nenhum centavo para si.