Polícia encontra mãe de bebê achado morto em Socorro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/08/2018 às 07:48:00

 

A polícia descobriu a identidade da mãe da criança recém-nascida com oito meses de gestação que foi encontrada morta no Parque dos Faróis, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju), na manhã desta segunda-feira. É uma jovem de 19 anos que foi localizada e intimada para prestar depoimento ontem de manhã na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo a delegada Thereza Simony Silva, diretora da unidade, a mulher confessou ter sufocado a criança e em seguida abandonado o corpo no quintal de uma casa. O nome da acusada e o lugar onde ela mora não serão divulgados para preservar a integridade dela. 
De acordo com a delegada, uma denúncia anônima ajudou a polícia a identificar a jovem, que prestou depoimento e foi liberada, devendo responder ao inquérito em liberdade. Em seu depoimento, ela afirmou que a menina nasceu entre o final da noite de sábado e madrugada do domingo, o banheiro da casa onde a mãe mora. "Ela teve a criança no banheiro, que caiu no vaso sanitário. Ela, ao ter o bebê, disse que desmaiou e quando acordou foi a quintal, pegou uma peça íntima do pai (avô do bebê), pegou a criança no vaso sanitário, viu que ainda respirava e que abriu os olhos, e botou a cueca na boca para abafar o choro. Depois, percebeu que o corpo estava frio, botou na sacola e levou para o quintal. No outro dia, encontrou o lugar que julgou ser favorável, e jogou a sacola com o corpo da criança dentro", relatou Thereza.
Ainda segundo o depoimento, a mulher disse que tentou abortar a menina porque ela era fruto de um relacionamento com um homem casado, mas os remédios utilizados não fizeram efeito e ela teve um parto prematuro. Acrescentou ainda que a cueca encontrada no pescoço da bebê foi usada pela mãe para abafar o choro da criança ao nascer. A delegada informou que todas as pessoas que contribuíram para o crime irão responder pelo crime, incluindo o pai da menina. Eles poderão responder pelo crime de infanticídio ou de homicídio doloso. O inquérito deve ser concluído nos próximos dias.

A polícia descobriu a identidade da mãe da criança recém-nascida com oito meses de gestação que foi encontrada morta no Parque dos Faróis, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju), na manhã desta segunda-feira. É uma jovem de 19 anos que foi localizada e intimada para prestar depoimento ontem de manhã na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo a delegada Thereza Simony Silva, diretora da unidade, a mulher confessou ter sufocado a criança e em seguida abandonado o corpo no quintal de uma casa. O nome da acusada e o lugar onde ela mora não serão divulgados para preservar a integridade dela. 
De acordo com a delegada, uma denúncia anônima ajudou a polícia a identificar a jovem, que prestou depoimento e foi liberada, devendo responder ao inquérito em liberdade. Em seu depoimento, ela afirmou que a menina nasceu entre o final da noite de sábado e madrugada do domingo, o banheiro da casa onde a mãe mora. "Ela teve a criança no banheiro, que caiu no vaso sanitário. Ela, ao ter o bebê, disse que desmaiou e quando acordou foi a quintal, pegou uma peça íntima do pai (avô do bebê), pegou a criança no vaso sanitário, viu que ainda respirava e que abriu os olhos, e botou a cueca na boca para abafar o choro. Depois, percebeu que o corpo estava frio, botou na sacola e levou para o quintal. No outro dia, encontrou o lugar que julgou ser favorável, e jogou a sacola com o corpo da criança dentro", relatou Thereza.
Ainda segundo o depoimento, a mulher disse que tentou abortar a menina porque ela era fruto de um relacionamento com um homem casado, mas os remédios utilizados não fizeram efeito e ela teve um parto prematuro. Acrescentou ainda que a cueca encontrada no pescoço da bebê foi usada pela mãe para abafar o choro da criança ao nascer. A delegada informou que todas as pessoas que contribuíram para o crime irão responder pelo crime, incluindo o pai da menina. Eles poderão responder pelo crime de infanticídio ou de homicídio doloso. O inquérito deve ser concluído nos próximos dias.