Confiança pode ir para o Grupo B em 2019

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A equipe do Confiança pode ir para o Grupo B e os sergipanos verão novas equipes na disputa da Série C de 2019
A equipe do Confiança pode ir para o Grupo B e os sergipanos verão novas equipes na disputa da Série C de 2019

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 28/08/2018 às 07:12:00

 

A equipe do Confian-
ça que há quatro 
ano, disputado o Brasileiro da Série C no Grupo A um grupo tipicamente de equipes nordestinas, pode na sua quinta temporada nessa Série, disputar a competição pelo Grupo B. A competição está chegando ao final e nenhuma equipe nordestina conquistou o acesso. Isso se for mantido o atual regulamento, com os famigerados mata-mata.
A Região Nordeste teve três oportunidades de conquistar o acesso, com Náutico, Santa Cruz e Botafogo-PB, mas desperdiçou as três. Todas equipes foram eliminadas no último domingo. Essas equipes permanecem na Série C, criando um verdadeiro inchaço. Isso sem contar que duas equipes regionais correm o risco de serem rebaixadas da Série B: CRB e Sampaio Correa. 
Com isso mais de dez equipes nordestinas estariam no Grupo A e como Sergipe é o estado de entrada da região, portanto o mais próximo das regiões Sul e Sudeste, o Confiança corre grande risco de ser deslocado para o Grupo B, na próxima temporada. É só aguardar.  
Os reflexos da queda dos nordestinos é imediato. A começar pela própria Série B, que hoje tem apenas quatro representantes. Num cenário mais complexo, poderia não ter nenhum em 2019 - contando com os acessos de Fortaleza e CSA, que hoje estão no G-4. Para que esse cenário se mantivesse, ainda seria necessário que os quatro times da Série A não caíssem, além dos rebaixamentos de CRB e Sampaio Corrêa - atualmente, o time maranhense está no Z-4.
Essa projeção também traria um inchaço de nordestinos na Série C. Além dos três que não subiram no mata-mata deste domingo (Santa Cruz, Náutico e Botafogo-PB), o Grupo A ainda teria outros três advindos da Série D (Ferroviário, Treze e Imperatriz), além dos três remanescentes (Confiança, ABC e Globo FC). Só aí são nove times, sem considerar algum rebaixamento nordestino da Série B deste ano. Considerando que Remo e, possivelmente, Atlético-AC também estariam nessa chave, a CBF terá que quebrar a cabeça para manter o mesmo regulamento no próximo ano.
Uma mudança a se considerar - e que vem sendo muito pedida por alguns clubes - é implantar na Série C o mesmo regulamento das primeiras e segunda divisões, com os 20 clubes jogando entre si em turno e returno. Com isso, o traumático mata-mata que hoje fez o futebol nordestino sofrer, seria extinto a partir de 2019.
A queda - O primeiro a cair foi o Santa Cruz. Apesar da vantagem construída no Arruda, o Tricolor acabou sendo presa fácil para o Operário-PR no Germano Kruger, em Ponta Grossa. Os paranaenses venceram por 3 a 0 e dão sequência à ascensão que vem desde o ano passado, quando conquistaram o título da Série D.
Depois foi a vez do Náutico. O Timbu tinha uma missão ingrata, que era tirar dois gols de desvantagem para o Bragantino. O empate em 1 a 1 com a Arena de Pernambuco acabou com o sonho, com direito a pênalti desperdiçado por Wallace Pernambucano no segundo tempo, que poderia ter iniciado a reação.
Talvez a queda mais dolorida tenha sido do Botafogo-PB. O Belo fez um grande jogo contra o Botafogo-SP, em Ribeirão Preto, e estava segurando o 0 a 0 que o classificava até os 48 minutos do segundo tempo. O gol de Felipe Augusto levou a disputa para os pênaltis. E nela, viu Juninho e Marcos Aurélio perderem suas cobranças para o xará paulista fazer a festa.

A equipe do Confian- ça que há quatro  ano, disputado o Brasileiro da Série C no Grupo A um grupo tipicamente de equipes nordestinas, pode na sua quinta temporada nessa Série, disputar a competição pelo Grupo B. A competição está chegando ao final e nenhuma equipe nordestina conquistou o acesso. Isso se for mantido o atual regulamento, com os famigerados mata-mata.
A Região Nordeste teve três oportunidades de conquistar o acesso, com Náutico, Santa Cruz e Botafogo-PB, mas desperdiçou as três. Todas equipes foram eliminadas no último domingo. Essas equipes permanecem na Série C, criando um verdadeiro inchaço. Isso sem contar que duas equipes regionais correm o risco de serem rebaixadas da Série B: CRB e Sampaio Correa. 
Com isso mais de dez equipes nordestinas estariam no Grupo A e como Sergipe é o estado de entrada da região, portanto o mais próximo das regiões Sul e Sudeste, o Confiança corre grande risco de ser deslocado para o Grupo B, na próxima temporada. É só aguardar.  
Os reflexos da queda dos nordestinos é imediato. A começar pela própria Série B, que hoje tem apenas quatro representantes. Num cenário mais complexo, poderia não ter nenhum em 2019 - contando com os acessos de Fortaleza e CSA, que hoje estão no G-4. Para que esse cenário se mantivesse, ainda seria necessário que os quatro times da Série A não caíssem, além dos rebaixamentos de CRB e Sampaio Corrêa - atualmente, o time maranhense está no Z-4.
Essa projeção também traria um inchaço de nordestinos na Série C. Além dos três que não subiram no mata-mata deste domingo (Santa Cruz, Náutico e Botafogo-PB), o Grupo A ainda teria outros três advindos da Série D (Ferroviário, Treze e Imperatriz), além dos três remanescentes (Confiança, ABC e Globo FC). Só aí são nove times, sem considerar algum rebaixamento nordestino da Série B deste ano. Considerando que Remo e, possivelmente, Atlético-AC também estariam nessa chave, a CBF terá que quebrar a cabeça para manter o mesmo regulamento no próximo ano.
Uma mudança a se considerar - e que vem sendo muito pedida por alguns clubes - é implantar na Série C o mesmo regulamento das primeiras e segunda divisões, com os 20 clubes jogando entre si em turno e returno. Com isso, o traumático mata-mata que hoje fez o futebol nordestino sofrer, seria extinto a partir de 2019.

A queda - O primeiro a cair foi o Santa Cruz. Apesar da vantagem construída no Arruda, o Tricolor acabou sendo presa fácil para o Operário-PR no Germano Kruger, em Ponta Grossa. Os paranaenses venceram por 3 a 0 e dão sequência à ascensão que vem desde o ano passado, quando conquistaram o título da Série D.
Depois foi a vez do Náutico. O Timbu tinha uma missão ingrata, que era tirar dois gols de desvantagem para o Bragantino. O empate em 1 a 1 com a Arena de Pernambuco acabou com o sonho, com direito a pênalti desperdiçado por Wallace Pernambucano no segundo tempo, que poderia ter iniciado a reação.
Talvez a queda mais dolorida tenha sido do Botafogo-PB. O Belo fez um grande jogo contra o Botafogo-SP, em Ribeirão Preto, e estava segurando o 0 a 0 que o classificava até os 48 minutos do segundo tempo. O gol de Felipe Augusto levou a disputa para os pênaltis. E nela, viu Juninho e Marcos Aurélio perderem suas cobranças para o xará paulista fazer a festa.