TJSE nega liberdade a cinco investigados da 'Jardim do Éden'

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/08/2018 às 07:29:00

 

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) negou o pedido de liberdade apresentado para cinco dos 12 investigados que foram presos em junho deste ano, durante a 'Operação Jardim do Éden', da Polícia Civil. O julgamento da liminar foi concluído ontem de manhã, com o voto contrário dos desembargadores Roberto Eugênio Porto e Ana Lúcia Freire dos Anjos. Eles negaram a extensão de um habeas-corpus que foi concedido a dois dos investigados e determinaram que os réus fossem detidos novamente e cumpram um mandado de prisão preventiva. 
A decisão valeu para os réus José Alberto Araújo Filho, o 'Albertinho'; Saulo Amaral Costa; Lucca Shunk Lins Moura; Wainer Schweter Ganda e Pedro Cerqueira Maynard Wendell o 'DJ Maynard', acusados de envolvimento de um esquema de tráfico de drogas sintéticas enviadas de Santa Catarina para festas de classe média alta em Aracaju. Os magistrados citaram provas e evidências apuradas contra os réus no decorrer do inquérito policial que investigou o caso, de responsabilidade do Departamento de Narcóticos. (Denarc). A desembargadora substituta Maria Angélica França e Souza havia votando na semana passada pela manutenção da liberdade provisória, mas foi voto vencido. 
As ordens de prisão devem ser expedidas até hoje, mas um dos acusados se entregou ontem à tarde na sede do Denarc. Os advogados dos acusados anunciaram duas estratégias: recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, e pedir que o juízo da 4ª Vara Criminal de Aracaju, onde os processos tramitam, revogue as prisões preventivas durante a instrução do caso. Os defensores consideram o resultado do julgamento como 'absurdo' e alegam que seus clientes são apenas usuários das drogas sintéticas e que não revendiam as drogas apreendidas pelo Denarc em suas residências. Ao todo, 13 pessoas foram presas por envolvimento com o esquema e mais de 2.500 comprimidos de ecstasy, anfetaminas e MDMA, conhecida como 'Michael Douglas'. (Gabriel Damásio)

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) negou o pedido de liberdade apresentado para cinco dos 12 investigados que foram presos em junho deste ano, durante a 'Operação Jardim do Éden', da Polícia Civil. O julgamento da liminar foi concluído ontem de manhã, com o voto contrário dos desembargadores Roberto Eugênio Porto e Ana Lúcia Freire dos Anjos. Eles negaram a extensão de um habeas-corpus que foi concedido a dois dos investigados e determinaram que os réus fossem detidos novamente e cumpram um mandado de prisão preventiva. 
A decisão valeu para os réus José Alberto Araújo Filho, o 'Albertinho'; Saulo Amaral Costa; Lucca Shunk Lins Moura; Wainer Schweter Ganda e Pedro Cerqueira Maynard Wendell o 'DJ Maynard', acusados de envolvimento de um esquema de tráfico de drogas sintéticas enviadas de Santa Catarina para festas de classe média alta em Aracaju. Os magistrados citaram provas e evidências apuradas contra os réus no decorrer do inquérito policial que investigou o caso, de responsabilidade do Departamento de Narcóticos. (Denarc). A desembargadora substituta Maria Angélica França e Souza havia votando na semana passada pela manutenção da liberdade provisória, mas foi voto vencido. 
As ordens de prisão devem ser expedidas até hoje, mas um dos acusados se entregou ontem à tarde na sede do Denarc. Os advogados dos acusados anunciaram duas estratégias: recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, e pedir que o juízo da 4ª Vara Criminal de Aracaju, onde os processos tramitam, revogue as prisões preventivas durante a instrução do caso. Os defensores consideram o resultado do julgamento como 'absurdo' e alegam que seus clientes são apenas usuários das drogas sintéticas e que não revendiam as drogas apreendidas pelo Denarc em suas residências. Ao todo, 13 pessoas foram presas por envolvimento com o esquema e mais de 2.500 comprimidos de ecstasy, anfetaminas e MDMA, conhecida como 'Michael Douglas'. (Gabriel Damásio)