Mulher é suspeita de usar os filhos para receber benefícios sociais

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/08/2018 às 23:16:00

 

Policiais civis que atuam 
no Departamento de 
Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) em Itabaiana (Agreste) prenderam ontem uma mulher suspeita de causar enfermidade incurável nos filhos com o objetivo de receber benefícios previdenciários. Os policiais investigam como os três filhos têm a mesma doença incurável, mesmo possuindo pais diferentes e não tendo caso parecido na família.
Segundo informações da delegada Josefa Nascimento, do DAGV de Itabaiana, após o diagnóstico da doença, a acusada demandou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) o benefício financeiro correspondente, porém não havia nenhuma receita médica que comprovasse a origem dos medicamentos usados pelos filhos. 
"A prisão preventiva da investigada foi solicitada porque temos provas de que mesmo afastada do convívio dos filhos pela justiça, ela mantinha contato com eles diariamente, inclusive orientando como o depoimento na delegacia deveria ser prestado. As vítimas passaram por acompanhamento médico, mas após inúmeros exames e tratamentos a origem da doença não foi identificada", concluiu a delegada que está conduzindo as investigações sobre o caso.

Policiais civis que atuam  no Departamento de  Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) em Itabaiana (Agreste) prenderam ontem uma mulher suspeita de causar enfermidade incurável nos filhos com o objetivo de receber benefícios previdenciários. Os policiais investigam como os três filhos têm a mesma doença incurável, mesmo possuindo pais diferentes e não tendo caso parecido na família.
Segundo informações da delegada Josefa Nascimento, do DAGV de Itabaiana, após o diagnóstico da doença, a acusada demandou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) o benefício financeiro correspondente, porém não havia nenhuma receita médica que comprovasse a origem dos medicamentos usados pelos filhos. 
"A prisão preventiva da investigada foi solicitada porque temos provas de que mesmo afastada do convívio dos filhos pela justiça, ela mantinha contato com eles diariamente, inclusive orientando como o depoimento na delegacia deveria ser prestado. As vítimas passaram por acompanhamento médico, mas após inúmeros exames e tratamentos a origem da doença não foi identificada", concluiu a delegada que está conduzindo as investigações sobre o caso.