Sergipe escolhe seus novos conselheiros

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Lailson Melo, presidente em exercício do Sergipe diz que não será candidato e torce para que surja um grande nome para dirigir o time rubro
Lailson Melo, presidente em exercício do Sergipe diz que não será candidato e torce para que surja um grande nome para dirigir o time rubro

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 31/08/2018 às 07:03:00

 

Givaldo Batista
givaldobs@Yahoo.cm.br
Esta sexta-feira 31 de 
agosto se transfor
ma em uma data histórica para o centenário Club Sportivo Sergipe. A data marca o dia em que o Sergipe deu o primeiro passo para a modernização administrativa, dando o direito de voto ao seu sócio torcedor, obedecendo o que determina a legislação esportiva. A partir das 14 horas o clube abre as portas para eleger 40 novos integrantes do Conselheiro Deliberativo do clube. 
Segundo José Maria Rodrigues coordenador desse processo eleitoral, as eleições terão início às 14 horas e se estendem até as 20 horas. "Poderão votar e ser votados todos sócios torcedores, independente de categoria, desde que estejam em dia com suas obrigações sociais e tenham no mínimo um ano de inscrição", revelou José Maria, acrescentando que para facilitar o processo a diretoria estendeu o prazo de quitação, para que o torcedor não fosse prejudicado.  
Esses 40 novos conselheiros, eleitos pelo voto democrático do sócio torcedor se juntarão a mais 20 tradicionais conselheiros, pessoas que há muito tempo vem contribuído e construindo a história do clube. Juntos, os 60 c0nselheiros elegerão no mês de outubro o presidente e vice-presidente executivo da equipe.
Vários nomes já colocaram à disposição para serem votados como conselheiros e alguns deles até já se manifestam com interesse em se colocar como candidato a presidente do clube. 
Espera-se que com essa abertura democrática, haja uma renovação na gestão do Sergipe, surja um nome que seja presidente de direito e de fato e se responsabilize pelo soerguimento da agremiação, um nome que realmente assuma o comando da equipe colocando o Sergipe no seu devido lugar, como uma das maiores agremiações do Norte-Nordeste do Brasil. Vale lembrar que há mais de quatro ano, depois da destituição do presidente Antônio Soares da Mota, o Motinha, nenhum nome dos vários que assumiram o comando do Sergipe, completou o seu mandato.

Esta sexta-feira 31 de  agosto se transfor ma em uma data histórica para o centenário Club Sportivo Sergipe. A data marca o dia em que o Sergipe deu o primeiro passo para a modernização administrativa, dando o direito de voto ao seu sócio torcedor, obedecendo o que determina a legislação esportiva. A partir das 14 horas o clube abre as portas para eleger 40 novos integrantes do Conselheiro Deliberativo do clube. 
Segundo José Maria Rodrigues coordenador desse processo eleitoral, as eleições terão início às 14 horas e se estendem até as 20 horas. "Poderão votar e ser votados todos sócios torcedores, independente de categoria, desde que estejam em dia com suas obrigações sociais e tenham no mínimo um ano de inscrição", revelou José Maria, acrescentando que para facilitar o processo a diretoria estendeu o prazo de quitação, para que o torcedor não fosse prejudicado.  
Esses 40 novos conselheiros, eleitos pelo voto democrático do sócio torcedor se juntarão a mais 20 tradicionais conselheiros, pessoas que há muito tempo vem contribuído e construindo a história do clube. Juntos, os 60 c0nselheiros elegerão no mês de outubro o presidente e vice-presidente executivo da equipe.
Vários nomes já colocaram à disposição para serem votados como conselheiros e alguns deles até já se manifestam com interesse em se colocar como candidato a presidente do clube. 
Espera-se que com essa abertura democrática, haja uma renovação na gestão do Sergipe, surja um nome que seja presidente de direito e de fato e se responsabilize pelo soerguimento da agremiação, um nome que realmente assuma o comando da equipe colocando o Sergipe no seu devido lugar, como uma das maiores agremiações do Norte-Nordeste do Brasil. Vale lembrar que há mais de quatro ano, depois da destituição do presidente Antônio Soares da Mota, o Motinha, nenhum nome dos vários que assumiram o comando do Sergipe, completou o seu mandato.