Quadrilha foi responsável por chacina em carro carbonizado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
ENTRE OS 11 PRESOS PELO COPE ONTEM DE MANHÃ, EM SÃO CRISTÓVÃO, ESTÃO OS ACUSADOS PELO ASSASSINATO DE TRÊS HOMENS DENTRO DE CARRO NO ÚLTIMO MÊS DE JULHO
ENTRE OS 11 PRESOS PELO COPE ONTEM DE MANHÃ, EM SÃO CRISTÓVÃO, ESTÃO OS ACUSADOS PELO ASSASSINATO DE TRÊS HOMENS DENTRO DE CARRO NO ÚLTIMO MÊS DE JULHO

Armas e objetos apreendidos com os presos em Simão Dias
Armas e objetos apreendidos com os presos em Simão Dias

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/09/2018 às 07:46:00

 

Gabriel Damásio
A Polícia Civil deflagrou 
ontem uma operação 
para prender integrantes de uma associação criminosa apontada como responsável por vários crimes de homicídio e tráfico de drogas em Aracaju e São Cristóvão. Ao todo, 11 pessoas foram presas em cumprimento a mandados de prisão expedidos pela Justiça nas duas cidades. A polícia confirmou que alguns suspeitos são jovens de classe média alta e um deles foi candidato a vereador de São Cristóvão nas eleições de 2016. Um décimo segundo investigado por envolvimento com a quadrilha, que também teve a prisão preventiva decretada, morreu em confronto com policiais. 
A investigação começou em maio deste ano, quando um homem foi atacado a tiros depois de ser seguido por cerca de 10 bandidos, após sair do Fórum de São Cristóvão, onde prestava depoimento sobre um caso de homicídio. Os policiais chegaram a um grupo que atuava na venda de drogas e costumava agir com extrema violência em vários crimes. Um dos que mais chamaram a atenção foi a chacina ocorrida numa estrada de terra entre as cidades de São Cristóvão e Itaporanga D'Ajuda, em 12 de julho, quando três homens foram encontrados mortos dentro de um carro carbonizado. 
Segundo o delegado Hugo Leonardo Melo, do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), os três homens foram mortos por causa de desentendimento com parte dos integrantes da quadrilha, que se envolveram em uma briga de bar. "Todos estavam bebendo em um bar, tiveram uma pequena discussão, por um motivo banal, por causa de uma mulher. Quando as vítimas estavam saindo para entrar no carro delas, quatro desses presos abordaram os rapazes, os amarraram e começaram a enforcá-los. Eles mataram os três indivíduos sufocados, estrangulados. Depois levaram os corpos para um local ermo, efetuaram disparos de arma de fogo nas cabeças de cada uma das vítimas, e não satisfeitos, incendiaram o veículo das vítimas com os corpos dentro", disse ele.
Os outros homicídios investigados estão ligados a atuação da quadrilha no tráfico de drogas em São Cristóvão, onde, segundo o delegado, atuavam de forma hegemônica, controlando praticamente todos os locais e todas as etapas da venda de drogas, após a eliminação de traficantes rivais. Em um dos casos, no dia 23 de junho, no Bairro Centro, um guardador de carros foi morto no centro de Aracaju por dois homens que o seguiram e o executaram com vários tiros na cabeça. Em outro caso, na cidade de Itaporanga, um rapaz teve a cabeça arrancada após ser esfaqueado e morto. Neste caso, o autor do crime foi um marchante de porcos, que teve várias armas brancas apreendidas para perícia, como facas militares, facas de caça e pesca e foice. 
Diversas armas de fogo também foram apreendidas, como dois rifles, uma espingarda, uma pistola 380, sete revólveres 38, um revólver 32 e um colete balístico. Parte das armas foi encontrada na casa de um funcionário do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), que foi acusado de ser o responsável pela guarda e fornecimento do arsenal aos integrantes do grupo. Porções de maconha e cocaína também foram encontradas com os acusados. Todos devem ser indiciados pelos crimes de homicídio, tráfico de drogas, porte ilegal de arma e associação criminosa. 
A operação contou com o apoio de equipes do Grupo Especial de Repressão e Busca (Gerb), Departamento de Proteção à Pessoa (DHPP), da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol), 6ª e 9ª DMs, além de policiais civis das Delegacias de Itabaiana (Regional), Malhador e Carira.

A Polícia Civil deflagrou  ontem uma operação  para prender integrantes de uma associação criminosa apontada como responsável por vários crimes de homicídio e tráfico de drogas em Aracaju e São Cristóvão. Ao todo, 11 pessoas foram presas em cumprimento a mandados de prisão expedidos pela Justiça nas duas cidades. A polícia confirmou que alguns suspeitos são jovens de classe média alta e um deles foi candidato a vereador de São Cristóvão nas eleições de 2016. Um décimo segundo investigado por envolvimento com a quadrilha, que também teve a prisão preventiva decretada, morreu em confronto com policiais. 
A investigação começou em maio deste ano, quando um homem foi atacado a tiros depois de ser seguido por cerca de 10 bandidos, após sair do Fórum de São Cristóvão, onde prestava depoimento sobre um caso de homicídio. Os policiais chegaram a um grupo que atuava na venda de drogas e costumava agir com extrema violência em vários crimes. Um dos que mais chamaram a atenção foi a chacina ocorrida numa estrada de terra entre as cidades de São Cristóvão e Itaporanga D'Ajuda, em 12 de julho, quando três homens foram encontrados mortos dentro de um carro carbonizado. 
Segundo o delegado Hugo Leonardo Melo, do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), os três homens foram mortos por causa de desentendimento com parte dos integrantes da quadrilha, que se envolveram em uma briga de bar. "Todos estavam bebendo em um bar, tiveram uma pequena discussão, por um motivo banal, por causa de uma mulher. Quando as vítimas estavam saindo para entrar no carro delas, quatro desses presos abordaram os rapazes, os amarraram e começaram a enforcá-los. Eles mataram os três indivíduos sufocados, estrangulados. Depois levaram os corpos para um local ermo, efetuaram disparos de arma de fogo nas cabeças de cada uma das vítimas, e não satisfeitos, incendiaram o veículo das vítimas com os corpos dentro", disse ele.
Os outros homicídios investigados estão ligados a atuação da quadrilha no tráfico de drogas em São Cristóvão, onde, segundo o delegado, atuavam de forma hegemônica, controlando praticamente todos os locais e todas as etapas da venda de drogas, após a eliminação de traficantes rivais. Em um dos casos, no dia 23 de junho, no Bairro Centro, um guardador de carros foi morto no centro de Aracaju por dois homens que o seguiram e o executaram com vários tiros na cabeça. Em outro caso, na cidade de Itaporanga, um rapaz teve a cabeça arrancada após ser esfaqueado e morto. Neste caso, o autor do crime foi um marchante de porcos, que teve várias armas brancas apreendidas para perícia, como facas militares, facas de caça e pesca e foice. 
Diversas armas de fogo também foram apreendidas, como dois rifles, uma espingarda, uma pistola 380, sete revólveres 38, um revólver 32 e um colete balístico. Parte das armas foi encontrada na casa de um funcionário do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), que foi acusado de ser o responsável pela guarda e fornecimento do arsenal aos integrantes do grupo. Porções de maconha e cocaína também foram encontradas com os acusados. Todos devem ser indiciados pelos crimes de homicídio, tráfico de drogas, porte ilegal de arma e associação criminosa. 
A operação contou com o apoio de equipes do Grupo Especial de Repressão e Busca (Gerb), Departamento de Proteção à Pessoa (DHPP), da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol), 6ª e 9ª DMs, além de policiais civis das Delegacias de Itabaiana (Regional), Malhador e Carira.