Greve dos professores da UFS completa um mês

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/06/2012 às 11:55:00

Cândida Oliveira
candidaoliveira@jornaldodiase.com.br

A greve dos professores das universidades federais completa um mês hoje, e não há perspectiva para o fim do movimento. Em Sergipe, os docentes realizam hoje um ato, a partir dás 7h, na praça Fausto Cardoso, no centro da capital sergipana, a fim de conversar com a população sobre as necessidades da instituição.
"Universidades nas ruas" é o nome da atividade de hoje que contará com a presença de repentistas, movimentos sociais, aula-pública e  representantes de sindicatos do funcionalismo público. Paralelo à atividade, os professores da UFS farão uma vigília em solidariedade aos professores que entrarão na mesa de negociação com o governo, em Brasília.
De acordo com o presidente da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Sergipe (Adufs), Antônio Carlos Campos, os ministérios do Planejamento e da Educação prometeram apresentar hoje, ao o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), uma proposta para o plano de carreira dos docentes.  "Estamos dispostos a negociar nossa pauta e ouvir a proposta deles, mas já tivemos a informação que os representantes do governo não aparecerão, então, a greve deve continuar", informou.
As reivindicações da categoria passam pela reestruturação da carreira docente, que é o principal pedido, além da instituição do Piso Nacional do Docente do Nível Superior, que deve ser o apresentado pelo Dieese, no valor de R$ 2.329,35. Outro ponto solicitado pelos docentes é a paridade entre professores ativos, aposentados e pensionistas.