'Transfiguração' será lançada no Centro de Criatividade

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/09/2018 às 22:51:00

 

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) realizará nesta quarta-feira, 05, a exposição 'Transfiguração', do artista visual Éverton. O evento será iniciado às 19h, no Centro de Criatividade e contará com a exibição do curta-metragem 'Conflitos e Abismos', da cineasta Everlane Moraes Santos.
Com a missão de transpor da sua própria experiência objetos da realidade para sair da mera percepção, Éverton destaca o principal motivo para o público visitar a exposição. "Transfiguração significa ver o outro lado, e eu trago nessas pinturas expressionistas, elementos realistas e surrealistas onde o objetivo e despertar a reflexão das pessoas sobre o homem e seu sofrimento", ressalta.
Nas obras do artista, a utilização de cores quentes e tonais estimulam sensações de atmosfera densa, em cenas de movimentos intensos e exclamações. Em 'Transfiguração' é mostrado um panorama da produção de Éverton, em sua longa jornada iniciada na década de 60 e que segue com o mesmo vigor até hoje.
O artista foi contemplado no edital da galeria Leonardo Alencar, onde seria realizada a exposição, mas por motivo de reforma na Biblioteca Pública Epifânio Dória, as atividades foram direcionadas para o Centro de Criatividade, localizado na Praça Saturnino de Brito, no bairro Cirurgia.
Sobre o artista - Éverton nasceu em Aracaju e passou a infância no bairro Cirurgia, onde aconteceram seus primeiros passos artísticos. Com oito anos de idade ele desenhava nas calçadas juntamente com Pithiu, companheiro de infância (e também artista plástico).
Autodidata, ele fez somente na juventude um curso de desenho artístico publicitário, por correspondência pelo Instituto Rádio Técnico Monitor. Iniciou-se na pintura à óleo em telas por ele mesmo fabricadas, a princípio fazendo cópias de outros artistas conseguindo assim o domínio da pintura acadêmica.
Em 1966, participou de sua primeira exposição no 'II Concurso da Jovreu' (Jovens Reunidos), no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. Em 1979, pintou as telas 'Corrida Noturna' e 'Crucificado Pelos Críticos', pinturas denominadas por ele mesmo como neoexpressionista e que definiram de forma marcante sua forma de se expressar, onde o homem está sempre em evidência.

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) realizará nesta quarta-feira, 05, a exposição 'Transfiguração', do artista visual Éverton. O evento será iniciado às 19h, no Centro de Criatividade e contará com a exibição do curta-metragem 'Conflitos e Abismos', da cineasta Everlane Moraes Santos.
Com a missão de transpor da sua própria experiência objetos da realidade para sair da mera percepção, Éverton destaca o principal motivo para o público visitar a exposição. "Transfiguração significa ver o outro lado, e eu trago nessas pinturas expressionistas, elementos realistas e surrealistas onde o objetivo e despertar a reflexão das pessoas sobre o homem e seu sofrimento", ressalta.
Nas obras do artista, a utilização de cores quentes e tonais estimulam sensações de atmosfera densa, em cenas de movimentos intensos e exclamações. Em 'Transfiguração' é mostrado um panorama da produção de Éverton, em sua longa jornada iniciada na década de 60 e que segue com o mesmo vigor até hoje.
O artista foi contemplado no edital da galeria Leonardo Alencar, onde seria realizada a exposição, mas por motivo de reforma na Biblioteca Pública Epifânio Dória, as atividades foram direcionadas para o Centro de Criatividade, localizado na Praça Saturnino de Brito, no bairro Cirurgia.

Sobre o artista - Éverton nasceu em Aracaju e passou a infância no bairro Cirurgia, onde aconteceram seus primeiros passos artísticos. Com oito anos de idade ele desenhava nas calçadas juntamente com Pithiu, companheiro de infância (e também artista plástico).
Autodidata, ele fez somente na juventude um curso de desenho artístico publicitário, por correspondência pelo Instituto Rádio Técnico Monitor. Iniciou-se na pintura à óleo em telas por ele mesmo fabricadas, a princípio fazendo cópias de outros artistas conseguindo assim o domínio da pintura acadêmica.
Em 1966, participou de sua primeira exposição no 'II Concurso da Jovreu' (Jovens Reunidos), no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. Em 1979, pintou as telas 'Corrida Noturna' e 'Crucificado Pelos Críticos', pinturas denominadas por ele mesmo como neoexpressionista e que definiram de forma marcante sua forma de se expressar, onde o homem está sempre em evidência.