História de Aracaju é retratada no tradicional Desfile Cívico da rua Bahia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Crianças participaram do  desfile estudantil
Crianças participaram do desfile estudantil

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/09/2018 às 23:09:00

 

O tempo parecia até 
que seria um impe
dimento para o Desfile Cívico da rua Bahia, mas, o que se viu neste domingo, 2, foi uma chuva de patriotismo e entusiasmo vindo dos participantes do evento e, sobretudo, da plateia que pouco depois das 7h já tomava a via para acompanhar a passagem dos mais de 2.300 alunos de 20 escolas municipais de Aracaju, junto a 360 estudantes de duas escolas particulares, além das instituições civis e militares. O evento promovido pela Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Educação (Semed) retornou neste ano com o tema: "Aracaju: minha cidade faz a história". 
O percurso de 750 metros do cruzamento da rua Bahia com a rua Porto Alegre até o cruzamento com a rua Carlos Correia foi o palco para a contação de história da capital que tem um povo que se molda ao longo do tempo com vistas voltadas para o futuro. Na perspectiva de uma capital que, através do olhar da gestão, objetiva ser mais humana, inteligente e criativa, alunos e instituições retrataram uma cidade carregada de simbologias, tradições, cultura acentuada e uma população empenhada em contribuir para o seu desenvolvimento. Assim, além do patriotismo inerente à comemoração pelos 196 anos de independência do Brasil, se propagou ainda o espírito de satisfação e orgulho pela cidade que está voltando aos trilhos da qualidade de vida. 
Durante boa parte de 2017, quando não houve a realização do desfile por questões financeiras, a Semed se preparou para o evento retornar neste ano. "Houve um grande esforço já que no ano passado, por falta de recurso financeiro, não tivemos condições de realizar o desfile. Nos planejamos e focamos nele. Esse planejamento contou com historiadores, professores, diretores e coordenadores da rede na construção do tema.  A proposta do tema foi para que pudéssemos passear pela Aracaju do passado, a do presente e a que queremos para o futuro", ressaltou a secretária municipal da Educação, Maria Cecília Leite. 
O desfile, realizado pela Prefeitura desde 1986, contou ainda com todo um planejamento de segurança e organização do trânsito para dar conforto e tranquilidade, tanto para os participantes do evento como também para a plateia vinda de diversos bairros da capital até o bairro Siqueira Campos. 
Moradora do bairro Siqueira Campos, Maria Rosa Souza de Araújo acordou bem cedo para estar a postos para conferir o desfile. Como nos anos anteriores, ela afirmou que faz questão de usar as cores da bandeira brasileira para ressaltar o amor pela sua pátria. "Me visto de verde a amarelo porque amo o meu país e gosto de mostrar isso. É um momento muito especial do ano e há vários anos eu acompanho com muita alegria", disse.
Assim como ela, dona Cenart Souza também marcou lugar logo cedo. Professora aposentada, aos 91 anos ela entende bem o que significa o momento. "Já desfilei por essa rua com meus alunos, agora, minha felicidade é ver as novas gerações passando por ela. É muita emoção, sem dúvida. Acordo bem cedo para esperar o desfile passar e só vou embora quando a última escola desfilar. É pelo meu país, mas também pela minha cidade que, neste ano, está sendo homenageada.

O tempo parecia até  que seria um impe dimento para o Desfile Cívico da rua Bahia, mas, o que se viu neste domingo, 2, foi uma chuva de patriotismo e entusiasmo vindo dos participantes do evento e, sobretudo, da plateia que pouco depois das 7h já tomava a via para acompanhar a passagem dos mais de 2.300 alunos de 20 escolas municipais de Aracaju, junto a 360 estudantes de duas escolas particulares, além das instituições civis e militares. O evento promovido pela Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Educação (Semed) retornou neste ano com o tema: "Aracaju: minha cidade faz a história". 
O percurso de 750 metros do cruzamento da rua Bahia com a rua Porto Alegre até o cruzamento com a rua Carlos Correia foi o palco para a contação de história da capital que tem um povo que se molda ao longo do tempo com vistas voltadas para o futuro. Na perspectiva de uma capital que, através do olhar da gestão, objetiva ser mais humana, inteligente e criativa, alunos e instituições retrataram uma cidade carregada de simbologias, tradições, cultura acentuada e uma população empenhada em contribuir para o seu desenvolvimento. Assim, além do patriotismo inerente à comemoração pelos 196 anos de independência do Brasil, se propagou ainda o espírito de satisfação e orgulho pela cidade que está voltando aos trilhos da qualidade de vida. 
Durante boa parte de 2017, quando não houve a realização do desfile por questões financeiras, a Semed se preparou para o evento retornar neste ano. "Houve um grande esforço já que no ano passado, por falta de recurso financeiro, não tivemos condições de realizar o desfile. Nos planejamos e focamos nele. Esse planejamento contou com historiadores, professores, diretores e coordenadores da rede na construção do tema.  A proposta do tema foi para que pudéssemos passear pela Aracaju do passado, a do presente e a que queremos para o futuro", ressaltou a secretária municipal da Educação, Maria Cecília Leite. 
O desfile, realizado pela Prefeitura desde 1986, contou ainda com todo um planejamento de segurança e organização do trânsito para dar conforto e tranquilidade, tanto para os participantes do evento como também para a plateia vinda de diversos bairros da capital até o bairro Siqueira Campos. 
Moradora do bairro Siqueira Campos, Maria Rosa Souza de Araújo acordou bem cedo para estar a postos para conferir o desfile. Como nos anos anteriores, ela afirmou que faz questão de usar as cores da bandeira brasileira para ressaltar o amor pela sua pátria. "Me visto de verde a amarelo porque amo o meu país e gosto de mostrar isso. É um momento muito especial do ano e há vários anos eu acompanho com muita alegria", disse.
Assim como ela, dona Cenart Souza também marcou lugar logo cedo. Professora aposentada, aos 91 anos ela entende bem o que significa o momento. "Já desfilei por essa rua com meus alunos, agora, minha felicidade é ver as novas gerações passando por ela. É muita emoção, sem dúvida. Acordo bem cedo para esperar o desfile passar e só vou embora quando a última escola desfilar. É pelo meu país, mas também pela minha cidade que, neste ano, está sendo homenageada.