Orsse apresentará concerto 'Danças Sinfônicas e Camerísticas' com grandes atrações

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/09/2018 às 06:32:00

 

Na próxima quinta-feira, 06 de setembro, a Orquestra Sinfônica de Sergipe, sob a regência de seu maestro titular Guilherme Mannis, apresentará um concerto repleto de importantes atrações, no Teatro Atheneu. No âmbito do tema "Danças Sinfônicas e Camerísticas", o grupo apresentará variadas peças musicais alusivas à dança, com ênfase para a Serenata para Cordas de Piotr I. Tchaikovsky, as Danças Eslavas do compositor tcheco Antonin Dvorák, e mais duas novidades: a estreia da obra minimalista 'Ele São', do compositor baiano Victor Hugo da Rocha, e a 'Tarantella, op. 6', de Camille Saint-Saëns, com solos de Sílvio Jackel, na flauta, e Felipe Freitas, no clarinete. 
De acordo com o maestro Guilherme Mannis esta será uma apresentação extremamente leve, aprazível, de repertório vibrante e arrebatador. "A peça de Victor Hugo da Rocha, um de nossos contrabaixistas, também formado em composição pela Universidade Federal da Bahia, é uma grande demonstração de sua capacidade de expressão em um difícil terreno como o minimalismo, utilizando os instrumentistas de percussão em sua plenitude. Já a Tarantella, op. 6, com solos de dois grandes músicos nossos, é uma peça raríssima e de uma beleza arrebatadora".
Completam o programa a Serenata para Cordas, nada menos do que a criação preferida do compositor, e as brilhantes Danças Eslavas, ambas assinadas por Antonin Dvorák.

Na próxima quinta-feira, 06 de setembro, a Orquestra Sinfônica de Sergipe, sob a regência de seu maestro titular Guilherme Mannis, apresentará um concerto repleto de importantes atrações, no Teatro Atheneu. No âmbito do tema "Danças Sinfônicas e Camerísticas", o grupo apresentará variadas peças musicais alusivas à dança, com ênfase para a Serenata para Cordas de Piotr I. Tchaikovsky, as Danças Eslavas do compositor tcheco Antonin Dvorák, e mais duas novidades: a estreia da obra minimalista 'Ele São', do compositor baiano Victor Hugo da Rocha, e a 'Tarantella, op. 6', de Camille Saint-Saëns, com solos de Sílvio Jackel, na flauta, e Felipe Freitas, no clarinete. 
De acordo com o maestro Guilherme Mannis esta será uma apresentação extremamente leve, aprazível, de repertório vibrante e arrebatador. "A peça de Victor Hugo da Rocha, um de nossos contrabaixistas, também formado em composição pela Universidade Federal da Bahia, é uma grande demonstração de sua capacidade de expressão em um difícil terreno como o minimalismo, utilizando os instrumentistas de percussão em sua plenitude. Já a Tarantella, op. 6, com solos de dois grandes músicos nossos, é uma peça raríssima e de uma beleza arrebatadora".
Completam o programa a Serenata para Cordas, nada menos do que a criação preferida do compositor, e as brilhantes Danças Eslavas, ambas assinadas por Antonin Dvorák.