Servidores da Funasa em Sergipe aderem à greve nacional

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/06/2012 às 11:55:00

Reivindicando o cumprimento imediato dos acordos firmados em 2011, uma política salarial permanente com reposição inflacionária, a paridade  entre ativos, aposentados e pensionistas, uma definição da data base para o dia 1º de maio e reajuste dos benefícios, servidores ligados à Fundação Nacional da Saúde (Funasa) iniciaram uma greve nacional e por tempo indeterminado na manhã de ontem. A decisão foi adotada após assembléia extraordinária promovida em Brasília na última sexta-feira, 15, que contou com representantes das 26 unidades federativas e o Distrito Federal.
As mobilizações tiveram início ontem em todos os estados e em Sergipe não foi diferente. De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Federais da Saúde (Sindsfuse), Ricardo Nunes, as mobilizações também objetivam chamar a atenção do Governo Federal para que os acordos firmados com a categoria sejam devidamente cumpridos. "Estamos unidos em todos os cantos desse país, isso porque acreditamos na força progressista da nossa categoria. Chega de promessas, queremos as garantias concretizadas", explicou. Em Sergipe, a paralisação afeta a sede regional do Ministério da Saúde e a própria Funasa.
Ainda de acordo com o sindicalista, a falta de interesse por parte do Governo Federal em estabelecer um diálogo é perceptível e indigna os funcionários. Ao longo dos últimos dois meses, uma série de manifestações foi promovida com a idéia de pressionar a gestão federal e alertar para a possibilidade de greve nacional. Em Aracaju, assembléias, atos em frente ao MS e encontros envolvendo a direção do Sindsfuse marcaram as mobilizações no Estado. "Estamos dispostos para mostrar integralmente como todos os servidores federais estão insatisfeitos com o posicionamento ingrato dado pelo Governo Federal. Antecipadamente apontávamos essa real possibilidade de paralisação, e esse fato foi concretizado em encontro nacional", concluiu.