Vendedor continua desaparecido

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/09/2018 às 07:02:00

 

Prestes a completar dois meses de desaparecido, amigos e familiares de José Fred Batista Santos, um feirante de 37 anos, seguem buscando o paradeiro do vendedor ambulante, que costumava trabalhar diariamente na Rua Santo Amaro, região central de Aracaju. Paralelamente à intervenção da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), Josefa Aparecida, mãe de José Fred Batista, reforça o pedido de apoio popular. De acordo com Josefa, no dia 11 de julho o filho saiu normalmente para trabalhar, mas desde então não retornou para casa, tampouco deu sinal de vida.
Ao Jornal do Dia, diferentemente de algumas notícias compartilhadas através de aplicativos de conversa, ela informou que o filho não possui problemas de saúde mental, não consumia entorpecentes ou bebidas alcoólicas, e não possuía inimigos na região onde morava. Para a genitora, é preciso que as pessoas contribuam positivamente com a divulgação do apelo da família, busque ter conhecimento da realidade dos fatos antes de repassar conteúdos inverídicos os quais, segundo reforçado por ela, atrapalham na condução das investigações em busca do filho desaparecido.
"Estamos desesperados sem saber o que ocorreu com meu filho. A Polícia Militar me informou que está acompanhando o caso, mas até o momento não se sabe nada dele; nem uma simples informação. Até agora só mentiras. Ele não era consumidor de drogas e nem tinha problemas de saúde ou com inimigos. Ele sempre foi uma pessoa que defendia a paz, sempre bem relacionado com as pessoas. Estamos precisando de ajuda e infelizmente esse tipo de atitude em divulgar notícias pejorativas só fazem com que deixe a gente cada vez mais preocupados", disse.
Conforme realizado desde o primeiro dia de sumiço, parentes seguem fazendo rondas em unidades hospitalares, se dirigindo às delegacias, ao Instituto Médico Legal (IML), e buscando possíveis informações junto à SSP. Nesse período Josefa Aparecida alega já ter perdido as contas de quantas vezes esteve no Hospital de Urgência do Estado de Sergipe (Huse), nas unidades regionais Nestor Piva e Fernando Franco, em Aracaju, além da região canavial onde ele poderia estar trabalhando. Na tentativa de ampliar a busca, a mãe reivindica o apoio dos meios de comunicação do Estado de Sergipe.
"Precisamos do apoio de vocês da imprensa. Mais uma vez apelo para o Jornal do Dia para nos ajudar nessa difícil luta para saber o que ocorreu com meu filho. Somente Deus possui a noção do sofrimento é da angústia que estou sentindo com a ausência do meu filho. Esperamos que dessa vez a gente consiga descobrir onde ele está e o que ocorreu com ele", afirmou a mãe. Quem tiver alguma informação que contribua com as investigações do caso, Josefa pede que entrem em contato através do telefone (79) 99859-0246 ou mande mensagens para (79) 98867-4066 - Whatsapp. (Milton Alves Júnior)

Prestes a completar dois meses de desaparecido, amigos e familiares de José Fred Batista Santos, um feirante de 37 anos, seguem buscando o paradeiro do vendedor ambulante, que costumava trabalhar diariamente na Rua Santo Amaro, região central de Aracaju. Paralelamente à intervenção da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), Josefa Aparecida, mãe de José Fred Batista, reforça o pedido de apoio popular. De acordo com Josefa, no dia 11 de julho o filho saiu normalmente para trabalhar, mas desde então não retornou para casa, tampouco deu sinal de vida.
Ao Jornal do Dia, diferentemente de algumas notícias compartilhadas através de aplicativos de conversa, ela informou que o filho não possui problemas de saúde mental, não consumia entorpecentes ou bebidas alcoólicas, e não possuía inimigos na região onde morava. Para a genitora, é preciso que as pessoas contribuam positivamente com a divulgação do apelo da família, busque ter conhecimento da realidade dos fatos antes de repassar conteúdos inverídicos os quais, segundo reforçado por ela, atrapalham na condução das investigações em busca do filho desaparecido.
"Estamos desesperados sem saber o que ocorreu com meu filho. A Polícia Militar me informou que está acompanhando o caso, mas até o momento não se sabe nada dele; nem uma simples informação. Até agora só mentiras. Ele não era consumidor de drogas e nem tinha problemas de saúde ou com inimigos. Ele sempre foi uma pessoa que defendia a paz, sempre bem relacionado com as pessoas. Estamos precisando de ajuda e infelizmente esse tipo de atitude em divulgar notícias pejorativas só fazem com que deixe a gente cada vez mais preocupados", disse.
Conforme realizado desde o primeiro dia de sumiço, parentes seguem fazendo rondas em unidades hospitalares, se dirigindo às delegacias, ao Instituto Médico Legal (IML), e buscando possíveis informações junto à SSP. Nesse período Josefa Aparecida alega já ter perdido as contas de quantas vezes esteve no Hospital de Urgência do Estado de Sergipe (Huse), nas unidades regionais Nestor Piva e Fernando Franco, em Aracaju, além da região canavial onde ele poderia estar trabalhando. Na tentativa de ampliar a busca, a mãe reivindica o apoio dos meios de comunicação do Estado de Sergipe.
"Precisamos do apoio de vocês da imprensa. Mais uma vez apelo para o Jornal do Dia para nos ajudar nessa difícil luta para saber o que ocorreu com meu filho. Somente Deus possui a noção do sofrimento é da angústia que estou sentindo com a ausência do meu filho. Esperamos que dessa vez a gente consiga descobrir onde ele está e o que ocorreu com ele", afirmou a mãe. Quem tiver alguma informação que contribua com as investigações do caso, Josefa pede que entrem em contato através do telefone (79) 99859-0246 ou mande mensagens para (79) 98867-4066 - Whatsapp. (Milton Alves Júnior)