Hospital afasta equipe médica que fez cirurgia errada em paciente

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
MÉDICOS OPERARAM TIREÓIDE NO LUGAR DA HÉRNIA
MÉDICOS OPERARAM TIREÓIDE NO LUGAR DA HÉRNIA

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/09/2018 às 07:05:00

 

Milton Alves Júnior
Segue por tempo inde
terminado o afasta
mento de todos profissionais da saúde envolvidos no suposto erro médico sofrido pela cozinheira Marilene Rodrigues dos Santos. Conforme inquérito interno aberto pelo Hospital São José, em Aracaju, a usuária do Sistema Único de Saúde havia sido submetida a passar por uma cirurgia para retirada de hérnia e do útero, mas segundo os familiares, ao deixar o centro cirúrgico, ficou constatado que a equipe médica havia removido a tireoide. O erro teria ocorrido na noite da última terça-feira (04), e descoberto minutos após. Os familiares alegam que gestores tentaram 'abafar' o caso.
Por telefone, na tarde de ontem o Jornal do Dia conversou brevemente com a filha da vítima, mas ela pediu desculpas pelo momento vivenciado e optou por não conceder entrevista, assim como tem agido desde a publicação do caso. Por sua vez, o genro de Marilene Rodrigues, Wênio de Lima Santos, se mostrou aflito ao informar que a paciente chora bastante,  ao ponto de soluçar, e com isso acaba atingindo a região operada e expelindo sangue. A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) afirma que um inquérito policial foi instaurado para apurar se a suspeita de negligência de fato se configura.
"Esse é o descaso do serviço público. Minha sogra está sofrendo muito com toda essa irresponsabilidade que o hospital ainda tentou acobertar depois que perceberam o crime cometido. Toda a família segue angustiada com essa barbaridade. Pedimos que, no mínimo, os irresponsáveis sejam punidos com a mais rigorosidade possível", disse. A unidade hospitalar informou que está acompanhando o caso, prestando a assistência necessária à paciente e familiares, bem como contribuindo com a investigação do caso. O Hospital São José informou ainda que voltará a se pronunciar oficialmente após conclusão das análises. Os boletins médicos seguem sendo apresentados diariamente.
Investigação - De acordo com a Polícia Civil, o responsável pelas investigações será o delegado Carlos Frederico Muricy, da Delegacia Metropolitana (3ª DM). Revoltado com a situação, Luiz Carlos dos Santos, esposo da paciente, conta que a médica responsável pela cirurgia chegou a afirmar que houve uma confusão quanto aos nomes, e, por este motivo, o procedimento teria ocorrido de forma irregular. Ainda de acordo com o denunciante horas após ter entrado na sala de cirurgia se deparou com a esposa novamente pronta para passar por outro procedimento. Devido a vulnerabilidade, ele optou por não permitir.
"Esse afastamento da equipe é o mínimo que o hospital deve fazer neste momento. É preciso que o Conselho Regional de Medicina também esteja acompanhando esse caso e aja com rigorosidade. Queremos que ela se recupere dessa cirurgia e depois disso, veremos o que fazer; o que não dava para aceitar era que ela passasse novamente por outro procedimento naquele mesmo instante. Uma forma de tentar abafar o caso", lamentou. Em nota divulgada ontem, o hospital disse ainda que, em breve, toda a documentação pertinente ao caso será encaminhada aos órgãos competentes para avaliação e aplicação de medidas cabíveis.

Segue por tempo inde terminado o afasta mento de todos profissionais da saúde envolvidos no suposto erro médico sofrido pela cozinheira Marilene Rodrigues dos Santos. Conforme inquérito interno aberto pelo Hospital São José, em Aracaju, a usuária do Sistema Único de Saúde havia sido submetida a passar por uma cirurgia para retirada de hérnia e do útero, mas segundo os familiares, ao deixar o centro cirúrgico, ficou constatado que a equipe médica havia removido a tireoide. O erro teria ocorrido na noite da última terça-feira (04), e descoberto minutos após. Os familiares alegam que gestores tentaram 'abafar' o caso.
Por telefone, na tarde de ontem o Jornal do Dia conversou brevemente com a filha da vítima, mas ela pediu desculpas pelo momento vivenciado e optou por não conceder entrevista, assim como tem agido desde a publicação do caso. Por sua vez, o genro de Marilene Rodrigues, Wênio de Lima Santos, se mostrou aflito ao informar que a paciente chora bastante,  ao ponto de soluçar, e com isso acaba atingindo a região operada e expelindo sangue. A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) afirma que um inquérito policial foi instaurado para apurar se a suspeita de negligência de fato se configura.
"Esse é o descaso do serviço público. Minha sogra está sofrendo muito com toda essa irresponsabilidade que o hospital ainda tentou acobertar depois que perceberam o crime cometido. Toda a família segue angustiada com essa barbaridade. Pedimos que, no mínimo, os irresponsáveis sejam punidos com a mais rigorosidade possível", disse. A unidade hospitalar informou que está acompanhando o caso, prestando a assistência necessária à paciente e familiares, bem como contribuindo com a investigação do caso. O Hospital São José informou ainda que voltará a se pronunciar oficialmente após conclusão das análises. Os boletins médicos seguem sendo apresentados diariamente.

Investigação - De acordo com a Polícia Civil, o responsável pelas investigações será o delegado Carlos Frederico Muricy, da Delegacia Metropolitana (3ª DM). Revoltado com a situação, Luiz Carlos dos Santos, esposo da paciente, conta que a médica responsável pela cirurgia chegou a afirmar que houve uma confusão quanto aos nomes, e, por este motivo, o procedimento teria ocorrido de forma irregular. Ainda de acordo com o denunciante horas após ter entrado na sala de cirurgia se deparou com a esposa novamente pronta para passar por outro procedimento. Devido a vulnerabilidade, ele optou por não permitir.
"Esse afastamento da equipe é o mínimo que o hospital deve fazer neste momento. É preciso que o Conselho Regional de Medicina também esteja acompanhando esse caso e aja com rigorosidade. Queremos que ela se recupere dessa cirurgia e depois disso, veremos o que fazer; o que não dava para aceitar era que ela passasse novamente por outro procedimento naquele mesmo instante. Uma forma de tentar abafar o caso", lamentou. Em nota divulgada ontem, o hospital disse ainda que, em breve, toda a documentação pertinente ao caso será encaminhada aos órgãos competentes para avaliação e aplicação de medidas cabíveis.