Situação de bombeiros civis é discutida na Assembleia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 12/09/2018 às 06:55:00

 

A defesa dos bombeiros civis foi feita na sessão desta terça-feira, 11 pelo deputado Georgeo Passos (REDE). O parlamentar destacou que foi procurado pelo sindicato da categoria tão logo assumiu mandato na Assembleia Legislativa de Sergipe, tendo sido informado sobre a lei federal 11.901 e a lei estadual 6886/2010 de autoria da deputada Ana Lula (PT).
"Mas que mesmo diante dessas legislações havia aqui no Estado de Sergipe um grande desrespeito por parte das pessoas que organizavam eventos e grandes empresas, que não cumpriam a legislação e os bombeiros civis que eram formados ano após anos não conseguiam ingressar no mercado de trabalho, Aqui em Sergipe são quase 6 mil bombeiros civis formados, capacitados e aptos a ajudar a sociedade", informa.
Georgeo Passos lembrou que os bombeiros militares têm as suas atribuições previstas na Constituição e que os bombeiros civis não querem o espaço de ninguém.
"Sabemos que os bombeiros militares não têm a capacidade até pela falta de efetivo, de estar tomando conta em todos os espaços. É tanto que agora nas festas realizadas, quem está sendo contratado para fazer a segurança já são os bombeiros civis. Vimos recentemente alguns incêndios de grandes proporções em supermercados, fruto da ausência desses profissionais que podiam estar trabalhando na prevenção, observando os equipamentos de segurança", acredita.

A defesa dos bombeiros civis foi feita na sessão desta terça-feira, 11 pelo deputado Georgeo Passos (REDE). O parlamentar destacou que foi procurado pelo sindicato da categoria tão logo assumiu mandato na Assembleia Legislativa de Sergipe, tendo sido informado sobre a lei federal 11.901 e a lei estadual 6886/2010 de autoria da deputada Ana Lula (PT).
"Mas que mesmo diante dessas legislações havia aqui no Estado de Sergipe um grande desrespeito por parte das pessoas que organizavam eventos e grandes empresas, que não cumpriam a legislação e os bombeiros civis que eram formados ano após anos não conseguiam ingressar no mercado de trabalho, Aqui em Sergipe são quase 6 mil bombeiros civis formados, capacitados e aptos a ajudar a sociedade", informa.
Georgeo Passos lembrou que os bombeiros militares têm as suas atribuições previstas na Constituição e que os bombeiros civis não querem o espaço de ninguém.
"Sabemos que os bombeiros militares não têm a capacidade até pela falta de efetivo, de estar tomando conta em todos os espaços. É tanto que agora nas festas realizadas, quem está sendo contratado para fazer a segurança já são os bombeiros civis. Vimos recentemente alguns incêndios de grandes proporções em supermercados, fruto da ausência desses profissionais que podiam estar trabalhando na prevenção, observando os equipamentos de segurança", acredita.