Para Milton, o setor turístico é a maior vítima da política fiscal praticada em Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/09/2018 às 07:04:00

 

O candidato a governador Milton Andrade (PMN) considera que a maior vítima da atual carga tributária adotada pelo Governo de Sergipe é o setor turístico. Segundo ele, a pequena quantidade de voos para Aracaju e a alta alíquota do querosene de aviação demonstram o quanto a geração de emprego e o desenvolvimento econômico são prejudicados por essa política.
"Nós temos uma política fiscal burra. Há 10 anos, quando se falava em Xingó, falava-se em Canindé de São Francisco. Já hoje, reporta-se a Piranhas, ou seja, o turismo atravessou o rio e está em Alagoas e não mais em Sergipe. E isso aconteceu porque a carga tributária aqui é violenta, os voos estão cada dia mais raros. Para se ter uma ideia, a alíquota do querosene de aviação é de 18%, enquanto que na Bahia é de 4%", pontua.
Para Milton Andrade, uma das formas de fazer com que haja crescimento econômico em Sergipe é melhorando os indicadores sociais, como educação e segurança, para que o Estado se torne atrativo para as empresas gerando, assim, mais empregos e renda para o povo sergipano.

O candidato a governador Milton Andrade (PMN) considera que a maior vítima da atual carga tributária adotada pelo Governo de Sergipe é o setor turístico. Segundo ele, a pequena quantidade de voos para Aracaju e a alta alíquota do querosene de aviação demonstram o quanto a geração de emprego e o desenvolvimento econômico são prejudicados por essa política.
"Nós temos uma política fiscal burra. Há 10 anos, quando se falava em Xingó, falava-se em Canindé de São Francisco. Já hoje, reporta-se a Piranhas, ou seja, o turismo atravessou o rio e está em Alagoas e não mais em Sergipe. E isso aconteceu porque a carga tributária aqui é violenta, os voos estão cada dia mais raros. Para se ter uma ideia, a alíquota do querosene de aviação é de 18%, enquanto que na Bahia é de 4%", pontua.
Para Milton Andrade, uma das formas de fazer com que haja crescimento econômico em Sergipe é melhorando os indicadores sociais, como educação e segurança, para que o Estado se torne atrativo para as empresas gerando, assim, mais empregos e renda para o povo sergipano.