Mundial de Xadrez prossegue em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A sergipana Jadna Couto é uma das representantes do Brasil no Mundial Universitário de Xadrez que se disputa em Aracaju
A sergipana Jadna Couto é uma das representantes do Brasil no Mundial Universitário de Xadrez que se disputa em Aracaju

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/09/2018 às 06:26:00

 

Givaldo Batista
givaldobs@yahoo.com.br
Imagine-se você como 
torcedor querer vibrar 
com uma jogada importante, uma decisão, uma vitória um xeque mate e aquele grito de vitória, a vibração ficarem presos na garganta. É assim no xadrez. Uma torcida silenciosa. Mas mesmo assim o Campeonato Mundial Universitário de Xadrez tem levado um bom público ao hotel Real Praia, em Aracaju onde 48 enxadristas de 13 países disputam o título de campeão do mundo.   
   
Dia de estratégia e muita concentração para os universitários que participam do WUC Chess, sediado em Aracaju. A competição iniciada na quinta-feira prosseguiu nesta sexta-feira. Foram dois turnos de duelos, um começando ás 9hs da manhã e o outro 16hs. Em cada turno, 25 partidas aconteceram simultaneamente no salão Rio São Francisco do Hotel Praia.
Os 48 atletas dos 13 países participantes brigam pelo título de melhores enxadristas universitários do mundo, utilizando o modelo suíço de competição. Esse modelo, considerado como o mais justo pelos amantes do esporte, é também o mesmo usado pela Federação Internacional de Xadrez, a FIDE. De acordo com o modelo suíço, é realizado um sorteio no começo da competição para definir os combates da primeira rodada.
Após a realização das primeiras rodadas, as seguintes são decididas de acordo com a pontuação de cada atleta. Participantes com pontuações iguais, são emparceirados para duelar. Caso não seja possível emparceirar participantes com o mesmo número de pontos, o confronto será com o concorrente com pontuação mais próxima possível. Isso evita partidas com grandes disparidades e tem a vantagem de permitir um grande número de participantes com um número pequeno e determinado de rodadas sem a necessidade de eliminar participantes. 
O modelo também permite que um ranking da competição seja feito a cada final de rodada, no caso do WUC Chess, esse ranking será divulgado todos os dias no boletim da competição.
O Brasil conta com oito representantes - quatro no naipe masculino e quatro no feminino. Dentre as mulheres, há uma sergipana: Jadna Couto. Entre os destaques nacionais está Julia Alboredo, detentora da melhora campanha dentre os oito enxadristas brasileiros. 
Com uma vitória sobre a indiana Kabi Akankhya e um empate com a chinesa Shiqun Ni, atual líder da competição, Julia é a oitava colocada do ranking feminino até o momento. Outra brasileira, Kathie Goulart, também conquistou uma vitória, mas perdeu a segunda partida e é a atual décima segunda colocada. Na competição masculina, nenhum brasileiro chegou a vencer até o momento.

Imagine-se você como  torcedor querer vibrar  com uma jogada importante, uma decisão, uma vitória um xeque mate e aquele grito de vitória, a vibração ficarem presos na garganta. É assim no xadrez. Uma torcida silenciosa. Mas mesmo assim o Campeonato Mundial Universitário de Xadrez tem levado um bom público ao hotel Real Praia, em Aracaju onde 48 enxadristas de 13 países disputam o título de campeão do mundo.      Dia de estratégia e muita concentração para os universitários que participam do WUC Chess, sediado em Aracaju. A competição iniciada na quinta-feira prosseguiu nesta sexta-feira. Foram dois turnos de duelos, um começando ás 9hs da manhã e o outro 16hs. Em cada turno, 25 partidas aconteceram simultaneamente no salão Rio São Francisco do Hotel Praia.
Os 48 atletas dos 13 países participantes brigam pelo título de melhores enxadristas universitários do mundo, utilizando o modelo suíço de competição. Esse modelo, considerado como o mais justo pelos amantes do esporte, é também o mesmo usado pela Federação Internacional de Xadrez, a FIDE. De acordo com o modelo suíço, é realizado um sorteio no começo da competição para definir os combates da primeira rodada.
Após a realização das primeiras rodadas, as seguintes são decididas de acordo com a pontuação de cada atleta. Participantes com pontuações iguais, são emparceirados para duelar. Caso não seja possível emparceirar participantes com o mesmo número de pontos, o confronto será com o concorrente com pontuação mais próxima possível. Isso evita partidas com grandes disparidades e tem a vantagem de permitir um grande número de participantes com um número pequeno e determinado de rodadas sem a necessidade de eliminar participantes. 
O modelo também permite que um ranking da competição seja feito a cada final de rodada, no caso do WUC Chess, esse ranking será divulgado todos os dias no boletim da competição.
O Brasil conta com oito representantes - quatro no naipe masculino e quatro no feminino. Dentre as mulheres, há uma sergipana: Jadna Couto. Entre os destaques nacionais está Julia Alboredo, detentora da melhora campanha dentre os oito enxadristas brasileiros. 
Com uma vitória sobre a indiana Kabi Akankhya e um empate com a chinesa Shiqun Ni, atual líder da competição, Julia é a oitava colocada do ranking feminino até o momento. Outra brasileira, Kathie Goulart, também conquistou uma vitória, mas perdeu a segunda partida e é a atual décima segunda colocada. Na competição masculina, nenhum brasileiro chegou a vencer até o momento.