Quinteto de Metais da Sofiva interpreta ritmos do nordeste no Quinta Instrumental

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/09/2018 às 06:29:00

 

O palco do Teatro João Costa recebeu a sonoridade do 'Quinteto de Metais da Sofiva' na noite desta quinta-feira, 13, no Centro Cultural de Aracaju. O grupo participou de mais uma edição do 'Quinta Instrumental', projeto da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), que já faz parte do calendário de eventos da indústria da música instrumental da capital sergipana.
Formado por Fabrício Santana e Jean Bezerra, nos trompetes; José de Oliveira Filho, na trompa; Matheus Santos, no trombone; e na tuba, Mário Tavares, o quinteto emocionou a todos com o tradicional ritmo do forró, valorizando a riqueza da cultura nordestina. Segundo o músico trompista, a apresentação fez uma viagem pela musicalidade nordestina, em especial, a diversidade cultural do Estado de Sergipe. 
"Contemplamos diversos ritmos brasileiros, mas evidenciamos a nossa história musical com o bom forró, o baião, o xaxado, entre outros. O repertório é diversificado e transitou por diversos gêneros musicais, mas trouxemos como o ritmo principal, o forró. Uma forma de engrandecer e exaltar a nossa identidade cultural, oportunizando a nova geração a conhecer os compositores sergipanos que estão inseridos nesta atmosfera musical nordestina. Além de ser um momento pra lá de especial para quem já contempla esse ritmo genuinamente nosso", ressaltou José de Oliveira Filho. 
"Trazer peças que contemplam diversos ritmos brasileiros e, ao mesmo tempo, poder homenagear a cultura de um povo é extremamente gratificante. Por onde o Quinteto de Metais da Sofiva passar levará a nossa identidade e o sentimento de pertencimento plantando no coração de cada um que assistiu a apresentação. A importância de nossa história musical e cultural não podia ser diferente no Quinta Instrumental", acrescentou o trompista.
Durante a apresentação musical, José de Oliveira Filho agradeceu a Prefeitura de Aracaju e comentou que fazer parte da programação do Quinta Instrumental é uma grande experiência. "Poder participar desse projeto é valioso, pois valoriza a interpretação da música instrumental, aumentando significativamente o público para este tipo de música. Além disso, é uma grande honra estarmos num palco onde passaram grandes artistas do cenário estadual, nacional e internacional". 

O palco do Teatro João Costa recebeu a sonoridade do 'Quinteto de Metais da Sofiva' na noite desta quinta-feira, 13, no Centro Cultural de Aracaju. O grupo participou de mais uma edição do 'Quinta Instrumental', projeto da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), que já faz parte do calendário de eventos da indústria da música instrumental da capital sergipana.
Formado por Fabrício Santana e Jean Bezerra, nos trompetes; José de Oliveira Filho, na trompa; Matheus Santos, no trombone; e na tuba, Mário Tavares, o quinteto emocionou a todos com o tradicional ritmo do forró, valorizando a riqueza da cultura nordestina. Segundo o músico trompista, a apresentação fez uma viagem pela musicalidade nordestina, em especial, a diversidade cultural do Estado de Sergipe. 
"Contemplamos diversos ritmos brasileiros, mas evidenciamos a nossa história musical com o bom forró, o baião, o xaxado, entre outros. O repertório é diversificado e transitou por diversos gêneros musicais, mas trouxemos como o ritmo principal, o forró. Uma forma de engrandecer e exaltar a nossa identidade cultural, oportunizando a nova geração a conhecer os compositores sergipanos que estão inseridos nesta atmosfera musical nordestina. Além de ser um momento pra lá de especial para quem já contempla esse ritmo genuinamente nosso", ressaltou José de Oliveira Filho. 
"Trazer peças que contemplam diversos ritmos brasileiros e, ao mesmo tempo, poder homenagear a cultura de um povo é extremamente gratificante. Por onde o Quinteto de Metais da Sofiva passar levará a nossa identidade e o sentimento de pertencimento plantando no coração de cada um que assistiu a apresentação. A importância de nossa história musical e cultural não podia ser diferente no Quinta Instrumental", acrescentou o trompista.
Durante a apresentação musical, José de Oliveira Filho agradeceu a Prefeitura de Aracaju e comentou que fazer parte da programação do Quinta Instrumental é uma grande experiência. "Poder participar desse projeto é valioso, pois valoriza a interpretação da música instrumental, aumentando significativamente o público para este tipo de música. Além disso, é uma grande honra estarmos num palco onde passaram grandes artistas do cenário estadual, nacional e internacional".