Eleição da traição e do oportunismo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o sergipano Carlos Ayres Britto acredita que o novo presidente da corte, Dias Toffoli, não pautará recursos apresentados pela defesa do ex-presidente Lula sem consultar os demais pares.  Disse isso ao Congres
Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o sergipano Carlos Ayres Britto acredita que o novo presidente da corte, Dias Toffoli, não pautará recursos apresentados pela defesa do ex-presidente Lula sem consultar os demais pares. Disse isso ao Congres

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/09/2018 às 07:03:00

 

Dificilmente vão passar para o segundo 
turno de uma eleição dois candidatos 
da oposição. Geralmente um candidato do governo, por dispor de um grande número de aliados e da máquina pública, e um da oposição, pelo racha natural.
Em Sergipe isso não ocorreu nas últimas eleições estaduais em razão de Marcelo Déda (PT) em duas oportunidades  e Jackson Barreto (MDB) terem vencido as eleições ainda no primeiro turno. Mas a nível nacional, isso ocorreu em 2006, quando passaram para o segundo turno para presidente da República Lula (PT) pela situação e Geraldo Alckmin (PSDB) pela oposição.
Em 2010, foram para o segundo turno Dilma Rousseff (PT) como candidata do governo e José Serra (PSDB) candidato pela oposição. Em 2014, passaram para o segundo turno a então presidente Dilma Rousseff (PT) e  Aécio Neves (PSDB) pela oposição.
No pleito deste ano a tendência é que esse cenário também ocorra em Sergipe, até porque os três principais candidatos a governador não estão distantes. Valadares Filho (PSB) permanece na liderança, sendo seguido de perto por Eduardo Amorim (PSDB) e Belivaldo Chagas (PSD), que praticamente estão empatados tecnicamente.
Diante da possibilidade desse cenário político de apenas um da oposição passar para o segundo turno, lideranças estão dividindo seu grupo para votar em Valadares Filho e Eduardo Amorim. Puro oportunismo político, de quem quer mamar nas tetas do governo de qualquer jeito.
Como a coluna já divulgou, o ex-prefeito José Arinaldo Filho (DEM/Frei Paulo) está dando apoio a Valadares Filho e Eduardo Amorim. O seu irmão, Joãozinho, e o seu sobrinho, Gabriel Oliveira que disputou a prefeitura em 2014, estão apoiando VF e José Arinaldo apoiando EA.
O ex-prefeito Fábio Henrique (PDT), que é candidato a deputado federal pela coligação de Valadares Filho e a sua mulher Silvia Fontes é candidata a vice-governadora, também dividiu seu agrupamento. Colocou sua pessoa de confiança, o ex-secretário Cleverton Siqueira, para votar com Eduardo, enquanto ele e a mulher ficam com VF.
Trocando em miúdos, essa eleição, que já se configurou como a eleição da traição, também será a do oportunismo.

Dificilmente vão passar para o segundo  turno de uma eleição dois candidatos  da oposição. Geralmente um candidato do governo, por dispor de um grande número de aliados e da máquina pública, e um da oposição, pelo racha natural.
Em Sergipe isso não ocorreu nas últimas eleições estaduais em razão de Marcelo Déda (PT) em duas oportunidades  e Jackson Barreto (MDB) terem vencido as eleições ainda no primeiro turno. Mas a nível nacional, isso ocorreu em 2006, quando passaram para o segundo turno para presidente da República Lula (PT) pela situação e Geraldo Alckmin (PSDB) pela oposição.
Em 2010, foram para o segundo turno Dilma Rousseff (PT) como candidata do governo e José Serra (PSDB) candidato pela oposição. Em 2014, passaram para o segundo turno a então presidente Dilma Rousseff (PT) e  Aécio Neves (PSDB) pela oposição.
No pleito deste ano a tendência é que esse cenário também ocorra em Sergipe, até porque os três principais candidatos a governador não estão distantes. Valadares Filho (PSB) permanece na liderança, sendo seguido de perto por Eduardo Amorim (PSDB) e Belivaldo Chagas (PSD), que praticamente estão empatados tecnicamente.
Diante da possibilidade desse cenário político de apenas um da oposição passar para o segundo turno, lideranças estão dividindo seu grupo para votar em Valadares Filho e Eduardo Amorim. Puro oportunismo político, de quem quer mamar nas tetas do governo de qualquer jeito.
Como a coluna já divulgou, o ex-prefeito José Arinaldo Filho (DEM/Frei Paulo) está dando apoio a Valadares Filho e Eduardo Amorim. O seu irmão, Joãozinho, e o seu sobrinho, Gabriel Oliveira que disputou a prefeitura em 2014, estão apoiando VF e José Arinaldo apoiando EA.
O ex-prefeito Fábio Henrique (PDT), que é candidato a deputado federal pela coligação de Valadares Filho e a sua mulher Silvia Fontes é candidata a vice-governadora, também dividiu seu agrupamento. Colocou sua pessoa de confiança, o ex-secretário Cleverton Siqueira, para votar com Eduardo, enquanto ele e a mulher ficam com VF.
Trocando em miúdos, essa eleição, que já se configurou como a eleição da traição, também será a do oportunismo.

Mudança 

A prisão do candidato a deputado federal Manoel Sukita (PTC) a 22 dias das eleições pode mudar a composição de Sergipe para a Câmara dos Deputados. Há um entendimento político que a coligação de Valadares Filho elegerá um deputado federal, a de Belivaldo Chagas três e a de Eduardo Amorim quatro e que com a saída de Sukita do páreo a coligação do governador deve eleger quatro deputados.

Ponto de vista 1

Na coligação de Belivaldo, os nomes competitivos são dos deputados federais Fábio Reis (MDB), Fábio Mitidieri (PSD), Laércio Oliveira (PP) e João Daniel (PT), além dos candidatos Márcio Macedo (PT), Professora Angêla (PT) e Alexandre Figueiredo (MDB). O entendimento de muitos é que estão com a eleição praticamente garantida os dois Fábio e Laércio, disputando a quarta vaga Márcio e João Daniel.

Ponto de vista 2

Na coligação de Eduardo Amorim, os nomes competitivos para a Câmara Federal são dos deputados Adelson Barreto (PR) e Jony Marcos (PRB); dos deputados estaduais Pastor Antônio (PSC) e Gustinho Ribeiro (SD); do ex-deputado federal Bosco Costa (PR); de Valdevan Noventa (PSC) e do próprio Sukita.

Ponto de vista 3

Já na coligação de Valadares Filho os candidatos competitivos são o ex-prefeito Fábio Henrique e o vereador Elber Batalha (PSB).

Trocando em miúdos

O ex-prefeito Sukita será o fiel da balança nas eleições desse ano para a Câmara dos Deputados. Se conseguir se manter candidato mesmo preso, pode levar a coligação de Eduardo Amorim a fazer quatro federais. Se não conseguir, a coligação de Belivaldo deverá eleger os quatro.

Composição da Assembleia

O entendimento de algumas lideranças políticas é que a coligação de Belivaldo Chagas deve eleger nove deputados estaduais; a de Eduardo Amorim de sete a oito; a de Valadares Filho de um a dois deputados; a Rede, do candidato a governador Dr Emerson, pode eleger de um a dois e a Chapinha Podemos/Avante/PMN/Patriota, poderá fazer dois. Sobram umas duas ou três vagas que pode ser preenchida por qualquer partido ou agrupamento político.  

Decisão judicial

A juíza Brígida Declerc Fink determinou que o candidato ao Senado, Antônio Carlos Valadares (PSB), retire as postagens agressivas que fez em sua rede social Twitter contra o coordenador de marketing da campanha Carlos Cauê e os candidatos da coligação 'Pra Sergipe Avançar', Belivaldo Chagas e Jackson Barreto. A Justiça entendeu que atitude do senador ultrapassa a natureza das críticas, descambam para o insulto pessoal e para a imputação de delitos sabidamente inverídicos.

 Cumpriu prazo 

O TRE finalizou ontem o julgamento de todos os registros de candidaturas protocolados dentro do prazo legal que é até 17 de setembro. Foram analisados 518 registros, sendo 9 para governador, 9 para vice-governador, 14 para senador, 15 para 1º suplente de senador (houve uma renúncia), 14 para 2º suplente de senador, 123 para deput ado federal e 334 para deputado estadual. Ao total, 425 processos foram deferidos e 73 indeferidos, com 8 recursos já remetidos ao TSE.

Fim do prazo

A legislação eleitoral estabelece o dia 17 de setembro como último dia para substituir candidatos aos cargos majoritários e proporcionais, exceto em caso de falecimento, caso em que poderá ser efetivada a substituição após essa data, observado, em qualquer situação, o prazo de até 10 (dez) dias contados do fato ou da decisão judicial que der origem à substituição.

Esclarecimento

Por um erro de digitação a coluna noticiou ontem que o deputado estadual Georgeo Passos (Rede) tinha recebido R$ 400.000,00 do fundo partidário, quando o repasse foi de apenas R$ 400,00, e o deputado Moritos Matos (Rede) havia recebido do partido R$ 450.000,00, quando o repasse corresponde a apenas R$ 450,00. Feito o reparo.

Cara de pau 1

Ontem, antes de se apresentar à polícia federal com o seu advogado Emanuel Cacho, o candidato ostentação a deputado federal Manoel Sukita (PTC) gravou um áudio para as redes sociais.  Nele, pede as pessoas que lhe "querem bem e não aceitam perseguição" que o ajudem. Diz que a sua campanha não pode sair das ruas. "Se eu não ganhar as eleições eles vão me aniquilar, acabar com a minha vida. Só está faltando me enterrarem vivo. Só falta isso. Preciso ganhar as eleições. Não tem problema, vou para a prisão. Os advogados acreditam que essa injustiça pode ser corrigida o mais rápido possível. Mas estão vendo Lula? Todos pensavam que ele podia sair no outro dia, mas prenderam ele para não soltar mais. Só que eu registrei minha candidatura. Por mais que impugnem, quem decide é o TSE".

Cara de pau 2

Prosseguiu Sukita em seu apelo dramático: "Eu não tenho crime algum. Nenhuma das acusações contra mim me tiram da disputa. Por isso que me metem na cadeia. É para impedir minha candidatura. Do que fui acusado aqui a jurisprudência em Brasília é a nosso favor. Só que para isso eu preciso ganhar as eleições, ser empregado do povo. Eu preciso que a população tenha maturidade política para entender a violência que estão fazendo comigo, com a minha família, Política não é isso. Peço maturidade, me ajudem. Eu preso ou solto, me deem essa mandato para que eu possa sobreviver".  

Cara de pau 3

Sukita, como ex-prefeito de Capela, já foi condenado a um ano e dois meses de detenção, além do pagamento de 21 dias-multa, pelos crimes contra a economia popular, a fé pública, a administração pública e o patrimônio público; e os crimes eleitorais para os quais a lei comine pena privativa de liberdade. Além de prática de ato doloso de improbidade administrativa que causou lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, e tomada de constas especial do Tribunal de Constas da União. Ele chegou a sacar mais de R$ 1 milhão na boca do caixa no último dia do seu mandato como prefeito. Câmeras do banco flagraram ele levando o dinheiro do Ministério da Educação dentro de uma mala. Presos algumas vezes, hoje ele tava fazendo campanha de helicóptero.  

Veja essa ...

 A coluna recebeu a informação de que o candidato a governador Valadares Filho (PSB) passou a usar camisa branca nessa reta final da campanha, assim como a sua vice Silvia Fontes (PDT), por sugestão do pai de santo de Silvia que havia dito que o branco era o "caminho da vitória". Valadares Filho vinha usando a camisa amarela, por ser a cor que representa o seu partido.

curtas

Consta na agenda de Belivaldo Chagas (PSD) de hoje, às 9h, carreata no Bairro Santa Maria e 17 de março comandada por Eliane Aquino; e às 9h, carreata no Baixo São Francisco, com Belivaldo, saindo de Santana do São Francisco, passando por Neópolis, Ilha das Flores, Brejo Grande, Pacatuba, Japoatã e Propriá. No domingo, Belivaldo faz a tradicional carreata de Aracaju, com saída da Colina do Santo Antônio.

Na agenda de Eduardo Amorim (PSDB) deste sábado consta, às 8h, início  de carreata pelo Conjunto Rosa Elze,  passando pelo Conjunto Eduardo Gomes,  por  São Cristóvão, pelo Povoado Rita Cacete, seguindo para Itaporanga D'Ajuda e encerrando em Salgado. Já às 20h, tem onda azul em Moita Bonita, com o candidato a deputado federal Bosco Costa. 

O candidato Valadares Filho (PSB) tem agenda neste sábado no sertão, com a realização de carreata por vários municípios da região.

Na agenda deste sábado de Mendonça Prado (DEM) consta, às 8h, mini carreata nas cidades de Maruim e Riachuelo; e às 14h, mini carreata e visita à cidade de Itabaiana.

No governo Temer a gasolina já está próximo dos R$ 5,00. Cadê os paneleiros?