Implantação de PCCV e Lei de Reestruturação do Plano de Carreira do Sindifisco deram tranquilidade aos servidores e aposentados

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 17/09/2018 às 06:41:00

 

Jackson Barreto sempre baseou sua relação com os servidores através do diálogo. E entre as iniciativas concretas que garantiram direitos importantes aos servidores públicos estaduais da Administração Geral, servidores da Saúde e engenheiros está a implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV).
 "Prometi implantar o PCCV e honrei meu compromisso. O Plano de Cargos e Vencimentos resgata a vida profissional dos servidores, que passaram a ter uma carreira estruturada, uma tabela com os interníveis assegurados com direito a titulação, dando tranquilidade na aposentadoria. A minha missão política é servir ao meu estado", afirmou Jackson Barreto.
Instituído em 2016, o PCCV beneficia cerca de 22 mil servidores estaduais entre ativos e inativos. No caso dos servidores ativos, esses passaram a ter vencimentos iniciais e progressão salarial por titulação e tempo de serviço. Com o Plano, servidores de nível básico, como merendeiras e vigilantes, de nível técnico e de nível superior tiveram suas carreiras organizadas, com progressão salarial de 5% a cada três anos. O caso de um servidor de nível básico que tem salário inicial de R$ 900, por exemplo, pode finalizar a carreira recebendo R$ 1.781,94.
O presidente da Associação dos Servidores Técnicos Administrativos da Secretaria da Fazenda - ASTA/SEFAZ -, Eudes Martins, também reconhece a importância do Plano de Carreira para os servidores e como essa ação concreta de Jackson Barreto reflete na situação dos aposentados.
Além dos servidores da Administração Geral, uma categoria pela qual Jackson Barreto também manteve um diálogo aberto e buscou atender às demandas foi o Sindicato do Fisco do Estado de Sergipe - Sindifisco. O presidente Paulo Roberto Pedroza recordou que, no final de 2016, o governo do Estado enviou para votação na Assembleia Legislativa duas leis importantes para o Fisco, que são referentes ao Plano de Carreira.
Paulo declara que a aprovação dessas duas leis ofereceu estabilidade jurídica e financeira à carreira do Fisco. "Isso gerou um ganho salarial bem importante para a categoria do Fisco. Essas leis foram aprovadas em 2016 e foi fruto de negociação com o governo Jackson, que entendeu as demandas do Fisco e então aprovou essas duas leis: a Lei Complementar 279 e a 283 de 2016. Foram leis importantes que possibilitaram ganhos, tanto do ponto de vista jurídico e financeiro, para a carreira do Fisco de Sergipe", destacou Paulo Pedroza.

Jackson Barreto sempre baseou sua relação com os servidores através do diálogo. E entre as iniciativas concretas que garantiram direitos importantes aos servidores públicos estaduais da Administração Geral, servidores da Saúde e engenheiros está a implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV).
 "Prometi implantar o PCCV e honrei meu compromisso. O Plano de Cargos e Vencimentos resgata a vida profissional dos servidores, que passaram a ter uma carreira estruturada, uma tabela com os interníveis assegurados com direito a titulação, dando tranquilidade na aposentadoria. A minha missão política é servir ao meu estado", afirmou Jackson Barreto.
Instituído em 2016, o PCCV beneficia cerca de 22 mil servidores estaduais entre ativos e inativos. No caso dos servidores ativos, esses passaram a ter vencimentos iniciais e progressão salarial por titulação e tempo de serviço. Com o Plano, servidores de nível básico, como merendeiras e vigilantes, de nível técnico e de nível superior tiveram suas carreiras organizadas, com progressão salarial de 5% a cada três anos. O caso de um servidor de nível básico que tem salário inicial de R$ 900, por exemplo, pode finalizar a carreira recebendo R$ 1.781,94.
O presidente da Associação dos Servidores Técnicos Administrativos da Secretaria da Fazenda - ASTA/SEFAZ -, Eudes Martins, também reconhece a importância do Plano de Carreira para os servidores e como essa ação concreta de Jackson Barreto reflete na situação dos aposentados.
Além dos servidores da Administração Geral, uma categoria pela qual Jackson Barreto também manteve um diálogo aberto e buscou atender às demandas foi o Sindicato do Fisco do Estado de Sergipe - Sindifisco. O presidente Paulo Roberto Pedroza recordou que, no final de 2016, o governo do Estado enviou para votação na Assembleia Legislativa duas leis importantes para o Fisco, que são referentes ao Plano de Carreira.
Paulo declara que a aprovação dessas duas leis ofereceu estabilidade jurídica e financeira à carreira do Fisco. "Isso gerou um ganho salarial bem importante para a categoria do Fisco. Essas leis foram aprovadas em 2016 e foi fruto de negociação com o governo Jackson, que entendeu as demandas do Fisco e então aprovou essas duas leis: a Lei Complementar 279 e a 283 de 2016. Foram leis importantes que possibilitaram ganhos, tanto do ponto de vista jurídico e financeiro, para a carreira do Fisco de Sergipe", destacou Paulo Pedroza.