A Edise na XVI Feira Universitária do Livro de Curitiba

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/09/2018 às 06:34:00

 

Entre os dias 17 e 22 de setembro ocorre a XVI Feira Universitária do Livro de Curitiba, que acontece em frente ao prédio da Universidade Federal do Paraná - UFPR, em Curitiba (PR), realizada numa grande estrutura montada na Praça Santos Andrade, no centro da capital paranaense. A Editora Diário Oficial do Estado de Sergipe - Edise, participa do evento e, em parceria com a Associação Brasileira das Editoras Universitárias - ABEU, levará 11 obras de suas publicações.
A Feira conta com apresentações artísticas, bate-papo, exposições, lançamentos de livros, debates, oficinas, sessão de cinema e palestras que irão ser recheados durante 12hrs de programação diária, das 08h00 às 20h00.
O tema da feira deste ano é "Literatura - o tempo da imaginação", e aludem a todos esses sentidos do tempo onde linguagem, poesia e forma transitam e se misturam, aproximando-se do leitor em diferentes suportes, da leitura mais clássica até a leitura nos moldes das redes sociais. 
O objetivo do evento é estar popularizando os livros e incentivando a leitura, mostrar as adaptações dos conteúdos mais atuais com conteúdos mais clássicos, e fazer essa ponte de ligação funcionar. A Edise tem orgulho de estar participando desse processo de disseminação literária e levando autores do estado e a cultura local para o Brasil afora, consequentemente, contribuindo para que outras pessoas conheçam Sergipe através da leitura.
Após o sucesso que ocorreu na Bienal Internacional do Livro, em São Paulo, no mês de agosto deste ano, onde a editora sergipana comercializou 80% dos títulos apresentados, a expectativa é ter números a comemorar também em Curitiba.
O jornalista Henrique Maynart é um dos autores que publicou na Edise, seu livro 'Nem copo de cachaça, nem prato de comida', estará no evento. Ele diz que é gratificante estar participando da feira. "Saber que uma obra está ultrapassando fronteiras, sobretudo quando falamos de um livro-reportagem com um marco espacial tão definido como esse. É a história de Sergipe, da classe jornalística. Fico feliz pela oportunidade por este intercâmbio que a Edise propicia".

Entre os dias 17 e 22 de setembro ocorre a XVI Feira Universitária do Livro de Curitiba, que acontece em frente ao prédio da Universidade Federal do Paraná - UFPR, em Curitiba (PR), realizada numa grande estrutura montada na Praça Santos Andrade, no centro da capital paranaense. A Editora Diário Oficial do Estado de Sergipe - Edise, participa do evento e, em parceria com a Associação Brasileira das Editoras Universitárias - ABEU, levará 11 obras de suas publicações.
A Feira conta com apresentações artísticas, bate-papo, exposições, lançamentos de livros, debates, oficinas, sessão de cinema e palestras que irão ser recheados durante 12hrs de programação diária, das 08h00 às 20h00.
O tema da feira deste ano é "Literatura - o tempo da imaginação", e aludem a todos esses sentidos do tempo onde linguagem, poesia e forma transitam e se misturam, aproximando-se do leitor em diferentes suportes, da leitura mais clássica até a leitura nos moldes das redes sociais. 
O objetivo do evento é estar popularizando os livros e incentivando a leitura, mostrar as adaptações dos conteúdos mais atuais com conteúdos mais clássicos, e fazer essa ponte de ligação funcionar. A Edise tem orgulho de estar participando desse processo de disseminação literária e levando autores do estado e a cultura local para o Brasil afora, consequentemente, contribuindo para que outras pessoas conheçam Sergipe através da leitura.
Após o sucesso que ocorreu na Bienal Internacional do Livro, em São Paulo, no mês de agosto deste ano, onde a editora sergipana comercializou 80% dos títulos apresentados, a expectativa é ter números a comemorar também em Curitiba.
O jornalista Henrique Maynart é um dos autores que publicou na Edise, seu livro 'Nem copo de cachaça, nem prato de comida', estará no evento. Ele diz que é gratificante estar participando da feira. "Saber que uma obra está ultrapassando fronteiras, sobretudo quando falamos de um livro-reportagem com um marco espacial tão definido como esse. É a história de Sergipe, da classe jornalística. Fico feliz pela oportunidade por este intercâmbio que a Edise propicia".