Brasil é prata e bronze no Mundial de Xadrez

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Pela primeira vez o Brasil foi ao pódio de um mundial universitário de xadrez com o terceiro lugar geral e segundo lugar feminino com Kathiê Librelato
Pela primeira vez o Brasil foi ao pódio de um mundial universitário de xadrez com o terceiro lugar geral e segundo lugar feminino com Kathiê Librelato

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 19/09/2018 às 06:32:00

 

Givaldo Batista
O Campeonato Mun-
dial Universitário 
de Xadrez o WUC Chess 2018, chegou ao final na tarde desta terça-feira em Aracaju, com uma importante novidade. Pela primeira vez o Brasil foi ao pódio em uma competição internacional de xadrez universitário, com tantos países de tradição nesse esporte. A brasileira Kathiê Librelato garantiu medalha de prata no individual feminino e na classificação geral, o Brasil conquistou terceiro lugar.
No naipe masculino, o atleta universitário Tadeas Kriebel da República Tcheca foi o grande campeão. "Estou muito orgulhoso do meu resultado, não só pela qualidade dos oponentes que eram muito fortes, mas pelo modelo de competição que contou com várias rodadas duplas. Fico muito feliz por essa conquista" comemora o universitário, com a medalha no peito.
Seguindo o pódio, o polonês Grzegorz Nasuta conquistou a prata enquanto o grandmaster Lu Shanglei conquistou o terceiro lugar. Entre os enxadristas da competição, o chinês é o melhor colocado no ranking mundial da FIDE, mas foi derrotado logo nas primeiras rodadas e não conseguiu se recuperar apesar das vitórias seguintes.
O melhor resultado do Brasil veio do naipe feminino. A enxadrista Kathiê Librelato, atual campeã de Xadrez nos Jogos Universitários Brasileiros, conseguiu um honroso segundo lugar no mundial ao derrotar a peruana Cori T Daysi na última rodada. É o melhor resultado do Brasil na história de mundiais universitários.  A chinesa Shiqun Ni, única mulher grandmaster da competição ficou com o ouro.
Na classificação geral por equipes, a China foi o grande destaque, seguida pela Polônia. O Brasil completou o pódio com os campeões levando o bronze. Responsáveis por grande parte dos pontos que levaram o Brasil ao pódio na classificação geral, as universitárias Julia Alboredo e Kathiê Librelato, foram as melhores colocadas do país no WUC Chess. Além da medalha de prata de Kathiê, Julia Alboredo marcou pontos para o Brasil, ficando em quarto lugar no naipe feminino. "É um resultado histórico para o Brasil e a gente fica muito feliz de fazer parte disso. Esperamos que isso ajude a melhorar a visibilidade do esporte no país" diz Julia.
O Campeonato Mundial Universitário de Chess - Aracaju 2018 foi uma realização da Federação Internacional do Esporte Universitário (FISU), Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) e Federação Atlética de Esportes de Sergipe (FAES). Com patrocínio Correios e Quiaodan e apoio da SuperBolla, Gympass, apoio do Governo do Estado de Sergipe, através da Secretaria de Estado do Esporte Lazer e da Juventude (Seel) e Prefeitura Municipal de Aracaju.
Kathie Librelato vibrou pelo fato de ter levado o Brasil ao pódio pela primeira vez. "Estou muito feliz com esse resultado. Foi uma competição difícil. De alto nível com competidores tradicionais. Em um torneio de representatividade tão forte. Estou feliz de colocar o Brasil em terceiro lugar no pódio por equipes". 

O Campeonato Mun- dial Universitário  de Xadrez o WUC Chess 2018, chegou ao final na tarde desta terça-feira em Aracaju, com uma importante novidade. Pela primeira vez o Brasil foi ao pódio em uma competição internacional de xadrez universitário, com tantos países de tradição nesse esporte. A brasileira Kathiê Librelato garantiu medalha de prata no individual feminino e na classificação geral, o Brasil conquistou terceiro lugar.
No naipe masculino, o atleta universitário Tadeas Kriebel da República Tcheca foi o grande campeão. "Estou muito orgulhoso do meu resultado, não só pela qualidade dos oponentes que eram muito fortes, mas pelo modelo de competição que contou com várias rodadas duplas. Fico muito feliz por essa conquista" comemora o universitário, com a medalha no peito.
Seguindo o pódio, o polonês Grzegorz Nasuta conquistou a prata enquanto o grandmaster Lu Shanglei conquistou o terceiro lugar. Entre os enxadristas da competição, o chinês é o melhor colocado no ranking mundial da FIDE, mas foi derrotado logo nas primeiras rodadas e não conseguiu se recuperar apesar das vitórias seguintes.
O melhor resultado do Brasil veio do naipe feminino. A enxadrista Kathiê Librelato, atual campeã de Xadrez nos Jogos Universitários Brasileiros, conseguiu um honroso segundo lugar no mundial ao derrotar a peruana Cori T Daysi na última rodada. É o melhor resultado do Brasil na história de mundiais universitários.  A chinesa Shiqun Ni, única mulher grandmaster da competição ficou com o ouro.
Na classificação geral por equipes, a China foi o grande destaque, seguida pela Polônia. O Brasil completou o pódio com os campeões levando o bronze. Responsáveis por grande parte dos pontos que levaram o Brasil ao pódio na classificação geral, as universitárias Julia Alboredo e Kathiê Librelato, foram as melhores colocadas do país no WUC Chess. Além da medalha de prata de Kathiê, Julia Alboredo marcou pontos para o Brasil, ficando em quarto lugar no naipe feminino. "É um resultado histórico para o Brasil e a gente fica muito feliz de fazer parte disso. Esperamos que isso ajude a melhorar a visibilidade do esporte no país" diz Julia.
O Campeonato Mundial Universitário de Chess - Aracaju 2018 foi uma realização da Federação Internacional do Esporte Universitário (FISU), Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) e Federação Atlética de Esportes de Sergipe (FAES). Com patrocínio Correios e Quiaodan e apoio da SuperBolla, Gympass, apoio do Governo do Estado de Sergipe, através da Secretaria de Estado do Esporte Lazer e da Juventude (Seel) e Prefeitura Municipal de Aracaju.
Kathie Librelato vibrou pelo fato de ter levado o Brasil ao pódio pela primeira vez. "Estou muito feliz com esse resultado. Foi uma competição difícil. De alto nível com competidores tradicionais. Em um torneio de representatividade tão forte. Estou feliz de colocar o Brasil em terceiro lugar no pódio por equipes".