Cultura forte e florida marca novo livro da Edise

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/09/2018 às 06:37:00

 

Cordelista e presidente fundadora da Academia Sergipana de Cordel, Izabel Nascimento lança a sua mais nova obra 'Sementes de Girassóis', em parceria com a Editora Diário Oficial do Estado de Sergipe - Edise. O lançamento ocorre no dia 22 de setembro, às 18h, na Sociedade Semear, no bairro São José. O evento conta ainda com um recital de poesia e música, valorizando a cultura local, e apresentará um pouco mais sobre o trabalho da artista.
O prefácio, escrito pelo seu pai, Pedro Amaro, conta sobre como a arte, as flores e a poesia sempre fizeram parte da vida da cordelista: ''Ao visitar minhas felizes memórias, afirmo que esta obra literária não nasceu agora. Izabel resolveu trilhar, passo a passo, o caminho da poesia e foi ficando mais forte e determinada a cada desafio''.
 Izabel afirma que o cordel foi uma herança familiar, sendo ela filha de pais cordelistas, desde muito cedo viveu cercada pela poesia e pela cultura que a inspirou a seguir pelo mesmo caminho dos pais. Realiza em suas poesias a descrição do seu cotidiano, do sentimento único, mas também aceita sugestões diversas. A autora ainda ressalta que nunca escreve sobre o que não gosta ou concorda, e não transforma em poesia algo que vá de contra os seus ideais.
"O que seria da sociedade sem a arte? A arte é um exercício de liberdade, quando se expõe as angústias e necessidades. A identificação e conexão para com o artista forma uma corrente que transforme pessoas, e em seguida, transforme, quem sabe, o mundo. Em uma sociedade pessimista, onde as pessoas estão, sob todos os aspectos, desacreditadas, é bom ser uma possibilidade de esperança nos corações do povo", diz Izabel Nascimento.

Cordelista e presidente fundadora da Academia Sergipana de Cordel, Izabel Nascimento lança a sua mais nova obra 'Sementes de Girassóis', em parceria com a Editora Diário Oficial do Estado de Sergipe - Edise. O lançamento ocorre no dia 22 de setembro, às 18h, na Sociedade Semear, no bairro São José. O evento conta ainda com um recital de poesia e música, valorizando a cultura local, e apresentará um pouco mais sobre o trabalho da artista.
O prefácio, escrito pelo seu pai, Pedro Amaro, conta sobre como a arte, as flores e a poesia sempre fizeram parte da vida da cordelista: ''Ao visitar minhas felizes memórias, afirmo que esta obra literária não nasceu agora. Izabel resolveu trilhar, passo a passo, o caminho da poesia e foi ficando mais forte e determinada a cada desafio''.
 Izabel afirma que o cordel foi uma herança familiar, sendo ela filha de pais cordelistas, desde muito cedo viveu cercada pela poesia e pela cultura que a inspirou a seguir pelo mesmo caminho dos pais. Realiza em suas poesias a descrição do seu cotidiano, do sentimento único, mas também aceita sugestões diversas. A autora ainda ressalta que nunca escreve sobre o que não gosta ou concorda, e não transforma em poesia algo que vá de contra os seus ideais.
"O que seria da sociedade sem a arte? A arte é um exercício de liberdade, quando se expõe as angústias e necessidades. A identificação e conexão para com o artista forma uma corrente que transforme pessoas, e em seguida, transforme, quem sabe, o mundo. Em uma sociedade pessimista, onde as pessoas estão, sob todos os aspectos, desacreditadas, é bom ser uma possibilidade de esperança nos corações do povo", diz Izabel Nascimento.