PF ainda não descarta coautoria em ataque a Bolsonaro, diz Jungmann

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/09/2018 às 06:40:00

 

Felipe Pontes 
Agência Brasil  
 
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, reafirmou ontem(18) que a Polícia Federal (PF) deve concluir ainda nesta semana um primeiro inquérito sobre a agressão ao candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. Ele disse que, até o momento, nenhuma hipótese foi descartada sobre uma eventual coautoria do crime, por isso uma nova investigação poderá ser aberta.
Bolsonaro foi esfaqueado em 6 de setembro durante um ato de campanha na rua em Juiz de Fora (MG). O agressor, identificado como Adélio Bispo de Oliveira, foi preso e encontra-se numa penitenciária de Campo Grande (MS). Em depoimentos, ele diz ter agido sozinho.
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, e o representante da UNODC no Brasil, Rafael Franzini, assinam protocolo de intenções para criação do Centro Internacional para Segurança Pública no Brasil.
 "Não se descarta qualquer tipo, qualquer hipótese", afirmou Jungmann ao ser questionado sobre a possibilidade de coautoria no crime. "Nós, se necessário, abriremos uma segunda investigação, um segundo inquérito, para apurar todo e qualquer indício. Se qualquer possiblidade de coautoria existir, evidentemente que vamos trazer a conhecimento de toda a sociedade", disse em seguida.
O ministro, no entanto, não entrou em detalhes das investigações, afirmando apenas que "tudo isso tem que ser investigado, recursos, dinheiro na conta". "Temos que dar uma resposta à opinião pública para que não paire nenhuma suspeita", acrescentou.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, reafirmou ontem(18) que a Polícia Federal (PF) deve concluir ainda nesta semana um primeiro inquérito sobre a agressão ao candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. Ele disse que, até o momento, nenhuma hipótese foi descartada sobre uma eventual coautoria do crime, por isso uma nova investigação poderá ser aberta.
Bolsonaro foi esfaqueado em 6 de setembro durante um ato de campanha na rua em Juiz de Fora (MG). O agressor, identificado como Adélio Bispo de Oliveira, foi preso e encontra-se numa penitenciária de Campo Grande (MS). Em depoimentos, ele diz ter agido sozinho.
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, e o representante da UNODC no Brasil, Rafael Franzini, assinam protocolo de intenções para criação do Centro Internacional para Segurança Pública no Brasil.
 "Não se descarta qualquer tipo, qualquer hipótese", afirmou Jungmann ao ser questionado sobre a possibilidade de coautoria no crime. "Nós, se necessário, abriremos uma segunda investigação, um segundo inquérito, para apurar todo e qualquer indício. Se qualquer possiblidade de coautoria existir, evidentemente que vamos trazer a conhecimento de toda a sociedade", disse em seguida.
O ministro, no entanto, não entrou em detalhes das investigações, afirmando apenas que "tudo isso tem que ser investigado, recursos, dinheiro na conta". "Temos que dar uma resposta à opinião pública para que não paire nenhuma suspeita", acrescentou.