Campanha da hostilidade

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Não é somente Valadares Filho (PSB) que adotou o branco nessa reta final da campanha eleitoral. Belivaldo Chagas também. Ontem na mini carreata no bairro Jabotiana, o governador voltou a usar camisa branca, que segundo o pai de santo da candidata a vice-g
Não é somente Valadares Filho (PSB) que adotou o branco nessa reta final da campanha eleitoral. Belivaldo Chagas também. Ontem na mini carreata no bairro Jabotiana, o governador voltou a usar camisa branca, que segundo o pai de santo da candidata a vice-g

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 19/09/2018 às 07:06:00

 

Relatório da pesquisa CNT/MDA, divul-
gado na manhã da segunda-feira (17), 
aponta que pelo menos um terço da população sente que a campanha tem sido conduzida em clima de hostilidade e ódio, sem discutir problemas nacionais.
Foram apresentadas quatro opções aos entrevistados. Mais da metade (56,8%) afirmou ter a percepção de que a campanha acontece em clima de hostilidade e ódio. Dessa parcela, 33% acreditam que, além do clima hostil, não há discussão de soluções para os problemas do país. Outros 23,8% acham que há debate de soluções, mas o clima é de hostilidade e ódio.
Foram 27% os que responderam que a campanha ocorre da mesma forma que em eleições passadas e apenas 8,5% acham que a campanha ocorre de forma serena e focada em debates democráticos. Não sabem ou não responderam somam 7,6%.
A perspectiva dos entrevistados também é de que as disputas políticas continuarão como estão em 2019. Essa é a opinião de 39,1% dos entrevistados. Para 25,1%, as disputas serão ampliadas e o país ficará ainda mais dividido depois das eleições. Outros 20,2% acreditam que o Brasil verá a redução das disputas políticas e sairá mais unificado das urnas. Já 15,6% não souberam ou preferiram não responder.
A pesquisa foi realizada entre os dias 12 e 15 de setembro, com 2002 pessoas em 137 municípios das cinco regiões do país. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como BR-04362/2018. O nível de confiança é de 95%.
Em Sergipe, o quadro não é diferente. Existe um clima de hostilidade maior entre os candidatos majoritários das coligações de Belivaldo Chagas (PSD) e Valadares Filho (PSB). Talvez porque já foram aliados e hoje estão em lados opostos.
Existem alfinetadas e trocas de farpas pelas redes sociais, assim como nas inserções e programas eleitorais no rádio e na televisão das duas coligações. Está havendo disputas na justiça eleitoral para retiradas das veiculações e estipulação de pagamento de multas.   
Dificilmente quem não estiver no segundo turno apoiará o outro pelo grau acirrado de disputa política... (Com Congresso em Foco)

Relatório da pesquisa CNT/MDA, divul- gado na manhã da segunda-feira (17),  aponta que pelo menos um terço da população sente que a campanha tem sido conduzida em clima de hostilidade e ódio, sem discutir problemas nacionais.
Foram apresentadas quatro opções aos entrevistados. Mais da metade (56,8%) afirmou ter a percepção de que a campanha acontece em clima de hostilidade e ódio. Dessa parcela, 33% acreditam que, além do clima hostil, não há discussão de soluções para os problemas do país. Outros 23,8% acham que há debate de soluções, mas o clima é de hostilidade e ódio.
Foram 27% os que responderam que a campanha ocorre da mesma forma que em eleições passadas e apenas 8,5% acham que a campanha ocorre de forma serena e focada em debates democráticos. Não sabem ou não responderam somam 7,6%.
A perspectiva dos entrevistados também é de que as disputas políticas continuarão como estão em 2019. Essa é a opinião de 39,1% dos entrevistados. Para 25,1%, as disputas serão ampliadas e o país ficará ainda mais dividido depois das eleições. Outros 20,2% acreditam que o Brasil verá a redução das disputas políticas e sairá mais unificado das urnas. Já 15,6% não souberam ou preferiram não responder.
A pesquisa foi realizada entre os dias 12 e 15 de setembro, com 2002 pessoas em 137 municípios das cinco regiões do país. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como BR-04362/2018. O nível de confiança é de 95%.
Em Sergipe, o quadro não é diferente. Existe um clima de hostilidade maior entre os candidatos majoritários das coligações de Belivaldo Chagas (PSD) e Valadares Filho (PSB). Talvez porque já foram aliados e hoje estão em lados opostos.
Existem alfinetadas e trocas de farpas pelas redes sociais, assim como nas inserções e programas eleitorais no rádio e na televisão das duas coligações. Está havendo disputas na justiça eleitoral para retiradas das veiculações e estipulação de pagamento de multas.   
Dificilmente quem não estiver no segundo turno apoiará o outro pelo grau acirrado de disputa política... (Com Congresso em Foco)

Queixa na PF

O candidato a governador Valadares Filho (PSB) prestou queixa ontem na Polícia Federal contra fake news.  Esteve pela manhã com a superintendente da Polícia Federal, Erika Marena, e com o procurador chefe do Ministério Público Federal, Rômulo Almeida, solicitando a devida apuração dos fatos.

Na defesa de VF

Ainda ontem o PSB saiu com nota dizendo que Valadares Filho é agente político federal, em pleno exercício do seu mandato; que os mencionados vídeos e conteúdos, além de fake news, acusam, de forma caluniosa, ao candidato Valadares Filho por crimes jamais cometidos no exercício das suas funções, bem como durante toda a sua vida pública; que o parlamentar é um homem público com mãos, ficha e vida limpa; que ataques à honra do parlamentar não serão tolerados e serão tratados com o máximo rigor; e que de agora em diante, todos os fatos serão tratado pela PF e pelo MPF.

Eduardo

Faltando apenas 18 dias para a campanha eleitoral o candidato a governador Eduardo Amorim (PSDB) foi o que mais arrecadou recursos para a campanha. Eduardo declarou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) ter recebido R$ 3 milhões do PSDB nacional.

Belivaldo

O candidato a governador Belivaldo Chagas (PSD) foi o segundo que mais arrecadou recursos. Declarou ao TRE ter recebido R$ 2.406.205,00, sendo R$ 2 milhões do Diretório Estadual do PSD e R$ 165 milhões do Diretório Nacional do PT. O restante foi de doação de pessoa física.

Valadares Filho

Valadares Filho (PSB) é o terceiro candidato a governador que mais arrecadou recursos. Recebeu R$ 1.507.326,50, sendo R$ 1.220.000,00 do Diretório Estadual do PSB e R$ 250 mil do Diretório Estadual do PDT, e o restante de doação de pessoa física.

Mendonça

A quarta maior arrecadação é do candidato a governador Mendonça Prado (DEM). Declarou ter recebido R$ 752.700,00, sendo R$ 560 mil do Diretório Nacional e o restante doação pessoa física.

O restante

Os outros cinco candidatos a governador declararam ao TRE terem recebido: Milton Andrade (PMN) - R$ 120.929,14; Dr. Emerson (Rede) - R$ 55.662,00; Márcio Souza (Psol) - R$ 35.867,69; Gilvani Santos (PSTU) - R$ 27 mil; e João Tarantella (PSL), que está com sua candidatura indeferida, a importância de R$ 6.150,00.

Doadores

Alguns desses candidatos fizeram doações para sua própria campanha: Milton Andrade (R$ 85 mil), Valadares Filho (R$ 22 mil), Mendonça Prado (R$ 15.900,00) e Dr. Emerson (R$ 7 mil).        

André

Para o Senado, o candidato que mais arrecadou recursos foi André Moura (PSC): R$ 2.500.790,00, sendo R$ 2,5 milhões do PSC nacional. O segundo que mais recebeu dinheiro para a campanha até o momento é o seu companheiro de chapa Heleno Silva (PRB): R$ 1.290.000,00 repassados pelo PRB nacional.

Jackson

O candidato Jackson Barreto (MDB) já é o terceiro que mais arrecadou recursos: R$ 932.000,00. O curioso é que ele não recebeu nenhuma importância em dinheiro do MDB nacional. Fizeram doação para JB: Diretório Estadual (R$ 395.000,00), Belivaldo Chagas (R$ 335.000,00), Luciano Barreto (R$ 100 mil) e o suplente Sérgio Gama (R$ 40 mil).

Henri Clay

Henri Clay (PPL) foi o quarto candidato a senador que mais arrecadou recursos: R$ 727.365,43. Ele recebeu apenas R$ 61 mil do diretório estadual do seu partido. O restante foi doação pessoa física: Valadares Filho fez a doação de R$ 109.850,00; o próprio Henri Clay doou R$ 350 mil para sua campanha, a mulher R$ 100 mil e Cezar Brito também R$ 100 mil.

Valadares e Rogério

Os candidatos a senador Valadares (PSB) e Rogério Carvalho (PT) declararam ao TRE terem recebido quase o mesmo valor. Valadares R$ 535.717,50, sendo R$ 520 mil doados pelo Diretório Estadual e R$ 13 mil pelo próprio candidato; e Rogério a importância de R$ 505.300,00, sendo R$ 500 mil do Diretório Nacional.

O restante

Os outros candidatos declararam terem recebido a seguinte importância: Reynaldo Nunes (PV) - R$ 410.294,08; Alessandro Vieira (Rede) - R$ 27.685,00; Sônia Meire (Psol) - R$ 17.436,14; Clarkson Messias (PSTU) - R$ 13.200,00; Jossimário Mick (PSOL) - R$ 6.419,13; e Cadu Silva (PSL) - R$ 4.450,00. Adelson Alves (Patriota) foi o único que não declarou recebimento de qualquer recurso junto ao TRE.  

Apoio a Belivaldo

Agricultores familiares dos perímetros irrigados Poção da Ribeira, Jacarecica I e Jacarecica II declararam apoio político ao governador Belivaldo Chagas (PSB). Foi durante ato político realizado anteontem à noite, no Povoado Serra Comprida, em Areia Branca.

Apoio a JB 1

O candidato ao Senado, Jackson Barreto (MDB), recebe mais um apoio à sua candidatura. Ontem, dirigentes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Sergipe (Fetase) declararam adesão ao projeto de JB e reiterou a atuação do candidato em defesa dos trabalhadores rurais e movimentos sindicais ligados à agricultura familiar. 

Apoio a JB 2

O PSD realiza hoje um grande ato em apoio à candidatura de Fábio Reis a deputado federal e Maisa Reis a deputada estadual, a partir das 19h, no Iate Clube de Aracaju. Na oportunidade, os vereadores do PSD vão declarar apoio a Jackson Barreto (MDB) para o Senado.

Em Itabaiana

Ontem, durante entrevista a rádio FM Itabaiana, Eduardo Amorim declarou: "Em nosso governo, não admitirei obra inacabada nem com inúmeros aditivos. Isso é um prejuízo e desrespeito a quem paga tantos impostos". Ressaltou que um dos compromissos é a recuperação das rodovias estaduais e cobrar do Governo Federal a conclusão da duplicação da BR-101 e que duplique a BR-235.

Na Alese

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Luciano Bispo (MDB), convocou para hoje os parlamentares para a votação de projetos na Casa. Entre os projetos a serem apreciados e votados estão o de autoria da Procuradoria-Geral de Justiça, que revê o vencimento básico dos cargos e funções do quadro de pessoal dos serviços auxiliares do Ministério Público do Estado; e projeto de autoria do Poder Executivo Estadual  que altera dispositivos na Lei nº 8.280/2017 autorizando a permuta de duas áreas de terra, localizadas no município de Canindé do São Francisco, em atendimento a pedido do Incra, para fins de assentamento de família de agricultores rurais sem-terra.

Veja essa ...

Do candidato a vice-presidente da República de Jair Bolsonaro (PSL), general Mourão (PSL), durante palestra para empresários: "Ambiente apenas com mãe e avó é fábrica de desajustados", "narcotráfico se instala em áreas sem pai nem avô". As perolas ditas por Bolsonaro e Mourão são bizarras.

Curtas

Na agenda desta quarta-feira de Belivaldo Chagas consta, pela manhã, agenda administrativa; e às 19h, plenária do PSD, no Iate Clube de Aracaju.

Eduardo Amorim tem em sua agenda hoje, às 7h30, entrevista na Rádio Jornal; 9h50, participação no Fórum "O Futuro do Turismo em Sergipe" - Trade Turístico, no Hotel Radisson; às 12h, entrevista na Barra FM; às 15h30, caminhada no São Conrado e mini carreata no Orlando Dantas; e às 20h, reunião no Povoado Areia Branca.

Consta na agenda de Mendonça Prado desta quarta-feira, às 11h, entrevista F5 NEWS; e às 18h, mini carreata pelas ruas de São Cristóvão.

O candidato a deputado federal Manoel Sukita (PTC) foi transferido ontem do Compajaf, na Terra Dura, para o Presídio Senador Leite Neto, em Nossa Senhora da Glória. Ele ficará em cela sozinho por cerca de uma semana, para adaptação, e depois deve ir para um ala comum junto com os outros presos.

Sukita foi condenado a 13 anos e nove meses de prisão por corrupção eleitoral, desvio de verbas públicas quando prefeito de Capela e autorização de despesas não previstas em lei.