Literatura de Cordel é patrimônio cultural do Brasil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A LITERATURA DE CORDEL VIROU PATRIMÔNIO IMATERIAL DO BRASIL
A LITERATURA DE CORDEL VIROU PATRIMÔNIO IMATERIAL DO BRASIL

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/09/2018 às 06:41:00

 

O Brasil ganhou, última quarta-feira, um novo patrimônio cultural. Em reunião no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, o Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural aprovou por unanimidade o registro da literatura de cordel como patrimônio imaterial. 
"Sou suspeito para falar do cordel. Minha bisavó, nascida no Crato (CE), me fez na infância e adolescência um leitor voraz de cordel. Contribuiu muito para a minha formação, para as minhas referências, para ser quem eu sou", destacou o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão. "Tenho respeito e admiração pelo trabalho heroico feito pela Academia Brasileira de Literatura de Cordel para manter o gênero vivo, para que ele fosse reconhecido como importante gênero literário, de grande relevância e significado. Considero absolutamente adequado e justo o reconhecimento da literatura de cordel como patrimônio cultural brasileiro e espero que mais brasileiros tenham acesso a ela", acrescentou.
"O cordel é uma manifestação cultural que se tornou filha genuína da inteligência artística brasileira", afirmou o presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), Gonçalo Ferreira. "O registro é a consequência natural desta importância que o gênero tem para o nosso país", observou.
O fundador da Associação dos Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará (Aestrofe), Klévisson Viana, comemorou o registro da literatura de cordel como patrimônio imaterial brasileiro. "Esse reconhecimento é de extrema importância. O Brasil tem uma das literaturas populares mais ricas do planeta, tanto em quantidade como em qualidade", destaca.

O Brasil ganhou, última quarta-feira, um novo patrimônio cultural. Em reunião no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, o Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural aprovou por unanimidade o registro da literatura de cordel como patrimônio imaterial. 
"Sou suspeito para falar do cordel. Minha bisavó, nascida no Crato (CE), me fez na infância e adolescência um leitor voraz de cordel. Contribuiu muito para a minha formação, para as minhas referências, para ser quem eu sou", destacou o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão. "Tenho respeito e admiração pelo trabalho heroico feito pela Academia Brasileira de Literatura de Cordel para manter o gênero vivo, para que ele fosse reconhecido como importante gênero literário, de grande relevância e significado. Considero absolutamente adequado e justo o reconhecimento da literatura de cordel como patrimônio cultural brasileiro e espero que mais brasileiros tenham acesso a ela", acrescentou.
"O cordel é uma manifestação cultural que se tornou filha genuína da inteligência artística brasileira", afirmou o presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), Gonçalo Ferreira. "O registro é a consequência natural desta importância que o gênero tem para o nosso país", observou.
O fundador da Associação dos Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará (Aestrofe), Klévisson Viana, comemorou o registro da literatura de cordel como patrimônio imaterial brasileiro. "Esse reconhecimento é de extrema importância. O Brasil tem uma das literaturas populares mais ricas do planeta, tanto em quantidade como em qualidade", destaca.