Adolescente grávida e o namorado são mortos a tiros no Tijuquinha

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O casal foi assassinado no Tijuquinha, em São Cristóvão
O casal foi assassinado no Tijuquinha, em São Cristóvão

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/09/2018 às 06:57:00

 

Um crime bárbaro ocorrido por volta das 21h desta terça-feira chocou os moradores do loteamento Tijuquinha, em São Cristóvão (Grande Aracaju). A adolescente Luiza Beatriz Ramos de Carvalho, 13 anos, que estava grávida de sete meses, foi assassinada a tiros junto com o namorado, Alisson Fernando Rodrigues dos Santos, 26, no momento em que o casal chegava à sua residência, voltando de uma caminhada. Segundo a polícia, os dois foram atacados por criminosos que passaram por eles a bordo de um táxi e dispararam vários tiros na porta da casa. 
Alisson morreu na hora e Beatriz faleceu durante o atendimento prestado por equipes do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu). Para tentar salvar o bebê, a equipe de socorristas teve que fazer um parto de emergência, retirando-o do ventre da mãe ainda com vida. Imagens que circularam nas redes sociais mostraram a luta dos paramédicos para tentar reanimar o menino durante quase 20 minutos, ainda dentro da ambulância, mas apesar do esforço, ele não resistiu. Em consequência disso, a Polícia Civil considera que o crime foi um triplo homicídio. 
Equipes das polícias Civil e Militar estiveram no local, junto com equipes dos institutos Médico-Legal (IML) e de Criminalística, e levantaram as primeiras informações. A estimativa dos peritos é de que cerca de 10 tiros teriam disso dados pelos assassinos contra as vítimas, que foram atingidas principalmente na altura do peito e da cabeça. A mãe de Alisson contou, em entrevista à TV Atalaia, que ele e a namorada estavam indo para a casa da mãe dela, no conjunto Eduardo Gomes, e que soube do crime enquanto assistia a um culto evangélico. Ela relatou que o táxi com os matadores passou pela rua da casa deles em alta velocidade e fugiu após as execuções. 
Ainda de acordo com a mãe, Alisson tinha sido contratado recentemente como agente de limpeza da empresa Torre e iria começar no emprego ainda na manhã de ontem. Os corpos das três vítimas foram velados durante o dia na igreja evangélica do bairro, antes de serem enterrados no Cemitério São João Batista, ao final da tarde. O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), que deve ouvir os depoimentos dos familiares das vítimas. 

Um crime bárbaro ocorrido por volta das 21h desta terça-feira chocou os moradores do loteamento Tijuquinha, em São Cristóvão (Grande Aracaju). A adolescente Luiza Beatriz Ramos de Carvalho, 13 anos, que estava grávida de sete meses, foi assassinada a tiros junto com o namorado, Alisson Fernando Rodrigues dos Santos, 26, no momento em que o casal chegava à sua residência, voltando de uma caminhada. Segundo a polícia, os dois foram atacados por criminosos que passaram por eles a bordo de um táxi e dispararam vários tiros na porta da casa. 
Alisson morreu na hora e Beatriz faleceu durante o atendimento prestado por equipes do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu). Para tentar salvar o bebê, a equipe de socorristas teve que fazer um parto de emergência, retirando-o do ventre da mãe ainda com vida. Imagens que circularam nas redes sociais mostraram a luta dos paramédicos para tentar reanimar o menino durante quase 20 minutos, ainda dentro da ambulância, mas apesar do esforço, ele não resistiu. Em consequência disso, a Polícia Civil considera que o crime foi um triplo homicídio. 
Equipes das polícias Civil e Militar estiveram no local, junto com equipes dos institutos Médico-Legal (IML) e de Criminalística, e levantaram as primeiras informações. A estimativa dos peritos é de que cerca de 10 tiros teriam disso dados pelos assassinos contra as vítimas, que foram atingidas principalmente na altura do peito e da cabeça. A mãe de Alisson contou, em entrevista à TV Atalaia, que ele e a namorada estavam indo para a casa da mãe dela, no conjunto Eduardo Gomes, e que soube do crime enquanto assistia a um culto evangélico. Ela relatou que o táxi com os matadores passou pela rua da casa deles em alta velocidade e fugiu após as execuções. 
Ainda de acordo com a mãe, Alisson tinha sido contratado recentemente como agente de limpeza da empresa Torre e iria começar no emprego ainda na manhã de ontem. Os corpos das três vítimas foram velados durante o dia na igreja evangélica do bairro, antes de serem enterrados no Cemitério São João Batista, ao final da tarde. O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), que deve ouvir os depoimentos dos familiares das vítimas.