Revisão do PDDU debate diretrizes para as faixas de praias da cidade

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/09/2018 às 07:05:00

 

O compromisso em modernizar a infraestrutura da cidade e torná-la mais atraente para novos investimentos que resultem em fortalecimento da economia com inclusão social e para todos os aracajuanos é algo presente em todas as ações administrativas e planejamentos da Prefeitura de Aracaju. E nesta etapa preliminar de estudos e análises da revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Aracaju (PDDU) as equipes interdisciplinares e multitécnicas não têm deixado passar nenhum ponto importante para a conjuntura urbanística, social e econômica da capital.
Na reunião desta semana, o assunto principal girou em torno das diretrizes das faixas de praias, a atual legislação que ampara legalmente esta área da cidade e determina as condições de utilização e de espaços por parte do poder público ou da iniciativa privada.
A Orla Marítima compreende a faixa que vai desde o Farol da Atalaia, até a Foz do rio Vaza-Barris, entre a praia, a avenida Santos Dumont e a Rodovia José Sarney. Toda extensão é conhecida por se tratar de uma Área de Interesse Urbanístico e tem legislação própria e está dentro de outra área conhecida como Área de Interesse Social.
De acordo Sérgio Ferrari, presidente da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) assim como outros temas levantados nesta revisão, este é de suma importância pois se trata de uma área pujante economicamente e um cartão-postal da nossa capital. "Sobre as faixas de praias e´importante estudar o recuo mínimo de construção, a distância mínima entre estabelecimentos, altura máxima de empreendimentos, proteção ambiental e paisagística, promoção dos índices de balneabilidade das praias e da manutenção da topografia natural, elevação dos índices de cobertura vegetal arbórea e estímulo às atividades turísticas são itens imprescindíveis que devem está atualizados e constar no novo Plano Diretor", avalia Ferrari.

O compromisso em modernizar a infraestrutura da cidade e torná-la mais atraente para novos investimentos que resultem em fortalecimento da economia com inclusão social e para todos os aracajuanos é algo presente em todas as ações administrativas e planejamentos da Prefeitura de Aracaju. E nesta etapa preliminar de estudos e análises da revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Aracaju (PDDU) as equipes interdisciplinares e multitécnicas não têm deixado passar nenhum ponto importante para a conjuntura urbanística, social e econômica da capital.
Na reunião desta semana, o assunto principal girou em torno das diretrizes das faixas de praias, a atual legislação que ampara legalmente esta área da cidade e determina as condições de utilização e de espaços por parte do poder público ou da iniciativa privada.
A Orla Marítima compreende a faixa que vai desde o Farol da Atalaia, até a Foz do rio Vaza-Barris, entre a praia, a avenida Santos Dumont e a Rodovia José Sarney. Toda extensão é conhecida por se tratar de uma Área de Interesse Urbanístico e tem legislação própria e está dentro de outra área conhecida como Área de Interesse Social.
De acordo Sérgio Ferrari, presidente da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) assim como outros temas levantados nesta revisão, este é de suma importância pois se trata de uma área pujante economicamente e um cartão-postal da nossa capital. "Sobre as faixas de praias e´importante estudar o recuo mínimo de construção, a distância mínima entre estabelecimentos, altura máxima de empreendimentos, proteção ambiental e paisagística, promoção dos índices de balneabilidade das praias e da manutenção da topografia natural, elevação dos índices de cobertura vegetal arbórea e estímulo às atividades turísticas são itens imprescindíveis que devem está atualizados e constar no novo Plano Diretor", avalia Ferrari.