Quem perder fica de fora

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/09/2018 às 07:16:00

 

Estamos a 17 dias das eleições e o que se 
ver nessa reta final de campanha é um 
quadro de indefinição tanto para o governo do Estado quanto para o Senado.
As pesquisas mostram o candidato a governador Belivaldo Chagas (PSD) crescendo e já empatado tecnicamente com Valadares Filho (PSB), com Eduardo Amorim (PSDB) mais atrás. O detalhe é que Belivaldo é o único que está crescendo, enquanto Valadares Filho estagnou, e Eduardo vem caindo.
A pesquisa Dataplan divulgada ontem mostra a novidade de Belivaldo já na frente com 18,2% das intenções de voto, mas com Valadares Filho colado com 17% e Eduardo um pouco mais distante, com 13,1% das intenções de voto.
O instituto ouviu duas mil pessoas no período de 14 a 17 de setembro. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número SE-01259/2018. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.
Pelas últimas pesquisas de outros institutos, para o Senado, Antônio Carlos Valadares (PSB) se mantém a frente, mas com uma diferença já menor. O segundo lugar permanece embolado, mediante empate técnico entre Jackson Barreto (MDB) e André Moura (PSC).
Para os candidatos majoritários, o que está em jogo nestas eleições é o fato dos que não ganharem ficar sem mandato eletivo.
Valadares Filho, que praticamente teria uma reeleição tranquila, está finalizando seu terceiro mandato de deputado federal. Nas duas eleições que disputou a Prefeitura de Aracaju estava no meio do mandato parlamentar. Mesmo perdendo para Edvaldo Nogueira (PCdoB), seguiu como deputado. Já nas eleições deste ano, se perder, ficará sem mandato.
O mesmo acontece com Eduardo Amorim, que já teve um mandato de deputado federal e está finalizando oito anos de mandato como senador. Em 2014, Eduardo disputou o governo com Jackson Barreto (MDB) e perdeu no primeiro turno. Como estava na metade do mandato de senador, seguiu como parlamentar.  Agora, nas eleições 2018, se não ganhar o governo deixará Brasília e voltará para casa.
Belivaldo Chagas foi deputado estadual por quatro mandatos, foi vice de Marcelo Déda e de Jackson Barreto, estando agora governador. Se perder as eleições, também ficará sem mandato.
Para o Senado o cenário também não é diferente. Os três candidatos que lideram a disputa também ficarão sem mandato se perderem as eleições. Valadares (PSB) está finalizando seu mandato de oito anos como senador, chegando há 24 anos somente como ocupante de uma das 81 cadeiras do Senado.  Se não ganhar, vai pendurar mesmo as chuteiras pela idade.
Jackson Barreto vem de um mandato de governador por seis anos, sendo dois como governador após a morte de Marcelo Déda e os quatro anos de governador eleito. Perdendo as eleições, JB, como Valadares, também terá de pendurar as chuteiras.
André Moura, que tem dois mandatos de deputado federal e teria uma reeleição praticamente garantida, ficará sem mandato se não ganhar as eleições para o Senado. 
Trocando em miúdos, as eleições majoritárias 2018 vão deixar sem mandato vários caciques da política sergipana. Agora é aguardar a abertura das urnas para sabermos quais são...

Estamos a 17 dias das eleições e o que se  ver nessa reta final de campanha é um  quadro de indefinição tanto para o governo do Estado quanto para o Senado.
As pesquisas mostram o candidato a governador Belivaldo Chagas (PSD) crescendo e já empatado tecnicamente com Valadares Filho (PSB), com Eduardo Amorim (PSDB) mais atrás. O detalhe é que Belivaldo é o único que está crescendo, enquanto Valadares Filho estagnou, e Eduardo vem caindo.
A pesquisa Dataplan divulgada ontem mostra a novidade de Belivaldo já na frente com 18,2% das intenções de voto, mas com Valadares Filho colado com 17% e Eduardo um pouco mais distante, com 13,1% das intenções de voto.
O instituto ouviu duas mil pessoas no período de 14 a 17 de setembro. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número SE-01259/2018. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.
Pelas últimas pesquisas de outros institutos, para o Senado, Antônio Carlos Valadares (PSB) se mantém a frente, mas com uma diferença já menor. O segundo lugar permanece embolado, mediante empate técnico entre Jackson Barreto (MDB) e André Moura (PSC).
Para os candidatos majoritários, o que está em jogo nestas eleições é o fato dos que não ganharem ficar sem mandato eletivo.
Valadares Filho, que praticamente teria uma reeleição tranquila, está finalizando seu terceiro mandato de deputado federal. Nas duas eleições que disputou a Prefeitura de Aracaju estava no meio do mandato parlamentar. Mesmo perdendo para Edvaldo Nogueira (PCdoB), seguiu como deputado. Já nas eleições deste ano, se perder, ficará sem mandato.
O mesmo acontece com Eduardo Amorim, que já teve um mandato de deputado federal e está finalizando oito anos de mandato como senador. Em 2014, Eduardo disputou o governo com Jackson Barreto (MDB) e perdeu no primeiro turno. Como estava na metade do mandato de senador, seguiu como parlamentar.  Agora, nas eleições 2018, se não ganhar o governo deixará Brasília e voltará para casa.
Belivaldo Chagas foi deputado estadual por quatro mandatos, foi vice de Marcelo Déda e de Jackson Barreto, estando agora governador. Se perder as eleições, também ficará sem mandato.
Para o Senado o cenário também não é diferente. Os três candidatos que lideram a disputa também ficarão sem mandato se perderem as eleições. Valadares (PSB) está finalizando seu mandato de oito anos como senador, chegando há 24 anos somente como ocupante de uma das 81 cadeiras do Senado.  Se não ganhar, vai pendurar mesmo as chuteiras pela idade.
Jackson Barreto vem de um mandato de governador por seis anos, sendo dois como governador após a morte de Marcelo Déda e os quatro anos de governador eleito. Perdendo as eleições, JB, como Valadares, também terá de pendurar as chuteiras.
André Moura, que tem dois mandatos de deputado federal e teria uma reeleição praticamente garantida, ficará sem mandato se não ganhar as eleições para o Senado. 
Trocando em miúdos, as eleições majoritárias 2018 vão deixar sem mandato vários caciques da política sergipana. Agora é aguardar a abertura das urnas para sabermos quais são...

Ibope 1 

Hoje tem divulgação de pesquisa do Ibope em Sergipe para governador e senador, a ser divulgada no jornal da noite da TV Sergipe. O Ibope registrou pesquisa no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no dia 14 de setembro, com as entrevistadas ocorrendo de 14 a 20 deste mês, com 812 eleitores.

Ibope 2

A pesquisa de hoje do Ibope será a segunda nas eleições deste ano feita pelo instituto em Sergipe. Haverá uma terceira neste primeiro turno, provavelmente na quinta ou sexta que antecede ao pleito de 7 de outubro.  

Arrecadação federal 1

A 17 dias das eleições, os seis deputados federais que disputam a reeleição declararam ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) terem recebido do fundo partidário e doação de pessoas física ou jurídica os seguintes valores: Fábio Reis (MDB) - R$ 1.503.000,00; Adelson Barreto (PR) - R$ 1.400.000,00; Laércio Oliveira (PP) - R$ 1.345.126,28; João Daniel (PT) - R$ 986.500,00; Fábio Mitidieri (PSD) - R$ 717.004,00; e Pastor Jony (PRB) - R$ 460.000,00.

Arrecadação federal 2

Os candidatos a deputado federal que mais receberam recursos são: Bosco Costa (PR) - R$ 1.400.000,00; Márcio Macedo (PT) - R$ 900.000,00; Gustinho Ribeiro (SD) - R$ 749.100,00; Emília Correia (Patriota) - R$ 318.500,00; Alexandre Figueiredo (MDB) - R$ 170.957,15; Elber Batalha (PSB) - R$ 120.907,50; R$ 105.062,50; pastor Antônio (PSC) - R$ 100.000,00; e professora Ângela (PT) - R$ 70.660,13.

Mesmo valor do fundo

Os petistas Márcio Macedo e João Daniel, que disputam uma vaga de deputado federal, receberam o mesmo valor do fundo partidário: R$ 900 mil. Ou seja, estão tendo a mesma prioridade do PT, uma vez que Márcio é vice-presidente nacional do partido e João Daniel está no exercício do mandato.

Nada a declarar

Uma curiosidade na prestação de contas dos candidatos é que Manoel Sukita (PTC), que é candidato a deputado federal, não declarou ao TRE nenhum recebimento de recursos financeiros, mas antes de ser preso estava fazendo campanha ostentação com uso de helicóptero para seu deslocamento aos municípios do interior.  

Multiplicação dos pães

Uma outra curiosidade é que tem um candidato a deputado federal que faz campanha milionária e só declarou ao TRE recebimento de recursos financeiros em torno de R$ 50 mil.  

Arrecadaram mais

Os deputados estaduais que vão para a reeleição que mais arrecadaram recursos financeiros, seja do fundo partidário ou doação de pessoas física, são: Adelson Barreto Filho (PR) - R$ 500.000,00, Luciano Bispo (MDB) - R$ 342.194,98, Garibalde Mendonça (MDB) - R$ 254.550,00; Maria Mendonça (PSDB) - R$ 252.810,00; Zezinho Guimarães (MDB) - R$ 241.500,00;  Jeferson Andrade (PSD) - R$ 207.057,13; Jairo de Glória (PRB) - R$ 175.000,00; Goretti Reis (PSD) - R$ 150.000,00; Venâncio Fonseca (PSC) - R$ 150.000,00; Robson Viana (PSD) - R$ 104.920,37; e Gilmar Carvalho (PSC) - R$ 103.500,00.

Arrecadaram menos

Receberam menos de R$ 100 mil até o momento, conforme declaração prestada ao TRE, os deputados estaduais: Moritos Matos (Rede) - R$ 23.485,00; Dr. Vanderbal (PSC) - R$ 30.000,00; Georgeo Passos (Rede) - R$ 40.995,00; Francisco Gualberto (PT) - 43.857,15; Luciano Pimentel (PSB) - R$ 58.318,40; e Capitão Samuel (PSC) - R$ 78.500,00.

Sem fundo partidário

Os quatro deputados estaduais do PSC que vão para a reeleição - Capitão Samuel, Gilmar Carvalho, Venâncio Fonseca e Dr. Vanderbal - ainda não receberam oficialmente nenhum recurso do fundo partidário. O dinheiro que arrecadaram foi de doação pessoal.

Queixa

Através do seu site, o deputado estadual Gilmar Carvalho demonstrou seu descontentamento com o fato. Foi publicada matéria questionando se em Sergipe o PSC quer derrotar os seus próprios candidatos a deputado estadual. É colocado que na Assembleia o PSC tem a maior bancada e, mesmo assim, não recebeu nada do fundo partidário quando outros parlamentares já receberam de R$ 300 mil a R$ 500 mil.

Mudança no PSL

Com o indeferimento da candidatura a governador de João Tarantella o PSL indicou Eduardo Cassine para ser o candidato do partido. Tarantella teve sua candidatura impugnada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por problemas na prestação de contas e por não ter atingido a cota de gênero.  

No TJ

Suspenso no Tribunal de Justiça de Sergipe o julgamento dos embargos de declaração dos deputados estaduais Augusto Bezerra (PHS) e Paulinho da Varzinhas (PSC). Os dois foram condenados à cassação do mandato, inelegibilidade por oito anos e prisão pela acusação do uso indevido de verbas de subvenção da Assembleia Legislativa em 2014. Na sessão, o desembargador Luiz Mendonça pediu vistas do processo.

No TRE 1

A Secretaria de Tecnologia da Informação do TRE-SE iniciou a geração das mídias eletrônicas que serão utilizadas nas eleições de 2018. O procedimento de geração acontece de 19 a 21 deste mês e conta com a participação de 12 servidores do Tribunal e auxiliares.

No TRE 2

Durante os três dias serão geradas 12 mil mídias eletrônicas para alimentar as 6.791 urnas eletrônicas utilizadas em Sergipe durante o pleito. Essa atividade visa a preparação de mídias magnéticas que armazenarão informações como: dados dos candidatos, lista dos eleitores, sessões eleitorais, locais de votação e demais tabelas. Após este procedimento as mídias são instaladas nas urnas eletrônicas.

Veja essa ...

Do ex-governador Jackson Barreto, candidato ao Senado, alfinetando os ex-aliados do PRB: "Quero saber dos candidatos Heleno Silva [senador] e Jony Marcos [deputado federal] os compromissos deles com o país, com as políticas implantadas no governo de Lula. Eu estive com Heleno e com Jony antes da votação do golpe. Pedi a Heleno, que tinha cargo no meu governo, que não fizesse de seu cargo um instrumento contra Dilma e contra Lula. Agora, Heleno vem dar uma de bonzinho, dizer que ajudou as políticas de Lula. O sergipano não esquece".

Curtas

Belivaldo Chagas tem na agenda de hoje, às 15h30, gravação de programa eleitoral; e às 18h carreata em Aracaju, passando pelos bairros Porto D´Antas, Coqueiral, Ponta da Asa e Pousada Verde.

Na agenda desta quinta-feira de Eduardo Amorim consta, às 7h30, gravação de programa eleitoral; às 9h, reunião com entidade de classe; 15h30, caminhada e mini carreata no Conjunto Augusto Franco. À noite o candidato tem reunião com lideranças políticas em Riachuelo e depois em Malhador.

Mendonça Prado tem na agenda de hoje, às 8h, mini carreata pelos bairros da Nova Liberdade; às 10h, entrevista no portal FAN F1; às 14h, caminhada e visita aos moradores do bairro do candidato; às 15h, mini carreata pelas ruas dos bairros Lamarão, Pousada Verde, Moema Meire, Jardim Santa Madalena, Soledade, Senhor do Bonfim, Pau Ferro e Santos Dumont.

Na agenda de Valadares Filho desta quinta tem panfletagem pela manhã em Aracaju e entrevista a uma emissora de rádio; à tarde entrevista em emissora de rádio e panfletagem na capital; e à noite mini carreata no Conjunto Augusto Franco.

O PSD, partido do governador Belivaldo Chagas, fez ontem à noite um grande ato político em apoio às candidaturas de Fábio Mitidieri, Maisa Mitidieri e Jackson Barreto.  Belivaldo marcou presença.