Colégio Francisco Rosa mantém tradição em projetos de robótica

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
COLÉGIO ESTADUAL FRANCISCO ROSA MANTÉM TRADIÇÃO NA ÁREA
COLÉGIO ESTADUAL FRANCISCO ROSA MANTÉM TRADIÇÃO NA ÁREA

Estudantes durante aula de robótica
Estudantes durante aula de robótica

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/09/2018 às 07:07:00

 

O projeto de robótica 
educacional do Colé
gio Estadual Professor Francisco Rosa, localizado no bairro Bugio, em Aracaju, vem construindo um histórico positivo quando se trata de inovação a serviço da cidadania. Além disso, coleciona prêmios, foi objeto de estudo de mestrado e outras conquistas que elevaram a autoestima de toda a comunidade escolar.
Satisfeito com o rumo que a robótica foi tomando do Francisco Rosa, o professor Flávio Gilberto Bento da Silva Araújo, responsável pela construção do laboratório, acredita que a iniciativa está cumprindo seu papel enquanto agente da educação.
 "O maior objetivo deste projeto é criar nos próprios alunos o sentimento de autonomia. Deixar claro que cada um deve ser mais que um receptor de ideias e passar a desenvolver seus próprios conceitos e protótipos em relação à ciência e à tecnologia", ressalta o professor, completando que o intuito também é formar cidadãos responsáveis e empenhados com a causa social. 
Ainda de acordo com o professor Gilberto Bento, o projeto de robótica tenta contextualizar o conteúdo de exatas de uma maneira divertida. "É muito mais útil propagar a diversão porque é mais fácil de aprender. Aplicamos atividades experimentais para ressignificar os conceitos das ciências exatas", detalha.
O projeto de Robótica já revelou grandes talentos e ao longo dos anos coleciona participação em eventos de renome nacional da área. 
Em 2014, um ano após a implantação do laboratório, o Colégio Francisco Rosa participa do primeiro evento, a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR).
No ano seguinte, em Uberlândia-MG, dois alunos do projeto representaram o Estado de Sergipe na Mostra Nacional de Robótica (MNR). Nessa ocasião, a equipe apresentou um protótipo que beneficia deficientes visuais e foi contemplada com uma bolsa de iniciação científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ).
Já em 2016, na MNR, a equipe apresentou um projeto de inovação com técnicas envolvendo a utilização de drones. Na oportunidade, o colégio foi contemplado com uma bolsa de iniciação científica. 
Este ano de 2018, o professor Gilberto foi convidado a participar de uma capacitação na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Neste evento, professores de todo o Brasil apresentaram projetos educacionais nas áreas de tecnologia e inovação, ocasião em que o Francisco Rosa teve destaque e foi muito elogiado. 
Dessa experiência, o Colégio Francisco Rosa foi contemplado, por meio de edital da Embaixada dos EUA, com o valor de R$ 13 mil para a compra de quatro impressoras 3D, kits de robótica e filamentos para impressora. 

O projeto de robótica  educacional do Colé gio Estadual Professor Francisco Rosa, localizado no bairro Bugio, em Aracaju, vem construindo um histórico positivo quando se trata de inovação a serviço da cidadania. Além disso, coleciona prêmios, foi objeto de estudo de mestrado e outras conquistas que elevaram a autoestima de toda a comunidade escolar.
Satisfeito com o rumo que a robótica foi tomando do Francisco Rosa, o professor Flávio Gilberto Bento da Silva Araújo, responsável pela construção do laboratório, acredita que a iniciativa está cumprindo seu papel enquanto agente da educação.
 "O maior objetivo deste projeto é criar nos próprios alunos o sentimento de autonomia. Deixar claro que cada um deve ser mais que um receptor de ideias e passar a desenvolver seus próprios conceitos e protótipos em relação à ciência e à tecnologia", ressalta o professor, completando que o intuito também é formar cidadãos responsáveis e empenhados com a causa social. 
Ainda de acordo com o professor Gilberto Bento, o projeto de robótica tenta contextualizar o conteúdo de exatas de uma maneira divertida. "É muito mais útil propagar a diversão porque é mais fácil de aprender. Aplicamos atividades experimentais para ressignificar os conceitos das ciências exatas", detalha.
O projeto de Robótica já revelou grandes talentos e ao longo dos anos coleciona participação em eventos de renome nacional da área. Em 2014, um ano após a implantação do laboratório, o Colégio Francisco Rosa participa do primeiro evento, a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR).
No ano seguinte, em Uberlândia-MG, dois alunos do projeto representaram o Estado de Sergipe na Mostra Nacional de Robótica (MNR). Nessa ocasião, a equipe apresentou um protótipo que beneficia deficientes visuais e foi contemplada com uma bolsa de iniciação científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ).
Já em 2016, na MNR, a equipe apresentou um projeto de inovação com técnicas envolvendo a utilização de drones. Na oportunidade, o colégio foi contemplado com uma bolsa de iniciação científica. 
Este ano de 2018, o professor Gilberto foi convidado a participar de uma capacitação na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Neste evento, professores de todo o Brasil apresentaram projetos educacionais nas áreas de tecnologia e inovação, ocasião em que o Francisco Rosa teve destaque e foi muito elogiado. 
Dessa experiência, o Colégio Francisco Rosa foi contemplado, por meio de edital da Embaixada dos EUA, com o valor de R$ 13 mil para a compra de quatro impressoras 3D, kits de robótica e filamentos para impressora.