Policiais civis de Frei Paulo prendem suspeito de estuprar criança

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/09/2018 às 07:26:00

 

Policiais civis de Frei Paulo (Agreste) prenderamm na tarde desta quinta-feira, um homem que estuprou um menino de 10 anos que mora no município. Segundo as informações da polícia, as investigações começaram a partir da desconfiança da professora da vítima. A professora percebeu a mudança de comportamento do aluno, inclusive a dificuldade dele de sentar e caminhar na escola. Ela então conversou com o aluno e comunicou o fato ao Conselho Tutelar que, de imediato, acionou a Delegacia de Frei Paulo.
"Após as investigações ficou realmente comprovado o crime de estupro de vulnerável ocorrido no mês passado na casa da vítima e na ausência dos pais, e tendo em vista que o investigado tinha fugido da cidade logo depois do crime e só voltava aos finais de semana, pedimos a prisão preventiva para assegurar a aplicação da lei penal e proteger a vítima", afirmou o delegado Leógenes Corrêa.
O delegado ainda elogiou a atitude da professora que agiu imediatamente: "Ela está de parabéns, pois se ficasse de braços cruzados o menino continuaria sendo vítima dele por muito mais tempo. O homem será encaminhado para o presídio, onde ficará à disposição da Justiça. A pena para este crime vai de 8 a 15 anos", finalizou Leógenes Corrêa.

Policiais civis de Frei Paulo (Agreste) prenderamm na tarde desta quinta-feira, um homem que estuprou um menino de 10 anos que mora no município. Segundo as informações da polícia, as investigações começaram a partir da desconfiança da professora da vítima. A professora percebeu a mudança de comportamento do aluno, inclusive a dificuldade dele de sentar e caminhar na escola. Ela então conversou com o aluno e comunicou o fato ao Conselho Tutelar que, de imediato, acionou a Delegacia de Frei Paulo.
"Após as investigações ficou realmente comprovado o crime de estupro de vulnerável ocorrido no mês passado na casa da vítima e na ausência dos pais, e tendo em vista que o investigado tinha fugido da cidade logo depois do crime e só voltava aos finais de semana, pedimos a prisão preventiva para assegurar a aplicação da lei penal e proteger a vítima", afirmou o delegado Leógenes Corrêa.
O delegado ainda elogiou a atitude da professora que agiu imediatamente: "Ela está de parabéns, pois se ficasse de braços cruzados o menino continuaria sendo vítima dele por muito mais tempo. O homem será encaminhado para o presídio, onde ficará à disposição da Justiça. A pena para este crime vai de 8 a 15 anos", finalizou Leógenes Corrêa.