Oscilação no sistema compromete atendimento no Case e SES cobra posicionamento do Ministério da Saúde

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/09/2018 às 07:34:00

 

O Sistema Hórus, do Ministério da Saúde (MS), mostra-se, mais uma vez, oscilante. Nesta sexta- feira  amanheceu inoperante. A consequência disso é o impedimento do serviço de atendimento aos usuários do Centro de Atenção à Saúde de Sergipe (Case), gerenciado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).  
O sistema que é utilizado pela unidade para dispensação dos medicamentos, tem oscilado frequentemente há vários meses, apresentando problema de lentidão e queda. Importante ressaltar que o estado de Sergipe não detém poder sobre o sistema Hórus que é controlado pelo Departamento de Informática do SUS (Datasus) do Ministério da Saúde.  
Com o sistema inoperante não há possibilidade de entrega dos medicamentos, pois o estado pode perder dispensações pela não visualização do cadastro do usuário e precisar pagar a contrapartida.  
A farmacêutica do Case e gestora do Hórus na unidade, Taís Andreza Costa Dantas, entrou em contato com os responsáveis pelo sistema em Brasília e aguarda uma resolutiva para a questão. "Trabalhamos no limite do sistema. Servidores passam do horário quase diariamente para poder atender todos os usuários.", informa a farmacêutica.
O Hórus é o Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica, no módulo Básico, que permite executar as ações de gestão dos medicamentos do Componente Básico, por meio da realização de movimentações como entrada, distribuição e dispensação. O sistema também permite acompanhar essas ações através da emissão de diferentes relatórios contendo informações gerenciais, que subsidiam o planejamento e desenvolvimento das ações de Assistência Farmacêutica na Atenção Básica, disponibilizando, desta forma, informações técnicas necessárias para a qualificação dos serviços e gestão do cuidado.

O Sistema Hórus, do Ministério da Saúde (MS), mostra-se, mais uma vez, oscilante. Nesta sexta- feira  amanheceu inoperante. A consequência disso é o impedimento do serviço de atendimento aos usuários do Centro de Atenção à Saúde de Sergipe (Case), gerenciado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).  
O sistema que é utilizado pela unidade para dispensação dos medicamentos, tem oscilado frequentemente há vários meses, apresentando problema de lentidão e queda. Importante ressaltar que o estado de Sergipe não detém poder sobre o sistema Hórus que é controlado pelo Departamento de Informática do SUS (Datasus) do Ministério da Saúde.  Com o sistema inoperante não há possibilidade de entrega dos medicamentos, pois o estado pode perder dispensações pela não visualização do cadastro do usuário e precisar pagar a contrapartida.  
A farmacêutica do Case e gestora do Hórus na unidade, Taís Andreza Costa Dantas, entrou em contato com os responsáveis pelo sistema em Brasília e aguarda uma resolutiva para a questão. "Trabalhamos no limite do sistema. Servidores passam do horário quase diariamente para poder atender todos os usuários.", informa a farmacêutica.
O Hórus é o Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica, no módulo Básico, que permite executar as ações de gestão dos medicamentos do Componente Básico, por meio da realização de movimentações como entrada, distribuição e dispensação. O sistema também permite acompanhar essas ações através da emissão de diferentes relatórios contendo informações gerenciais, que subsidiam o planejamento e desenvolvimento das ações de Assistência Farmacêutica na Atenção Básica, disponibilizando, desta forma, informações técnicas necessárias para a qualificação dos serviços e gestão do cuidado.