Tite quer amistosos com equipes modestas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Tite pede que o torcedor esqueça amistoso contra grandes adversários este ano
Tite pede que o torcedor esqueça amistoso contra grandes adversários este ano

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/09/2018 às 20:05:00

 

Criticada por realizar 
amistosos diante de 
equipes do segundo - ou mesmo terceiro - escalão do futebol mundial, a comissão técnica da seleção defendeu os dois primeiros confrontos realizados pelo time nacional após a Copa do Mundo, diante de El Salvador e Estados Unidos, e o próximo, frente a Arábia Saudita. De antemão, já antecipou que, à exceção da Argentina, adversários mais fortes só deverão medir forças com o Brasil no próximo ano.
Questionado sobre a pouca resistência oferecida nos dois primeiros jogos, Tite pediu que se contextualizasse a importância dos últimos rivais da seleção. "Eu não quero ser cordeirinho, e tampouco ostentoso, para dizer que a minha verdade é a definitiva. Por que eu falo isso? Porque os Estados Unidos, o mesmo que é fraco, é o mesmo que ganhou do México e é o mesmo que empatou com a França, antes de iniciar a campanha da França campeã", defendeu o técnico.
Mesmo assim, Tite considerou que a análise de jogadores não é feita apenas durante os jogos, e sim ao longo dos dez dias em que o grupo fica reunido.
Em novembro, o Brasil terá seus dois últimos jogos na temporada. Os adversários ainda não foram anunciados, mas dificilmente será alguma seleção da Europa. Isso porque, segundo o coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, as negociações para os amistosos do segundo semestre foram feitas antes mesmo da Copa do Mundo deste ano.

Criticada por realizar  amistosos diante de  equipes do segundo - ou mesmo terceiro - escalão do futebol mundial, a comissão técnica da seleção defendeu os dois primeiros confrontos realizados pelo time nacional após a Copa do Mundo, diante de El Salvador e Estados Unidos, e o próximo, frente a Arábia Saudita. De antemão, já antecipou que, à exceção da Argentina, adversários mais fortes só deverão medir forças com o Brasil no próximo ano.
Questionado sobre a pouca resistência oferecida nos dois primeiros jogos, Tite pediu que se contextualizasse a importância dos últimos rivais da seleção. "Eu não quero ser cordeirinho, e tampouco ostentoso, para dizer que a minha verdade é a definitiva. Por que eu falo isso? Porque os Estados Unidos, o mesmo que é fraco, é o mesmo que ganhou do México e é o mesmo que empatou com a França, antes de iniciar a campanha da França campeã", defendeu o técnico.
Mesmo assim, Tite considerou que a análise de jogadores não é feita apenas durante os jogos, e sim ao longo dos dez dias em que o grupo fica reunido.
Em novembro, o Brasil terá seus dois últimos jogos na temporada. Os adversários ainda não foram anunciados, mas dificilmente será alguma seleção da Europa. Isso porque, segundo o coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, as negociações para os amistosos do segundo semestre foram feitas antes mesmo da Copa do Mundo deste ano.