A Propriedade Intelectual ajudando a vida dos Juízes

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/09/2018 às 20:47:00

 

O ICN fornece às autoridades de concorrência um local especializado e informal para manter contatos regulares e abordar preocupações práticas de concorrência. Isso permite um diálogo dinâmico que serve para construir consenso e convergência em direção a princípios de política de concorrência sólida em toda a comunidade antitruste global.  O ICN é o único órgão internacional dedicado exclusivamente à aplicação da lei de concorrência e seus membros representam autoridades de concorrência nacionais e multinacionais. Os membros produzem estudos através do seu envolvimento em grupos de trabalho flexíveis orientados para projetos e baseados em resultados. Os membros do grupo de trabalho trabalham juntos em grande parte por Internet, telefone, tele seminários e webinars. Conferências e workshops anuais oferecem oportunidades para discutir projetos de grupos de trabalho e suas implicações para a aplicação. O ICN não exerce nenhuma função de criação de regras. Quando o ICN chega a um consenso sobre as recomendações, ou melhores práticas, decorrentes dos projetos, as autoridades de concorrência individuais decidem se e como implementar as recomendações, através de acordos unilaterais, bilaterais ou multilaterais, conforme apropriado.
Vale destacar que este organismo internacional foi lançado em 25 de outubro de 2001, através de altos funcionários antitruste de 14 jurisdições - Austrália, Canadá, União Européia, França, Alemanha, Israel, Itália, Japão, Coréia, México, África do Sul, Reino Unido, Estados Unidos e Zâmbia. A ideia inicial era criar um organismo mundial para tratar de problemas globais antitruste no contexto da globalização econômica e com enfoque em questões como revisão de fusões multi-jurisdicionais, a interface entre comércio e concorrência, e a direção futura da cooperação entre agências antitruste.

Saumíneo Nascimento

Um estudo recente divulgado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (WIPO) indica que os ativos de propriedade intelectual de ponta, inovações e tecnologias de rápida evolução estão transformando vidas e reordenando os mercados globais a uma velocidade vertiginosa. Os processos deliberativos que criam as regras e normas para governar essas mudanças, no entanto, estão avançando em um ritmo mais lento.

Isso significa que as questões relacionadas à Propriedade Intelectual são cada vez mais resolvidas em tribunais em todo o mundo, com juízes julgando conflitos e estabelecendo precedentes importantes que podem afetar os participantes do mercado longínquos. Assim, reconhecendo o caráter cada vez mais transnacional da resolução de disputas de Propriedade Intelectual  e a demanda entre os juízes nacionais pelo diálogo com seus pares em diferentes jurisdições, a WIPO iniciou um novo foco na administração judicial de Propriedade Intelectual para ajudar os juízes de todo o mundo a compartilhar experiências sobre os desafios comuns que enfrentam e discutir novos assuntos e conceitos à medida que eles surgem. O Presidente da WIPO, Francis Gurry entende que a inovação está ocorrendo em uma velocidade acelerada, que está produzindo uma série de desafios para estruturas institucionais e de governança em todo o mundo e entre eles está o desafio enfrentado pelo Judiciário de lidar com casos de Propriedade Intelectual que lançam novas questões como consequência de mudanças tecnológicas que pode não ter sido considerado ou tratado pelas legislações.

Políticas de Propriedade Intelectual e Concorrência

Conforme disposição da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (WIPO), a Propriedade Intelectual (PI) oferece aos consumidores a possibilidade de escolher entre empreendedores concorrentes e entre os produtos e serviços que vendem. A IP é, por si só, favorável à concorrência, uma vez que garante a proteção de ativos comerciais intangíveis. Sem Propriedade Intelectual, fabricantes e prestadores de serviços poderão tentar uma menor eficiência e isto irá prejudicar os clientes, sendo uma das formas a copia de produtos ou serviços concorrentes mais eficientes, assim, este último não teria qualquer incentivo para melhorar ou oferecer novos produtos e serviços e a sociedade perderia em oferta de produtos e serviços com maior qualidade. No entanto, segundo a WIPO apenas a Propriedade Intelectual desempenha este papel crucial de garantia da concorrência quando ele protege algumas diferenças autênticas.

Os problemas decorrentes da relação entre propriedade intelectual e políticas de concorrência podem ser divididos em três categorias:

Propriedade Intelectual elevada: A propriedade intelectual é contrária à concorrência se sua proteção for indevidamente estendida para conceder exclusividade a características não diferenciadoras (como, por exemplo, no caso de patentes para características técnicas que não podem ser consideradas como invenções ou marcas relacionadas a palavras não distintivas e pertencentes à língua comum).

Propriedade Intelectual pequena: A imitação ocorre quando não há mecanismos de conformidade eficazes ou quando as características genuinamente diferenciadas não podem ser protegidas.

Propriedade Intelectual na medida justa: É por si só, favorável à concorrência, embora por vezes possa afetar o direito dos consumidores à liberdade de escolha. É o caso quando os direitos de propriedade intelectual são abusivamente utilizados ou quando são utilizados de uma forma que contraria os objetivos da legislação. Mesmo uma propriedade intelectual justa pode, às vezes, tornar difícil, impossível ou inconveniente para os concorrentes buscar outras maneiras de atrair consumidores, como é o caso, por exemplo, quando as tecnologias patenteadas se tornam padrões industriais, ou quando a obtenção de dados de um teste acarreta um risco para a saúde e o bem-estar de pessoas e animais. 

International Competition Network - ICN

O ICN fornece às autoridades de concorrência um local especializado e informal para manter contatos regulares e abordar preocupações práticas de concorrência. Isso permite um diálogo dinâmico que serve para construir consenso e convergência em direção a princípios de política de concorrência sólida em toda a comunidade antitruste global.  O ICN é o único órgão internacional dedicado exclusivamente à aplicação da lei de concorrência e seus membros representam autoridades de concorrência nacionais e multinacionais. Os membros produzem estudos através do seu envolvimento em grupos de trabalho flexíveis orientados para projetos e baseados em resultados. Os membros do grupo de trabalho trabalham juntos em grande parte por Internet, telefone, tele seminários e webinars. Conferências e workshops anuais oferecem oportunidades para discutir projetos de grupos de trabalho e suas implicações para a aplicação. O ICN não exerce nenhuma função de criação de regras. Quando o ICN chega a um consenso sobre as recomendações, ou melhores práticas, decorrentes dos projetos, as autoridades de concorrência individuais decidem se e como implementar as recomendações, através de acordos unilaterais, bilaterais ou multilaterais, conforme apropriado.
Vale destacar que este organismo internacional foi lançado em 25 de outubro de 2001, através de altos funcionários antitruste de 14 jurisdições - Austrália, Canadá, União Européia, França, Alemanha, Israel, Itália, Japão, Coréia, México, África do Sul, Reino Unido, Estados Unidos e Zâmbia. A ideia inicial era criar um organismo mundial para tratar de problemas globais antitruste no contexto da globalização econômica e com enfoque em questões como revisão de fusões multi-jurisdicionais, a interface entre comércio e concorrência, e a direção futura da cooperação entre agências antitruste.