Vera entra com representação contra filho de Bolsonaro por crime de apologia à tortura

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Vera Lúcia tem base política no Estado de Sergipe
Vera Lúcia tem base política no Estado de Sergipe

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 28/09/2018 às 07:29:00

 

Vera Lúcia, candidata 
à presidência da Re-
pública pelo PSTU, entrou ontem com representação na Justiça do Estado do Rio de Janeiro contra o vereador Carlos Bolsonaro (PSC/RJ) por crime de apologia à tortura. A representação também é assinada por Hertz Dias, vice na chapa com Vera Lúcia.
Anteontem, o vereador publicou no perfil do Instagram a imagem de um homem com um saco plástico na cabeça, ensaguentado e com a boca aberta, ironizando a simulação de tortura a uma pessoa contrária ao candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), do qual é filho. Na imagem o torturado está com os braços amarrados e no peito está escrita a hashtag #elenão, usada por críticos a Bolsonaro. A imagem traz ainda a frase "sobre pais que choram no chuveiro", que circula nas redes sociais como uma crítica às LGBTs, cujos pais supostamente teriam "vergonha" da orientação sexual dos filhos.
A referida publicação teve ampla repercussão nas redes sociais e na imprensa. Diante da repercussão negativa da postagem, inclusive junto a seus correligionários, Carlos Bolsonaro se apressou em justificar, porém não teve melhor sorte ao dizer que foi apenas uma "replicação" uma vez que, ao contrário do que disse, o vereador editou a imagem original e adicionou a frase de cunho LGBTfóbico, não se tratando dessa forma de um mero compartilhamento.
 "A imagem se trata de uma evidente ameaça e apologia à tortura e à ditadura e deve ser prontamente repudiada. O clã comandado por Bolsonaro e seus acólitos como o comandante Mourão tem um projeto de ditadura para o país. E isso para defender os interesses dos ricos, dos banqueiros, empresários e latifundiários. Jair Bolsonaro votou a favor da reforma trabalhista no Congresso. Foi o único a votar contra as empregadas domésticas. E agora, junto ao banqueiro Paulo Guedes, defende reforma da Previdência e privatização generalizada. É hora de sairmos às ruas para derrotar na luta esse projeto autoritário contra os pobres e oprimidos. No dia 29 vamos lotar as ruas para dizer #EleNão", afirma Vera Lúcia, candidata do PSTU à presidência da República.

Vera Lúcia, candidata  à presidência da Re- pública pelo PSTU, entrou ontem com representação na Justiça do Estado do Rio de Janeiro contra o vereador Carlos Bolsonaro (PSC/RJ) por crime de apologia à tortura. A representação também é assinada por Hertz Dias, vice na chapa com Vera Lúcia.
Anteontem, o vereador publicou no perfil do Instagram a imagem de um homem com um saco plástico na cabeça, ensaguentado e com a boca aberta, ironizando a simulação de tortura a uma pessoa contrária ao candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), do qual é filho. Na imagem o torturado está com os braços amarrados e no peito está escrita a hashtag #elenão, usada por críticos a Bolsonaro. A imagem traz ainda a frase "sobre pais que choram no chuveiro", que circula nas redes sociais como uma crítica às LGBTs, cujos pais supostamente teriam "vergonha" da orientação sexual dos filhos.
A referida publicação teve ampla repercussão nas redes sociais e na imprensa. Diante da repercussão negativa da postagem, inclusive junto a seus correligionários, Carlos Bolsonaro se apressou em justificar, porém não teve melhor sorte ao dizer que foi apenas uma "replicação" uma vez que, ao contrário do que disse, o vereador editou a imagem original e adicionou a frase de cunho LGBTfóbico, não se tratando dessa forma de um mero compartilhamento.
 "A imagem se trata de uma evidente ameaça e apologia à tortura e à ditadura e deve ser prontamente repudiada. O clã comandado por Bolsonaro e seus acólitos como o comandante Mourão tem um projeto de ditadura para o país. E isso para defender os interesses dos ricos, dos banqueiros, empresários e latifundiários. Jair Bolsonaro votou a favor da reforma trabalhista no Congresso. Foi o único a votar contra as empregadas domésticas. E agora, junto ao banqueiro Paulo Guedes, defende reforma da Previdência e privatização generalizada. É hora de sairmos às ruas para derrotar na luta esse projeto autoritário contra os pobres e oprimidos. No dia 29 vamos lotar as ruas para dizer #EleNão", afirma Vera Lúcia, candidata do PSTU à presidência da República.