O cidadão de bem e a bala perdida

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/09/2018 às 07:25:00

 

* Luis Fernando Almeida
Armar o cidadão de bem, como res-
posta à violência, é o argumento mais 
falacioso, mais inescrupuloso, que já ouvi a respeito do assunto. No ano passado, o Brasil registrou 59.103 mortes por crimes violentos letais e intencionais (CVLI). Na guerra da Síria, de 2017 a maio deste ano, portanto cinco meses a mais, morreram 43 mil pessoas. Estamos em guerra, estamos em guerra! 
Daí, uma mente iluminada propõe como solução: mudar a legislação para armar o "cidadão de bem". A primeira pergunta: quem é o cidadão de bem? Quem decide, ou escolhe, ou elege o "cidadão de bem"? Obviamente, interesses políticos e comerciais norteiam o engodo de que armar as pessoas diminuirá o número de mortes.
Quantos policiais têm perdido suas armas e, muitas vezes, suas vidas, pela ação de marginais? Ora, somente sendo muito estúpido para acreditar que o "cidadão de bem" estará preparado para esse enfrentamento. Armas matam, então, quanto mais armas mais mortes. 
O discurso em defesa da "tese" é de que haverá treinamento, teste psicológico, para que as pessoas estejam aptas a andar armadas. Ora, se treinamento e teste psicológico garantissem o uso correto das armas, não teríamos policiais mortos e policiais presos, como temos. Por falar em Policiais - uma categoria tão abandonada, tão desvalorizada, na qual deságuam os problemas que o poder público não deu solução, como se ela pudesse solucionar - vai ter seu trabalho multiplicado e dificultado. Além de mais gente armada, para fiscalizar, terá que possuir uma bola de cristal para distinguir, em segundos, o infrator do "cidadão de bem". E, não se enganem, se errarem e confrontarem o "cidadão de bem", adivinhem para que lado a "corda" vai arrebentar...
Arma é para a Polícia! Para os cidadãos, uma polícia bem formada, bem paga, bem fiscalizada para protegê-lo. QUANTO MENOS ARMA, MENOS VIOLÊNCIA!
O aspecto decisivo nesses embates cotidianos, envolvendo armas de fogo, é o fator surpresa. Esse é determinante! O infrator sempre busca o "alvo" mais fácil, distraído. Isso significa dizer que o "cidadão de bem" tem que estar atento o tempo todo, sem direito à distração, à diversão e à descontração. Assim é o dia-a-dia de um policial, nas ruas. Por mais treinado que seja o profissional, isso gera tensão. Tensão essa, que pode levar a falhas, como o caso do policial que, recentemente, matou um trabalhador, porque confundiu um guarda-chuva com um fuzil. Imaginem o grau de estresse de um Policial, mal pago, morando em locais dominados pelo crime, não podendo sair de casa fardado, deixando sua mulher e filhos à mercê da sorte. Não! Não aumentem seus problemas. Os erros com armas de fogo, não são os mesmos cometidos nas provas de matemática, os erros com armas de fogo são fatais.
O outro discurso: "Vejam, não defendemos o porte de arma e sim, a posse, que é o direito de ter uma arma dentro de casa, não podendo transportá-la". Muito bem, agora é diferente! Afinal, uma das qualidades do nosso povo é o cumprimento das leis. Comparemos, com uma arma legalizada e também letal, os veículos automotivos: quarenta e sete mil mortes por ano e quatrocentas mil pessoas com algum tipo de seqüela. Ops! Ultrapassamos a Síria, mais uma vez. Vivemos duas guerras! Alguém acredita, que pessoas que dirigem sem habilitação, com licenciamento vencido, embriagadas, vão deixar suas armas em casa, por não possuírem porte? Isso sem falar nos acidentes domésticos, na maioria das vezes, envolvendo crianças.
Hoje, o reduto de paz e segurança do "cidadão de bem", são os condomínios fechados, murados, com vigilância eletrônica. Imaginemos cada casa com pelo menos uma arma. Lembremos da impaciência com som alto, animais soltos, veículos mal estacionados, que geram os pequenos conflitos nos espaços comuns. Juntemos à bebida do fim de semana e a alguns temperamentos mais violentos. Hum! Perigo à vista. 
Daí, o cotidiano das favelas, que se tornou o trivial, o banal - uma mãe negra, com seu filho morto por bala perdida, nos braços (para alguns, menos um marginal no futuro) - transforma-se no extraordinário: a favela é um condomínio de luxo e a mãe, uma senhora de classe média alta. E o assassino? O "cidadão de bem"! 
Que horror! Inacreditável! Que absurdo! 
Pois é, "a felicidade não tem cor", a tristeza, também não. Na tragédia, nos igualamos.
Então, cidadãos e cidadãs, refletir é de graça. Remediar tem preço. E, às vezes, não é possível remediar. 
Armas matam! Bom senso, não!
Precisamos de menos armas, de menos mortes, de mais amor e tolerância!
VIVAM e DEIXEM VIVER!
Luís Fernando Silveira de Almeida é coronel da Reserva da PM e Cidadão, apenas cidadão

* Luis Fernando Almeida

Armar o cidadão de bem, como res- posta à violência, é o argumento mais  falacioso, mais inescrupuloso, que já ouvi a respeito do assunto. No ano passado, o Brasil registrou 59.103 mortes por crimes violentos letais e intencionais (CVLI). Na guerra da Síria, de 2017 a maio deste ano, portanto cinco meses a mais, morreram 43 mil pessoas. Estamos em guerra, estamos em guerra! 
Daí, uma mente iluminada propõe como solução: mudar a legislação para armar o "cidadão de bem". A primeira pergunta: quem é o cidadão de bem? Quem decide, ou escolhe, ou elege o "cidadão de bem"? Obviamente, interesses políticos e comerciais norteiam o engodo de que armar as pessoas diminuirá o número de mortes.Quantos policiais têm perdido suas armas e, muitas vezes, suas vidas, pela ação de marginais? Ora, somente sendo muito estúpido para acreditar que o "cidadão de bem" estará preparado para esse enfrentamento. Armas matam, então, quanto mais armas mais mortes. 
O discurso em defesa da "tese" é de que haverá treinamento, teste psicológico, para que as pessoas estejam aptas a andar armadas. Ora, se treinamento e teste psicológico garantissem o uso correto das armas, não teríamos policiais mortos e policiais presos, como temos. Por falar em Policiais - uma categoria tão abandonada, tão desvalorizada, na qual deságuam os problemas que o poder público não deu solução, como se ela pudesse solucionar - vai ter seu trabalho multiplicado e dificultado. Além de mais gente armada, para fiscalizar, terá que possuir uma bola de cristal para distinguir, em segundos, o infrator do "cidadão de bem". E, não se enganem, se errarem e confrontarem o "cidadão de bem", adivinhem para que lado a "corda" vai arrebentar...
Arma é para a Polícia! Para os cidadãos, uma polícia bem formada, bem paga, bem fiscalizada para protegê-lo. QUANTO MENOS ARMA, MENOS VIOLÊNCIA!
O aspecto decisivo nesses embates cotidianos, envolvendo armas de fogo, é o fator surpresa. Esse é determinante! O infrator sempre busca o "alvo" mais fácil, distraído. Isso significa dizer que o "cidadão de bem" tem que estar atento o tempo todo, sem direito à distração, à diversão e à descontração. Assim é o dia-a-dia de um policial, nas ruas. Por mais treinado que seja o profissional, isso gera tensão. Tensão essa, que pode levar a falhas, como o caso do policial que, recentemente, matou um trabalhador, porque confundiu um guarda-chuva com um fuzil. Imaginem o grau de estresse de um Policial, mal pago, morando em locais dominados pelo crime, não podendo sair de casa fardado, deixando sua mulher e filhos à mercê da sorte. Não! Não aumentem seus problemas. Os erros com armas de fogo, não são os mesmos cometidos nas provas de matemática, os erros com armas de fogo são fatais.
O outro discurso: "Vejam, não defendemos o porte de arma e sim, a posse, que é o direito de ter uma arma dentro de casa, não podendo transportá-la". Muito bem, agora é diferente! Afinal, uma das qualidades do nosso povo é o cumprimento das leis. Comparemos, com uma arma legalizada e também letal, os veículos automotivos: quarenta e sete mil mortes por ano e quatrocentas mil pessoas com algum tipo de seqüela. Ops! Ultrapassamos a Síria, mais uma vez. Vivemos duas guerras! Alguém acredita, que pessoas que dirigem sem habilitação, com licenciamento vencido, embriagadas, vão deixar suas armas em casa, por não possuírem porte? Isso sem falar nos acidentes domésticos, na maioria das vezes, envolvendo crianças.
Hoje, o reduto de paz e segurança do "cidadão de bem", são os condomínios fechados, murados, com vigilância eletrônica. Imaginemos cada casa com pelo menos uma arma. Lembremos da impaciência com som alto, animais soltos, veículos mal estacionados, que geram os pequenos conflitos nos espaços comuns. Juntemos à bebida do fim de semana e a alguns temperamentos mais violentos. Hum! Perigo à vista. 
Daí, o cotidiano das favelas, que se tornou o trivial, o banal - uma mãe negra, com seu filho morto por bala perdida, nos braços (para alguns, menos um marginal no futuro) - transforma-se no extraordinário: a favela é um condomínio de luxo e a mãe, uma senhora de classe média alta. E o assassino? O "cidadão de bem"! 
Que horror! Inacreditável! Que absurdo! 
Pois é, "a felicidade não tem cor", a tristeza, também não. Na tragédia, nos igualamos.
Então, cidadãos e cidadãs, refletir é de graça. Remediar tem preço. E, às vezes, não é possível remediar. 
Armas matam! Bom senso, não!
Precisamos de menos armas, de menos mortes, de mais amor e tolerância!
VIVAM e DEIXEM VIVER!

Luís Fernando Silveira de Almeida é coronel da Reserva da PM e Cidadão, apenas cidadão