Defensores públicos realizaram plantão durante manifestação em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 02/10/2018 às 06:47:00

 

No último sábado (29), os defensores públicos que integram o Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos e Promoção da Inclusão Social da Defensoria Pública do Estado de Sergipe, Rosana Martins e Herick Argolo, também presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado de Sergipe (ADPESE), realizaram plantão durante manifestações populares organizadas pelo movimento "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro", que aconteceu no Viaduto do DIA.
O objetivo da ADEPSE e Defensoria Pública foi combater a violência e contribuir para construção de um ato pacífico. "Nos últimos tempos, em especial durante as campanhas eleitorais, tem crescido uma onda de ataques aos direitos fundamentais das classes populares e, em especial aos grupos sociais LGBT, aos negros e às mulheres", ressalta o presidente da ADPESE, Herick Argolo. "As manifestações marcadas para o dia de hoje em todo o Brasil têm sido contestadas agressivamente nas redes sociais e os relatos de agressões verbais e físicas contra as mulheres participantes tem sido constantes. Nesse contexto, a atuação da Defensoria Pública se constitui uma medida importante em prol do exercício da liberdade de manifestação e na proteção da integridade física, psicológica e, inclusive, sexual das mulheres participantes", finaliza.
"Como membro do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos e Promoção da Inclusão Social da Defensoria Pública de Sergipe, considero muito importante a nossa participação em eventos como este, a fim de garantir aos seus participantes o livre exercício do direito de expressão e de manifestação. Com isso, a Defensoria Pública cumpre seu papel constitucional e contribui para o fortalecimento do processo democrático", pontua a defensora pública, Rosana Martins.
O protesto convocado pelo coletivo "Mulheres Unidas contra Bolsonaro" ocorreu em diversas capitais do Brasil e também no exterior. Em Aracaju, o ato reuniu, conforme estimativa da Polícia Militar, aproximadamente 2 mil pessoas.

No último sábado (29), os defensores públicos que integram o Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos e Promoção da Inclusão Social da Defensoria Pública do Estado de Sergipe, Rosana Martins e Herick Argolo, também presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado de Sergipe (ADPESE), realizaram plantão durante manifestações populares organizadas pelo movimento "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro", que aconteceu no Viaduto do DIA.
O objetivo da ADEPSE e Defensoria Pública foi combater a violência e contribuir para construção de um ato pacífico. "Nos últimos tempos, em especial durante as campanhas eleitorais, tem crescido uma onda de ataques aos direitos fundamentais das classes populares e, em especial aos grupos sociais LGBT, aos negros e às mulheres", ressalta o presidente da ADPESE, Herick Argolo. "As manifestações marcadas para o dia de hoje em todo o Brasil têm sido contestadas agressivamente nas redes sociais e os relatos de agressões verbais e físicas contra as mulheres participantes tem sido constantes. Nesse contexto, a atuação da Defensoria Pública se constitui uma medida importante em prol do exercício da liberdade de manifestação e na proteção da integridade física, psicológica e, inclusive, sexual das mulheres participantes", finaliza.
"Como membro do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos e Promoção da Inclusão Social da Defensoria Pública de Sergipe, considero muito importante a nossa participação em eventos como este, a fim de garantir aos seus participantes o livre exercício do direito de expressão e de manifestação. Com isso, a Defensoria Pública cumpre seu papel constitucional e contribui para o fortalecimento do processo democrático", pontua a defensora pública, Rosana Martins.
O protesto convocado pelo coletivo "Mulheres Unidas contra Bolsonaro" ocorreu em diversas capitais do Brasil e também no exterior. Em Aracaju, o ato reuniu, conforme estimativa da Polícia Militar, aproximadamente 2 mil pessoas.