Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O Brasil tem 12,7 milhões de pessoas desocupadas, um contingente maior que a população da cidade de São Paulo
O Brasil tem 12,7 milhões de pessoas desocupadas, um contingente maior que a população da cidade de São Paulo

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/10/2018 às 06:58:00

 

Gilberto Costa
Agência Brasil 
 
Seja quem for o presidente eleito, a perspectiva de adoção de medidas que resultem na diminuição do desemprego será um dos fatores que pesará na escolha do candidato vitorioso. De acordo com o IBGE, o Brasil tem 12,7 milhões de pessoas desocupadas, um contingente maior que a população da cidade de São Paulo e de países como Bolívia, Bélgica ou Cuba.
Levantamento feito pela Agência Brasil a partir de dados do IBGE (desde o 2º trimestre de 2012) mostra que, em seis anos, a evolução do saldo de pessoas com 14 anos ou mais ocupadas foi um crescimento de 1,88%.
Cinco setores em 12 tiveram desempenho negativo, sendo que o setor de "agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura" sofreu queda de 19,27% no número de pessoas ocupadas. No período, o destaque positivo foi do setor de "alojamento e alimentação", alta de quase 35% no número de pessoas ocupadas.
Vale notar que neste ano apenas quatro setores atingiram o maior número de pessoas ocupadas desde de 2012: "administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais"; "alojamento e alimentação"; "transporte, armazenagem e correio" e "outro serviço".
O resultado tímido da melhoria da desocupação, o crescimento ainda incipiente do mercado formal de trabalho e o fenômeno de pessoas que desistiram de procurar emprego, o chamado "desalento", compõem o cenário nebuloso que o próximo presidente terá que enfrentar.
Técnicos especializados como Felipe Vella Pateo, responsável pela área que produz as estatísticas do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Cadeg) do Ministério do Trabalho, pondera: "Mudanças na política sempre podem afetar o crescimento econômico e consequentemente a geração de emprego. Difícil fazer uma previsão para além de 2018". De janeiro a agosto, foram criadas aproximadamente 568 mil vagas com carteira assinada. 
Medo do desemprego - Parece mais clara a influência do desemprego na decisão eleitoral. Para a cientista política Maria do Socorro Braga, da Universidade Federal de São Carlos (UFScar), interior de São Paulo, "o desemprego tem um grande impacto nas preferências eleitorais, especialmente nos setores empobrecidos e médios que dependem do trabalho para manter sua subsistência".
Pesquisa de opinião da Confederação Nacional da Indústria (CNI), feita no final de junho em 128 municípios (amostra de 2 mil pessoas entrevistadas), confirma a percepção sobre a importância do emprego. O levantamento mostra que o medo de perder o trabalho aflige quase 68% dos brasileiros. Em mais de 20 anos da pesquisa da CNI, esse é o maior índice atingido - 18,3 pontos percentuais acima da média histórica de 49,6%.

Seja quem for o presidente eleito, a perspectiva de adoção de medidas que resultem na diminuição do desemprego será um dos fatores que pesará na escolha do candidato vitorioso. De acordo com o IBGE, o Brasil tem 12,7 milhões de pessoas desocupadas, um contingente maior que a população da cidade de São Paulo e de países como Bolívia, Bélgica ou Cuba.
Levantamento feito pela Agência Brasil a partir de dados do IBGE (desde o 2º trimestre de 2012) mostra que, em seis anos, a evolução do saldo de pessoas com 14 anos ou mais ocupadas foi um crescimento de 1,88%.
Cinco setores em 12 tiveram desempenho negativo, sendo que o setor de "agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura" sofreu queda de 19,27% no número de pessoas ocupadas. No período, o destaque positivo foi do setor de "alojamento e alimentação", alta de quase 35% no número de pessoas ocupadas.
Vale notar que neste ano apenas quatro setores atingiram o maior número de pessoas ocupadas desde de 2012: "administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais"; "alojamento e alimentação"; "transporte, armazenagem e correio" e "outro serviço".
O resultado tímido da melhoria da desocupação, o crescimento ainda incipiente do mercado formal de trabalho e o fenômeno de pessoas que desistiram de procurar emprego, o chamado "desalento", compõem o cenário nebuloso que o próximo presidente terá que enfrentar.
Técnicos especializados como Felipe Vella Pateo, responsável pela área que produz as estatísticas do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Cadeg) do Ministério do Trabalho, pondera: "Mudanças na política sempre podem afetar o crescimento econômico e consequentemente a geração de emprego. Difícil fazer uma previsão para além de 2018". De janeiro a agosto, foram criadas aproximadamente 568 mil vagas com carteira assinada. 

Medo do desemprego - Parece mais clara a influência do desemprego na decisão eleitoral. Para a cientista política Maria do Socorro Braga, da Universidade Federal de São Carlos (UFScar), interior de São Paulo, "o desemprego tem um grande impacto nas preferências eleitorais, especialmente nos setores empobrecidos e médios que dependem do trabalho para manter sua subsistência".
Pesquisa de opinião da Confederação Nacional da Indústria (CNI), feita no final de junho em 128 municípios (amostra de 2 mil pessoas entrevistadas), confirma a percepção sobre a importância do emprego. O levantamento mostra que o medo de perder o trabalho aflige quase 68% dos brasileiros. Em mais de 20 anos da pesquisa da CNI, esse é o maior índice atingido - 18,3 pontos percentuais acima da média histórica de 49,6%.