Mostra de xilogravura aborda imaginário nordestino

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/10/2018 às 06:39:00

 

A Funarte São Paulo sedia, de 5 de outubro a 25 de novembro, a mostra Bestiário Nordestino, composta por dezenas de obras de xilogravuras. Inédita no país, a exposição, que tem curadoria dos artistas Rafael Limaverde e Marquinhos Abu, reúne imagens que resgatam a história e o imaginário do povo do Nordeste. O projeto foi um dos contemplados com o Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes.
A exibição, que traz obras de 15 artistas de seis cidades, executadas com a tradicional técnica de gravação sobre pranchas de madeira, começa a deslocar-se para fora do Ceará a partir desta temporada em São Paulo. Entre os artistas em destaques estão José Costa Leite, J. Borges e Abraão Batista, referências nacionais, já com longa história na xilogravura e que ainda continuam a produzir. Também ficam em evidência obras do acervo do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará, considerado a maior coleção de matrizes do país - sendo que, pela primeira vez, são expostos fora da instituição trabalhos de três artistas de Juazeiro do Norte (CE): Damásio Paulo, Walderêdo Gonçalves e Antônio Lino.
"As obras transitam do grotesco ao fantástico. O conjunto promete encantar a todos", comentam os curadores Limaverde e Abu. "Não é possível falar da cultura do Nordeste sem tocar na xilogravura". Os curadores lembram que a técnica sempre estampou as capas dos cordéis. Além de sua função literária, os livretos teriam o papel de registrar a memória oral de um povo e colaborar na sua alfabetização. A partir desse ponto de vista, a curadoria reuniu, para a mostra, um acervo de uma viagem de três anos de pesquisa por todo o Nordeste.
"Demônios, dragões, híbridos e seres amorfos são as estrelas do Bestiário Nordestino", descrevem os realizadores. Eles explicam que as obras detalham o sobrenatural que atravessa o conjunto de símbolos, características e valores culturais do homem nordestino, "traçando a história deste povo que, desde muito tempo, vem sendo contada e cantada na literatura de cordel e no entalhe da madeira", com a criatividade que marca "limites entre o homem e o animal, a realidade e a fantasia a lucidez e o delírio".
Dentro do universo da gravura, Limaverde e Abu perceberam que um tema muito característico não é sempre abordado pelos artistas: os seres fantásticos, assombrações e monstros, "esse mundo estranho e particular". Os curadores comentam que foram em busca da necessidade do irreal, "a despeito da beleza e do gosto popular". Para eles, a exposição Bestiário Nordestino é um recorte desse tema, fortemente presente no imaginário do Nordeste, mas ainda pouco explorado pelos artistas gravadores.

A Funarte São Paulo sedia, de 5 de outubro a 25 de novembro, a mostra Bestiário Nordestino, composta por dezenas de obras de xilogravuras. Inédita no país, a exposição, que tem curadoria dos artistas Rafael Limaverde e Marquinhos Abu, reúne imagens que resgatam a história e o imaginário do povo do Nordeste. O projeto foi um dos contemplados com o Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes.
A exibição, que traz obras de 15 artistas de seis cidades, executadas com a tradicional técnica de gravação sobre pranchas de madeira, começa a deslocar-se para fora do Ceará a partir desta temporada em São Paulo. Entre os artistas em destaques estão José Costa Leite, J. Borges e Abraão Batista, referências nacionais, já com longa história na xilogravura e que ainda continuam a produzir. Também ficam em evidência obras do acervo do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará, considerado a maior coleção de matrizes do país - sendo que, pela primeira vez, são expostos fora da instituição trabalhos de três artistas de Juazeiro do Norte (CE): Damásio Paulo, Walderêdo Gonçalves e Antônio Lino.
"As obras transitam do grotesco ao fantástico. O conjunto promete encantar a todos", comentam os curadores Limaverde e Abu. "Não é possível falar da cultura do Nordeste sem tocar na xilogravura". Os curadores lembram que a técnica sempre estampou as capas dos cordéis. Além de sua função literária, os livretos teriam o papel de registrar a memória oral de um povo e colaborar na sua alfabetização. A partir desse ponto de vista, a curadoria reuniu, para a mostra, um acervo de uma viagem de três anos de pesquisa por todo o Nordeste.
"Demônios, dragões, híbridos e seres amorfos são as estrelas do Bestiário Nordestino", descrevem os realizadores. Eles explicam que as obras detalham o sobrenatural que atravessa o conjunto de símbolos, características e valores culturais do homem nordestino, "traçando a história deste povo que, desde muito tempo, vem sendo contada e cantada na literatura de cordel e no entalhe da madeira", com a criatividade que marca "limites entre o homem e o animal, a realidade e a fantasia a lucidez e o delírio".
Dentro do universo da gravura, Limaverde e Abu perceberam que um tema muito característico não é sempre abordado pelos artistas: os seres fantásticos, assombrações e monstros, "esse mundo estranho e particular". Os curadores comentam que foram em busca da necessidade do irreal, "a despeito da beleza e do gosto popular". Para eles, a exposição Bestiário Nordestino é um recorte desse tema, fortemente presente no imaginário do Nordeste, mas ainda pouco explorado pelos artistas gravadores.