Em meio a suspeitas de irregularidades, Haddad recorre ao TSE contra Bolsonaro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/10/2018 às 06:39:00

 

Camila Maciel e Daniel Mello
Agência Brasil 
 
Em meio às suspeitas 
do envolvimento de 
empresas no envio de mensagens falsas contra o PT no WhatsApp, o candidato do partido à Presidência da República, Fernando Haddad, disse ontem(18) que o correto seria Ciro Gomes (PDT) concorrer com ele no segundo turno. Ciro ficou em terceiro lugar no primeiro turno ao obter 12,47% dos votos válidos.
"É o que a legislação prevê, porque ele [Jair Bolsonaro, do PSL] tentou fraudar a eleição, felizmente não deu primeiro turno. Se desse, isso tudo ia pra baixo do tapete", disse Haddad referindo-se às informações publicadas hoje na imprensa sobre a suposta existência de um grupo de empresários que financia o envio em massa de mensagens falsas via WhatsApp.
O petista defendeu ainda que pelo menos um dos empresários suspeitos de participar do grupo fosse preso para que os demais fossem delatados. Segundo ele, o grupo reúne de 20 a 30 pessoas.
"Basta prender um empresário que vai ter delação premiada e vai entregar a quadrilha toda. Nós estamos falando de 20 a 30 empresários envolvidos nesse esquema. Se prender um, em menos de 10 dias a gente vai ter a relação de todos os empresários que estão financiando com caixa 2 uma campanha difamatória."
Haddad indicou que tem conhecimento sobre um dos empresários, a empresa contratada e os valores negociados.
"Nós vamos levar ao conhecimento da Justiça todos os indícios. Alguns que estão nos chegando agora de reuniões que ele [Bolsonaro], de viva-voz, pediu apoio via WhatApp. Ou seja, ele próprio, em jantares com empresários, fez o pedido para que a doação fosse feita dessa maneira, de forma ilegal", disse.
Denúncias - A reportagem publicada pela Folha de S.Paulo hoje informa que empresas estão contratando o serviço de disparo de mensagens por aplicativo de celular com contratos que podem chegar a R$ 12 milhões. O serviço, segundo o jornal, se vale da utilização de números no exterior para enviar centenas de milhões de mensagens, burlando as restrições que o WhatsApp impõe a usuários brasileiros.
As atividades envolvem o uso de cadastros vendidos de forma irregular. A legislação eleitoral só permite o uso de listas elaboradas voluntariamente pelas próprias campanhas. O financiamento empresarial de campanha também é proibido.
PDT - O PDT, partido de Ciro Gomes, decidiu ingressar com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral contra a candidatura de Bolsonaro. Na tarde de ontem (18), o presidente nacional do partido, Carlos Lupi, se reuniu com a assessoria jurídica e outros integrantes da sigla para discutir o assunto. 
Lupi, que declarou "apoio crítico" a Haddad no segundo turno, classificou a compra de pacotes de divulgação em massa de notícias falsas como crime de abuso do poder econômico. Segundo a assessoria de imprensa do PDT, o recurso deve ser apresentado ainda esta semana.

Em meio às suspeitas  do envolvimento de  empresas no envio de mensagens falsas contra o PT no WhatsApp, o candidato do partido à Presidência da República, Fernando Haddad, disse ontem(18) que o correto seria Ciro Gomes (PDT) concorrer com ele no segundo turno. Ciro ficou em terceiro lugar no primeiro turno ao obter 12,47% dos votos válidos.
"É o que a legislação prevê, porque ele [Jair Bolsonaro, do PSL] tentou fraudar a eleição, felizmente não deu primeiro turno. Se desse, isso tudo ia pra baixo do tapete", disse Haddad referindo-se às informações publicadas hoje na imprensa sobre a suposta existência de um grupo de empresários que financia o envio em massa de mensagens falsas via WhatsApp.
O petista defendeu ainda que pelo menos um dos empresários suspeitos de participar do grupo fosse preso para que os demais fossem delatados. Segundo ele, o grupo reúne de 20 a 30 pessoas.
"Basta prender um empresário que vai ter delação premiada e vai entregar a quadrilha toda. Nós estamos falando de 20 a 30 empresários envolvidos nesse esquema. Se prender um, em menos de 10 dias a gente vai ter a relação de todos os empresários que estão financiando com caixa 2 uma campanha difamatória."Haddad indicou que tem conhecimento sobre um dos empresários, a empresa contratada e os valores negociados.
"Nós vamos levar ao conhecimento da Justiça todos os indícios. Alguns que estão nos chegando agora de reuniões que ele [Bolsonaro], de viva-voz, pediu apoio via WhatApp. Ou seja, ele próprio, em jantares com empresários, fez o pedido para que a doação fosse feita dessa maneira, de forma ilegal", disse.

Denúncias - A reportagem publicada pela Folha de S.Paulo hoje informa que empresas estão contratando o serviço de disparo de mensagens por aplicativo de celular com contratos que podem chegar a R$ 12 milhões. O serviço, segundo o jornal, se vale da utilização de números no exterior para enviar centenas de milhões de mensagens, burlando as restrições que o WhatsApp impõe a usuários brasileiros.
As atividades envolvem o uso de cadastros vendidos de forma irregular. A legislação eleitoral só permite o uso de listas elaboradas voluntariamente pelas próprias campanhas. O financiamento empresarial de campanha também é proibido.

PDT - O PDT, partido de Ciro Gomes, decidiu ingressar com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral contra a candidatura de Bolsonaro. Na tarde de ontem (18), o presidente nacional do partido, Carlos Lupi, se reuniu com a assessoria jurídica e outros integrantes da sigla para discutir o assunto. 
Lupi, que declarou "apoio crítico" a Haddad no segundo turno, classificou a compra de pacotes de divulgação em massa de notícias falsas como crime de abuso do poder econômico. Segundo a assessoria de imprensa do PDT, o recurso deve ser apresentado ainda esta semana.