Alexandre de Moraes defende investigar declaração de Eduardo Bolsonaro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/10/2018 às 06:37:00

 

Daniel Mello 
Agência Brasil  
 
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes defendeu ontem (22) que a Procuradoria-Geral da República investigue o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). No fim de semana, foi divulgado um vídeo nas redes sociais, gravado meses atrás, em que o deputado diz que bastaria um cabo e um soldado para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF).
"É inacreditável que no Brasil do século 21, a Constituição com 30 anos, ainda tenhamos que ouvir tanta asneira vinda da boca de quem representa o povo", disse ao participar de um evento sobre os 30 anos da Constituição Federal, no Ministério Público de São Paulo.
Para o ministro, a afirmação de Eduardo Bolsonaro pode configurar crime previsto no Artigo 23 da Lei de Segurança Nacional - incitar animosidade entre as Forças Armadas e outras instituições.
"Não é possível que simplesmente se afirme isso e depois se diga que estava brincando. Não se brinca com a democracia, com o estado democrático de direito, com a estabilidade republicana", disse após enfatizar que o fato merecia "imediata abertura de investigação."
Parafraseando Thomas Jefferson, terceiro presidente norte-americano, Moraes ressaltou que situações como essa merecem atenção. "Confirma uma das frases mais importantes de um dos grandes democratas, um dos pais fundadores dos Estados Unidos, Thomas Jefferson, que disse: 'o preço da liberdade é a eterna vigilância'", destacou. "Nada justifica a defesa de fechamento de instituições republicanas com legitimidade constitucional."
No vídeo, gravado antes do primeiro turno, Eduardo Bolsonaro é questionado por um estudante sobre a hipótese de o Supremo impedir a posse de seu pai, uma vez que ele seja eleito, se seria o caso de fechar a instituição. O parlamentar respondeu que: "Se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo".
Anteeontem (21) na sua conta do Twitter, Eduardo Bolsonaro pediu desculpas e justificou a resposta a uma "hipótese esdrúxula". O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, rechaçou a possibilidade de fechamento do Supremo.

Daniel Mello Agência Brasil   O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes defendeu ontem (22) que a Procuradoria-Geral da República investigue o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). No fim de semana, foi divulgado um vídeo nas redes sociais, gravado meses atrás, em que o deputado diz que bastaria um cabo e um soldado para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF).
"É inacreditável que no Brasil do século 21, a Constituição com 30 anos, ainda tenhamos que ouvir tanta asneira vinda da boca de quem representa o povo", disse ao participar de um evento sobre os 30 anos da Constituição Federal, no Ministério Público de São Paulo.
Para o ministro, a afirmação de Eduardo Bolsonaro pode configurar crime previsto no Artigo 23 da Lei de Segurança Nacional - incitar animosidade entre as Forças Armadas e outras instituições.
"Não é possível que simplesmente se afirme isso e depois se diga que estava brincando. Não se brinca com a democracia, com o estado democrático de direito, com a estabilidade republicana", disse após enfatizar que o fato merecia "imediata abertura de investigação."
Parafraseando Thomas Jefferson, terceiro presidente norte-americano, Moraes ressaltou que situações como essa merecem atenção. "Confirma uma das frases mais importantes de um dos grandes democratas, um dos pais fundadores dos Estados Unidos, Thomas Jefferson, que disse: 'o preço da liberdade é a eterna vigilância'", destacou. "Nada justifica a defesa de fechamento de instituições republicanas com legitimidade constitucional."
No vídeo, gravado antes do primeiro turno, Eduardo Bolsonaro é questionado por um estudante sobre a hipótese de o Supremo impedir a posse de seu pai, uma vez que ele seja eleito, se seria o caso de fechar a instituição. O parlamentar respondeu que: "Se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo".
Anteeontem (21) na sua conta do Twitter, Eduardo Bolsonaro pediu desculpas e justificou a resposta a uma "hipótese esdrúxula". O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, rechaçou a possibilidade de fechamento do Supremo.