Projetos de energia possuem prazo de até 20 anos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/10/2018 às 06:52:00

 

O Banco do Nordeste (BNB) concede, com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), prazo de até 20 anos para pagamento dos financiamentos a projetos de infraestrutura do segmento energético. A linha de crédito tem ainda os atrativos da carência, que pode chegar a oito anos, e da taxa de juros anual, a partir de 2,32% acrescida do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
Esses diferenciais têm gerado bastante demanda pelo crédito, especialmente para a instalação de parques eólicos e solares em diversos estados da área de atuação do Banco. Os projetos para geração, transmissão e distribuição energética já foram beneficiados, até a primeira quinzena de outubro, com investimentos da ordem de R$ 7,3 bilhões.
De acordo com dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil possui aproximadamente 75% de fontes renováveis na oferta de energia elétrica e representa uma das matrizes mais renováveis do mundo. Para o setor solar, o BNB já financiou mais de R$ 2,1 bilhões em 2018. Somados aos projetos de matriz eólica, os recursos investidos pelo FNE passam de R$ 3,6 bilhões somente para fontes renováveis.
A linha voltada para empreendimentos de infraestrutura em energias possibilita a aquisição de bens de capital e implantação, modernização, reforma, relocalização ou ampliação, abrangendo as Zonas de Processamento de Exportação (ZPE), inclusive capital de giro, quando exclusivamente associado ao investimento.
Mais informações sobre as linhas de crédito para energia solar podem ser obtidas no site www.bnb.gov.br/programas-de-financiamento/programas-por-segmento.

O Banco do Nordeste (BNB) concede, com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), prazo de até 20 anos para pagamento dos financiamentos a projetos de infraestrutura do segmento energético. A linha de crédito tem ainda os atrativos da carência, que pode chegar a oito anos, e da taxa de juros anual, a partir de 2,32% acrescida do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
Esses diferenciais têm gerado bastante demanda pelo crédito, especialmente para a instalação de parques eólicos e solares em diversos estados da área de atuação do Banco. Os projetos para geração, transmissão e distribuição energética já foram beneficiados, até a primeira quinzena de outubro, com investimentos da ordem de R$ 7,3 bilhões.
De acordo com dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil possui aproximadamente 75% de fontes renováveis na oferta de energia elétrica e representa uma das matrizes mais renováveis do mundo. Para o setor solar, o BNB já financiou mais de R$ 2,1 bilhões em 2018. Somados aos projetos de matriz eólica, os recursos investidos pelo FNE passam de R$ 3,6 bilhões somente para fontes renováveis.
A linha voltada para empreendimentos de infraestrutura em energias possibilita a aquisição de bens de capital e implantação, modernização, reforma, relocalização ou ampliação, abrangendo as Zonas de Processamento de Exportação (ZPE), inclusive capital de giro, quando exclusivamente associado ao investimento.
Mais informações sobre as linhas de crédito para energia solar podem ser obtidas no site www.bnb.gov.br/programas-de-financiamento/programas-por-segmento.