TSE e TREs divulgam carta defendendo segurança das urnas eletrônicas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL E DOS 27 TRIBUNAIS REGIONAIS DIVULGAM CARTA DEFENDENDO A SEGURANÇA DA URNA ELETRÔNICA
PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL E DOS 27 TRIBUNAIS REGIONAIS DIVULGAM CARTA DEFENDENDO A SEGURANÇA DA URNA ELETRÔNICA

A urna eletrônica é segura
A urna eletrônica é segura

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/10/2018 às 07:11:00

 

A Presidência do Tri-
bunal Superior Elei-
toral (TSE) e 27 Tribunais Regionais Eleitorais divulgaram carta ontem (22) em que defendem a segurança das urnas eletrônicas e do sistema de votação. O documento foi divulgado após reunião ontem(22) entre a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, e representante dos tribunais regionais.  
Desde o primeiro turno, apoiadores ligados ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) disseminam conteúdos colocando em dúvida a lisura do processo eleitoral. O próprio presidenciável defendeu publicamente o voto impresso, declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal. No dia da votação do primeiro turno, vídeos circularam apontando supostas fraudes nas urnas.
Na carta, os representantes da Justiça Eleitoral afirmam a "total integridade e confiabilidade das urnas eletrônicas e do modelo brasileiro de votação e de apuração das eleições". A urna eletrônica, continua o texto, tem oito barreiras físicas e mais de 30 barreiras digitais "que inviabilizam ataques de hackers e a invasão cibernética do voto".
O documento acrescenta que não existe a possibilidade de um voto iniciado ser completado automaticamente pela urna. No 1º turno, circularam vídeos em que eleitores afirmavam ter tentado votar em um candidato mas a urna teria computado o voto a outro. Alguns foram desmentidos no mesmo dia e outros seguem em apuração pela Justiça Eleitoral.
Auditorias - A carta afirma que outra característica do sistema é a possibilidade de auditagem. Isso inclui a reimpressão do boletim de urna, comparação entre os totais constantes no boletim impresso e no registro eletrônico, análise dos relatórios e verificação de assinatura digital.
Segundo a nota, a Justiça Eleitoral realiza de maneira periódica testes e auditorias "que comprovam e asseguram a transparência e absoluta confiabilidade do voto eletrônico". Além disso, segue o documento, as auditorias são realizadas em eventos públicos e são abertas a representações das candidaturas, com supervisão do Ministério Público Eleitoral (MPE) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
Por fim, a carta "conclama" os cidadãos a respeitar o Estado Democrático de Direito e suas instituições, entre as quais a Justiça Eleitoral, "responsável por assegurar a legitimidade do processo eleitoral brasileiro".

A Presidência do Tribunal Superior Elei- toral (TSE) e 27 Tribunais Regionais Eleitorais divulgaram carta ontem (22) em que defendem a segurança das urnas eletrônicas e do sistema de votação. O documento foi divulgado após reunião ontem(22) entre a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, e representante dos tribunais regionais.  
Desde o primeiro turno, apoiadores ligados ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) disseminam conteúdos colocando em dúvida a lisura do processo eleitoral. O próprio presidenciável defendeu publicamente o voto impresso, declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal. No dia da votação do primeiro turno, vídeos circularam apontando supostas fraudes nas urnas.
Na carta, os representantes da Justiça Eleitoral afirmam a "total integridade e confiabilidade das urnas eletrônicas e do modelo brasileiro de votação e de apuração das eleições". A urna eletrônica, continua o texto, tem oito barreiras físicas e mais de 30 barreiras digitais "que inviabilizam ataques de hackers e a invasão cibernética do voto".
O documento acrescenta que não existe a possibilidade de um voto iniciado ser completado automaticamente pela urna. No 1º turno, circularam vídeos em que eleitores afirmavam ter tentado votar em um candidato mas a urna teria computado o voto a outro. Alguns foram desmentidos no mesmo dia e outros seguem em apuração pela Justiça Eleitoral.

Auditorias - A carta afirma que outra característica do sistema é a possibilidade de auditagem. Isso inclui a reimpressão do boletim de urna, comparação entre os totais constantes no boletim impresso e no registro eletrônico, análise dos relatórios e verificação de assinatura digital.
Segundo a nota, a Justiça Eleitoral realiza de maneira periódica testes e auditorias "que comprovam e asseguram a transparência e absoluta confiabilidade do voto eletrônico". Além disso, segue o documento, as auditorias são realizadas em eventos públicos e são abertas a representações das candidaturas, com supervisão do Ministério Público Eleitoral (MPE) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
Por fim, a carta "conclama" os cidadãos a respeitar o Estado Democrático de Direito e suas instituições, entre as quais a Justiça Eleitoral, "responsável por assegurar a legitimidade do processo eleitoral brasileiro".