Belivaldo ganha ação pela 12ª vez na Justiça Eleitoral

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/10/2018 às 06:21:00

 

O Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE), em decisão assinada pela Juiz Brígida Declerc Fink na noite desta terça-feira (23), proibiu ao candidato Valadares Filho  de exibir o vídeo de propaganda eleitoral cujo conteúdo repassa ideia caluniosa e difamatória de que o candidato Belivaldo Chagas, que disputa a reeleição, "estaria ameaçando "perseguir quem votar contra ele".
"Evidente não se tratar de mera crítica pessoal ou à administração, e sim uma insinuação de cometimento de crime de ameaça, sem qualquer demonstração de plausibilidade de que tais ameaças estejam realmente ocorrendo", afirmou a juíza eleitoral em sua decisão.
A Justiça Eleitoral acatou os argumentos apresentados pela coligação de Belivaldo, os quais apontaram que as insinuações feitas pelo candidato Valadares Filho, em inserções do horário eleitoral gratuito e replicada no Facebook e no Instagram, tratam-se mais uma fake news inventada para tentar macular a honra do governador.
Em seu despacho, além de determinar que o candidato Valadares Filho se abstenha de voltar a veicular tal vídeo, sob pena de multa diária no valor de R$30 mil, notificou o Facebook e o Instagram para que promovam a remoção imediata das postagens que contenham a peça publicitária já impugnada, e ainda concedeu a Belivaldo exercício ao direito de resposta.
A decisão, soma-se outras 11 proferidas pela Justiça Eleitoral, apenas nesse segundo turno das eleições, nas quais a coligação de Belivaldo conseguiu provar a prática da divulgação de fake news, de forma sistemática, por parte do candidato Valadares Filho.

O Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE), em decisão assinada pela Juiz Brígida Declerc Fink na noite desta terça-feira (23), proibiu ao candidato Valadares Filho  de exibir o vídeo de propaganda eleitoral cujo conteúdo repassa ideia caluniosa e difamatória de que o candidato Belivaldo Chagas, que disputa a reeleição, "estaria ameaçando "perseguir quem votar contra ele".
"Evidente não se tratar de mera crítica pessoal ou à administração, e sim uma insinuação de cometimento de crime de ameaça, sem qualquer demonstração de plausibilidade de que tais ameaças estejam realmente ocorrendo", afirmou a juíza eleitoral em sua decisão.
A Justiça Eleitoral acatou os argumentos apresentados pela coligação de Belivaldo, os quais apontaram que as insinuações feitas pelo candidato Valadares Filho, em inserções do horário eleitoral gratuito e replicada no Facebook e no Instagram, tratam-se mais uma fake news inventada para tentar macular a honra do governador.
Em seu despacho, além de determinar que o candidato Valadares Filho se abstenha de voltar a veicular tal vídeo, sob pena de multa diária no valor de R$30 mil, notificou o Facebook e o Instagram para que promovam a remoção imediata das postagens que contenham a peça publicitária já impugnada, e ainda concedeu a Belivaldo exercício ao direito de resposta.
A decisão, soma-se outras 11 proferidas pela Justiça Eleitoral, apenas nesse segundo turno das eleições, nas quais a coligação de Belivaldo conseguiu provar a prática da divulgação de fake news, de forma sistemática, por parte do candidato Valadares Filho.