Usuários protestam contra redução de circulação da linha 607

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Reunião na SMTT: órgão promete providência para que transporte seja assegurado
Reunião na SMTT: órgão promete providência para que transporte seja assegurado

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 25/10/2018 às 06:24:00

 

Milton Alves Júnior
Usuários do sistema de 
transporte coletivo re-
sidentes em bairros da zona norte de Aracaju ocuparam na manhã de ontem a sede da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), com a perspectiva de pressionar a administração pública para regularizar o serviço promovido pela linha 607. Responsável por transitar entre as comunidades do Japãozinho, Coqueiral e Pau Ferro, desde o mês de julho deste ano tem realizado sucessivas intervenções do serviço em virtude do alto índice de roubos, ameaças contra motoristas, cobradores e passageiros, bem como atos de vandalismo.
Presente na mobilização, Paula Eduarda Costa, coordenadora do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), lamenta que o sistema esteja sendo realizada diariamente apenas as 18h30, o que impulsiona a centenas de usuários a terem que buscar outros meios para chegar ou sair de casa. Ela chama a atenção para a situação enfrentada por estudantes do turno noturno e trabalhadores que seguem sem o serviço. Até o semestre passado o sistema era realizado regularmente até as 23h. A coordenadora acredita que falta empenho entre os órgãos responsáveis pelo sistema para promover a qualificação definitiva do serviço.
"Como se bastasse a falta de assistência após as 18h30, o que é um absurdo já que inúmeras pessoas precisam dessa logística para principalmente voltar do trabalho ou da escola, existem casos de motoristas que, ao flagrar uma criança ou adolescente pulando a catraca de imediato já segue para uma delegacia e aquele ônibus já não volta mais a rodar naquele dia. A situação é preocupante e por isso decidimos vir até a SMTT para cobrar uma solução", disse. Minutos após o início da mobilização, gestores do órgão convidaram representantes do grupo para participar de reunião extraordinária com a perspectiva de debater o assunto.
Reunião - No encontro ficou deliberado que a administração municipal adotará os esforços necessários para atender a demanda dos passageiros e qualificar o sistema junto ao Sindicato das Empresas de Passageiros de Aracaju (Setransp), responsável por operacionalizar o transporte. O sindicato, por sua vez, em nota alegou que: "as empresas do transporte coletivo de Aracaju e região metropolitana estão empenhadas no cumprimento do quadro de horário da linha 607, no entanto, diante da falta de segurança para a circulação, com frequentes ameaças de vandalismo aos ônibus e agressões aos funcionários, o SINTTRA (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários) tem paralisado a operação decorrente das ocorrências, quando, inclusive, se é registrado o boletim de ocorrência na delegacia".
O comunicado oficial esclareceu ainda: "o Setransp reafirma a disposição em manter o atendimento regular com a linha 607, mas destaca a necessidade da garantia de segurança para os motoristas, cobradores e para os próprios passageiros de ônibus". Após a reunião com a SMTT, Paula Eduarda disse aguardar uma solução rápida e eficiente para o problema. "Existe a compreensão para a integridade física também dos motoristas e cobradores dessas empresas e por isso estamos mobilizados na esperança que essa integração dos órgãos administrativos e de segurança pública seja realmente posta em prática para que todos voltem a utilizar o sistema como era realizado anteriormente", pontuou a coordenadora do MTST.

Usuários do sistema de  transporte coletivo re- sidentes em bairros da zona norte de Aracaju ocuparam na manhã de ontem a sede da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), com a perspectiva de pressionar a administração pública para regularizar o serviço promovido pela linha 607. Responsável por transitar entre as comunidades do Japãozinho, Coqueiral e Pau Ferro, desde o mês de julho deste ano tem realizado sucessivas intervenções do serviço em virtude do alto índice de roubos, ameaças contra motoristas, cobradores e passageiros, bem como atos de vandalismo.
Presente na mobilização, Paula Eduarda Costa, coordenadora do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), lamenta que o sistema esteja sendo realizada diariamente apenas as 18h30, o que impulsiona a centenas de usuários a terem que buscar outros meios para chegar ou sair de casa. Ela chama a atenção para a situação enfrentada por estudantes do turno noturno e trabalhadores que seguem sem o serviço. Até o semestre passado o sistema era realizado regularmente até as 23h. A coordenadora acredita que falta empenho entre os órgãos responsáveis pelo sistema para promover a qualificação definitiva do serviço.
"Como se bastasse a falta de assistência após as 18h30, o que é um absurdo já que inúmeras pessoas precisam dessa logística para principalmente voltar do trabalho ou da escola, existem casos de motoristas que, ao flagrar uma criança ou adolescente pulando a catraca de imediato já segue para uma delegacia e aquele ônibus já não volta mais a rodar naquele dia. A situação é preocupante e por isso decidimos vir até a SMTT para cobrar uma solução", disse. Minutos após o início da mobilização, gestores do órgão convidaram representantes do grupo para participar de reunião extraordinária com a perspectiva de debater o assunto.

Reunião -
No encontro ficou deliberado que a administração municipal adotará os esforços necessários para atender a demanda dos passageiros e qualificar o sistema junto ao Sindicato das Empresas de Passageiros de Aracaju (Setransp), responsável por operacionalizar o transporte. O sindicato, por sua vez, em nota alegou que: "as empresas do transporte coletivo de Aracaju e região metropolitana estão empenhadas no cumprimento do quadro de horário da linha 607, no entanto, diante da falta de segurança para a circulação, com frequentes ameaças de vandalismo aos ônibus e agressões aos funcionários, o SINTTRA (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários) tem paralisado a operação decorrente das ocorrências, quando, inclusive, se é registrado o boletim de ocorrência na delegacia".
O comunicado oficial esclareceu ainda: "o Setransp reafirma a disposição em manter o atendimento regular com a linha 607, mas destaca a necessidade da garantia de segurança para os motoristas, cobradores e para os próprios passageiros de ônibus". Após a reunião com a SMTT, Paula Eduarda disse aguardar uma solução rápida e eficiente para o problema. "Existe a compreensão para a integridade física também dos motoristas e cobradores dessas empresas e por isso estamos mobilizados na esperança que essa integração dos órgãos administrativos e de segurança pública seja realmente posta em prática para que todos voltem a utilizar o sistema como era realizado anteriormente", pontuou a coordenadora do MTST.