Nordeste é a região do País com mais vencedores do Prêmio Culturas Populares

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/10/2018 às 06:48:00

 

Das 500 iniciativas premiadas pelo Prêmio Culturas Populares 2018 - edição Selma do Coco, 129 são do Nordeste, região com mais premiados no País. Os estados nordestinos com maior número de agraciados foram Pernambuco (39), Bahia (37) e Paraíba (17). Expoentes do maracatu, repente e samba de roda são apenas alguns exemplos de expressões da cultura brasileira contempladas pelo Ministério da Cultura com o Prêmio de R$ 10 milhões - o maior volume de recursos já concedido em seis edições da premiação. Cada agraciado recebeu R$ 20 mil.
O maestro da Sociedade Filarmônica Santa Ana, Gedeão Faustino Nunes Filho, é um dos premiados paraibanos. Fundada em 1997, a sociedade filarmônica atua no ensino de música para crianças e jovens, no município do Congo, localizado na microrregião do Cariri Ocidental. Desde 2009, a sociedade filarmônica conquistou o título de Ponto de Cultura, com o nome de "O Som da Cidadania".
"É uma felicidade imensa receber este prêmio. São mais de 25 anos não só na filarmônica do Congo, mas em outras também. O prêmio significa uma forma de reconhecimento do meu trabalho, de mostrar para os jovens um caminho melhor, saindo das ruas e indo para outras bandas de todo Brasil, longe do crime", afirma Gedeão, que receberá o prêmio na categoria Mestres e Mestras.
Com formação em música, Gedeão participou, entre 1988 e 1992, da banda marcial, que toca em eventos com a presença de presidentes como 7 de setembro. "Hoje, temos aqui na Filarmônica Santa Ana uma banda com repertório bem eclético. Tocamos xaxado, samba, além, é claro, das marchas de desfiles", conta.
Na Bahia, a Mestra sambadeira Dona Aurinda foi agraciada na categoria que reconhece o trabalho de mestres e mestras. Com 84 anos, ela continua atuante nas atividades dos quilombos do Tereré e Maragogipinho, na Ilha de Itaparica, onde nasceu e vive até hoje. Irmã do capoeirista Gerson Quadrado, participa das apresentações de samba de roda tocando um prato com faca. "Não acreditei. Eu fiquei parada e muito satisfeita. Estou no samba desde longa data. Me dá muita alegria", relatou, ao saber do prêmio. 

Das 500 iniciativas premiadas pelo Prêmio Culturas Populares 2018 - edição Selma do Coco, 129 são do Nordeste, região com mais premiados no País. Os estados nordestinos com maior número de agraciados foram Pernambuco (39), Bahia (37) e Paraíba (17). Expoentes do maracatu, repente e samba de roda são apenas alguns exemplos de expressões da cultura brasileira contempladas pelo Ministério da Cultura com o Prêmio de R$ 10 milhões - o maior volume de recursos já concedido em seis edições da premiação. Cada agraciado recebeu R$ 20 mil.
O maestro da Sociedade Filarmônica Santa Ana, Gedeão Faustino Nunes Filho, é um dos premiados paraibanos. Fundada em 1997, a sociedade filarmônica atua no ensino de música para crianças e jovens, no município do Congo, localizado na microrregião do Cariri Ocidental. Desde 2009, a sociedade filarmônica conquistou o título de Ponto de Cultura, com o nome de "O Som da Cidadania".
"É uma felicidade imensa receber este prêmio. São mais de 25 anos não só na filarmônica do Congo, mas em outras também. O prêmio significa uma forma de reconhecimento do meu trabalho, de mostrar para os jovens um caminho melhor, saindo das ruas e indo para outras bandas de todo Brasil, longe do crime", afirma Gedeão, que receberá o prêmio na categoria Mestres e Mestras.
Com formação em música, Gedeão participou, entre 1988 e 1992, da banda marcial, que toca em eventos com a presença de presidentes como 7 de setembro. "Hoje, temos aqui na Filarmônica Santa Ana uma banda com repertório bem eclético. Tocamos xaxado, samba, além, é claro, das marchas de desfiles", conta.
Na Bahia, a Mestra sambadeira Dona Aurinda foi agraciada na categoria que reconhece o trabalho de mestres e mestras. Com 84 anos, ela continua atuante nas atividades dos quilombos do Tereré e Maragogipinho, na Ilha de Itaparica, onde nasceu e vive até hoje. Irmã do capoeirista Gerson Quadrado, participa das apresentações de samba de roda tocando um prato com faca. "Não acreditei. Eu fiquei parada e muito satisfeita. Estou no samba desde longa data. Me dá muita alegria", relatou, ao saber do prêmio.